Indústria: por que é que alguém ainda pagaria por uma música?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O triunfo dos serviços de streaming e das rádios digitais consitituem a terceira onda de destruição da indústria musical nos últimos 15 anos.

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoKing Diamond: As opiniões do rei sobre Satanismo

O WALL STREET JOURNAL divