Tico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de Champignon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Giuliano Trondoli, Fonte: Página do vocalista
Enviar correções  |  Comentários  | 

Após a notícia da morte (supostamente por suicídio) do Champignon, ex-baixista do Charlie Brown Jr., o vocalista do Detonautas Roque Clube, Tico Santa Cruz, escreveu em sua página do Facebook um excelente e comovente texto sobre suicídio, falando sobre a situação que um dia foi responsável por ele quase ter tirado a sua própria vida.

1194 acessosCharlie Brown Jr.: estreia é relançada em CD duplo5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Aleister Crowley

https://www.facebook.com/tico.s.cruz/posts/660587537285883...

O suicídio e quando a gente quase atravessa a ponte.

Não vou me ater a tristeza que é a perda de uma pessoa que a gente conhece. Mas a variáveis que levam alguém a desistir desse lugar.

Por volta de 2004 estive muito próximo de por em prática o plano ir embora. Por vingança. Por acreditar que com essa atitude talvez conseguisse atingir aqueles que estavam me machucando.

Quem estava me machucando?

Eu acreditava que o mundo todo.

A Terapia me salvou. Foi onde pude colocar pra fora todas as minhas angústias, as ansiedades e as dores da alma. E perceber que eu não era vítima de nada, ou melhor estava sendo algoz de mim mesmo. Foram muitos anos seguidos de terapia para conseguir perceber que as respostas estavam dentro de mim.

Procurei os caminhos e comecei a encarar meus monstros. Alguns eu domei, outros ainda me assombram até hoje. Mas procuro administrá-los.

Tive alguns outros rompantes ao longo do caminho.

Mas por que? você pode perguntar.

- Você tem tudo que quis. Algum dinheiro, fama, mulheres, prazeres e privilégios que muitas pessoas não tem. Por que pensar em algo assim?

E as pessoas continuam achando que as questões materiais de fato sejam o suficiente para tapar os rombos na alma. Como se sucesso, fama e dinheiro, mulheres, drogas ou qualquer coisa desse tipo, fizesse com que a maneira de enxergar o mundo sem as cortinas que a maioria não percebe, não pudesse minar a sensação de que este lugar é um plano denso demais para alguns corações.

Poucos entenderão.

A segunda razão que leva alguém a decidir pegar seu caminho para longe daqui por conta própria é o desespero. É perceber que por mais esforços que você faça, nada supra os anseios alheios e aqueles que sua alma clama. E quem está mais exposto, está mais sujeito a ser perturbado. Pensamentos, imagens, desejos, sonhos, frustrações, conflitos, sentimentos de euforia e solidão que se revezam de uma forma fulminante e que vão minando seu coração.

Nós que trabalhamos com arte, e que de alguma forma conseguimos nos destacar, temos de ter a consciência de que estamos sujeitos a todo tipo de julgamento e de ataques. Assim como devemos celebrar e saber tirar do amor e do carinho dos fãs e dos admiradores algum conforto para encarar os desafios.

Não são poucos os desafios, nem tão pouco menores as cobranças.

Não somos apenas as imagens que vocês assistem nos shows, nas Tvs, nas revistas e que movem milhares de outros jovens a desejar serem como somos. Há muita dificuldade em se levar esta vida que as pessoas acreditam ser apenas de glamour.

Existem muitas inseguranças, muitas lutas, muitas e muitas frustrações. A alma dói.

"É difícil viver as verdades do mundo quando o seu coração não se sente a vontade" - certa vez escrevi em "Verdades do mundo".

Há muita falsidade, muita mentira, muita intriga, muitos elementos que não ficam expostos. Entre a sombra e a luz, nós vamos andando e lidando com todo tipo de energia.

Tão pouco seja fácil para quem nos acompanha de perto. Família, filho e etc. Distância, saudade, pouco tempo juntos.

Aprendi a blindar meu coração, mas não estou livre de sentir.

Muitas vezes o desespero bate na minha porta. Espanca minha porta, tenta arrombar minha porta. Mas busco sempre e de alguma maneira neutralizá-lo. Aprendi na TERAPIA a criar mecanismos para isso.

- Não guardar rancor.

- Vomitar o que me faz mal internamente.

- Explodir e colocar para fora os sentimentos negativos de ódio, raiva e outros que possam me fazer mal, mesmo que isso pareça um mal no momento em que é exposto.

Tem dias que realmente você não tem vontade de sair da cama.

Sensação de cansaço, de que esse mundo é uma merda, de que grande parte da humanidade é cruel e de que não há nada concreto que possamos fazer para mudar isso.

Então você lembra que não está sozinho e tenta tirar forças para que esse sentimento profundo de tristeza não te afunde mais.

Algumas pessoas reagem melhor que outras, mas não devemos condenar ninguém.

A sensibilidade de alguns é muito mais forte do que se imagina quando se vê a imagem com cara de malvado e com uma atitude de enfrentamento. Doer a dor dos outros. Das desigualdades, das guerras, das perdas, das pessoas que nem conhecemos ou tão pouco precisaríamos nos preocupar.

Quando perdi o meu parceiro de banda. Rodrigo Netto, que foi assassinado no Rio de janeiro. O chão se abriu e a crueza do mundo ficou ainda mais latente. Minha revolta subiu ao nível máximo. Eu queria novamente me vingar desse mundo. Mas dessa vez não usando minha própria vida. Canalizei a revolta para outros caminhos. Mas estava lá o sentimento de que esse mundo não vale a pena. E entendi o que Renato Russo disse quando Versou "São meus filhos que tomam conta de mim...."

Pois bem.

O suicídio por muitos é encarado como um ato de covardia, de egoísmo, de fragilidade e pode até ser. Mas é muito fácil de julgar olhando apenas os elementos que TE RODEIAM. Muito fácil falar quando não é sua alma que está sangrando. Porque a sua vida, seja ela como for, tem razões para seguir. Nem todo dinheiro, fama, ou seja lá o que faz as pessoas condicionar a felicidade esteja atrelada a algo material que possa suprir o que cada pessoa tenha como emoção e razão dentro de si.

Não existem culpados.

A pressão que nós sofremos é muito grande. Muito maior do que imaginam aqueles que através desse novo mecanismo de comunicação que nos coloca cara a cara com com muita maldade de muita gente sem consciência e sem escrúpulo.

Pode ter certeza absoluta que isso machuca muito qualquer ser humano. Desde um garoto na escola que sofre com as brincadeiras de mal gosto de seus colegas, quanto essa corja que faz questão de invadir seus espaços para te ofender, te criticar, de humilhar muitas vezes, como se nós tivéssemos a obrigação de sermos imunes a estas colocações.

A internet e essa possibilidade de fazer contato com o amor e com o ódio das pessoas, pode sim, catalisar um processo de negação, de dor e de desespero. A exposição é muito grande.

Há quem saiba lidar com isso e há quem se sinta atingido.

Já me senti atingido muitas vezes. E não tenho medo de expor, sob a condição de que venham usar isso contra mim.

Nessa madrugada mesmo, após receber a triste notícia da perda de uma pessoa que conheci, li mensagens como:

"E agora Tico Santa Cruz, só falta você"... entre outras coisas que num momento de dor e angustia te fazer perder a crença na humanidade.

Não vou teorizar sobre o que levou o Champignon a tal decisão. Mas foi algo muito grave e muito triste. MUITA PRESSÃO. E acho que não cabe a ninguém julgar sua atitude, pois NENHUM DE NÓS jamais saberá o que esse cara estava passando.

Ao invés de dizer que ele tinha tudo e que ainda deixou sua esposa grávida. Se questionem, se ele tinha tudo e ainda deixou sua esposa grávida e um futuro pela frente, o que pode ter motivado seu ato final?

Quem sofre na alma, às vezes pode acionar a saída de emergência. E por mais egoísta que isso possa soar, julgar e condenar, não me parece uma atitude de quem se sente superior a ponto de estar em condições de dar o veredicto final.

Não existe volta. Todos nós temos momentos de dor, alguns sentem mais.

Eu decidi que não iria me entregar, mas não me sentiria um covarde se resolvesse partir. Tenho razões fortes para continuar lutando nesse plano. Mas que sinto uma grande tristeza e muitas angústias quando vejo a falta de COMPAIXÃO das pessoas de forma geral. E pobre de quem acredita que questões materiais sejam um bom motivo para justificar as decisões.

O verdadeiro motivo que nos mantém vivos é encontrar algo ou alguém que nos fortaleça nos momentos mais difíceis, e num mundo de tanta falsidade - basta um segundo e você pode perder a razão.

Lhes digo com convicção - lutem, não se entreguem, não se deixem levar pelo lado cruel das pessoas. Mas lhes digo também. Não julguem aqueles que desistiram. Vocês não são melhores ou mais corajosos que eles.

Apenas respeitem, por mais difícil que seja.

Nesse momento, a quem é do bem, a quem tem amor pelo próximo, é dedicar a sua energia boa aos amigos e a quem ficou.

Pode acreditar.

É muito mais difícil amar os outros do que expandir seu ódio e seus conceitos de superioridade.

Tico Sta Cruz.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosCharlie Brown Jr.: Champignon é encontrado morto em São Paulo5000 acessosChampignon: músicos e amigos lamentam morte do baixista5000 acessosJoão Gordo: homenagem aos suicidas que se vão antes do tempo5000 acessosChampignon: leia comunicado oficial da banda A Banca1947 acessosChampignon: confira uma das últimas apresentações do músico5000 acessosChampignon: chamado de Judas na véspera de morrer5000 acessosChampignon: um gesto estranho nas últimas imagens do músico?801 acessosSampa Music Festival 10: condolências a Champignon5000 acessosCharlie Brown Jr: Renato Pelado comenta sobre morte de Champignon5000 acessosCharlie Brown Jr: Esposa diz que Champignon foi sucumbido por espíritos ruins

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

1194 acessosCharlie Brown Jr.: estreia é relançada em CD duplo2074 acessosPipocando Música: as oito maiores tretas das bandas!0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Charlie Brown Jr"

NasiNasi
"Chorão foi o maior roqueiro de sua geração"

ChorãoChorão
Apresentador confunde tudo em homenagem

Charlie Brown JrCharlie Brown Jr
Apresentador maranhense continua confuso

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Detonautas"0 acessosTodas as matérias sobre "Charlie Brown Jr"


Aleister CrowleyAleister Crowley
Um dos pensadores que inspiraram o Heavy Metal

Heavy MetalHeavy Metal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Ivete SangaloIvete Sangalo
"Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e Rush"

5000 acessosSlayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxo5000 acessosRockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmes5000 acessosDave Mustaine: a história por trás de "The Four Horsemen"5000 acessosThrash Metal: 10 melhores álbuns que não foram lançados pelo Big45000 acessosCDs: sua coleção pode valer uma fortuna e você nem sabe disso5000 acessosMetallica: agente da banda afirma que Youtube é o Diabo

Sobre Giuliano Trondoli

Nascido e criado ao lado do bairro da Pompéia, o berço do Rock Nacional por ter sido local de surgimento de bandas como Tutti-frutti, Made in Brazil e Mutantes, não poderia ter outra saída a não ser virar fã desse estilo musical chamado Rock n’ Roll. Atualmente é estudante de administração, freqüentador de shows e roadie da banda Mattilha. Entrou no mundo do Rock n’ Roll bem cedo, mais precisamente aos sete anos de idade quando começou a ouvir bandas como Ultraje a rigor, Dire Straits, Raimundos e Raul Seixas. Com o passar do tempo, foi conhecendo bandas como Titãs, Cássia Eller, Paralamas e afins. Mas foi por volta dos 11 anos que conheceu suas bandas favoritas até hoje: Black Sabbath e Metallica. E desde então optou em conhecer mais e mais bandas, com um carinho especial para as nacionais, dentro desse universo imenso chamado Rock n’ Roll.

Mais matérias de Giuliano Trondoli no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online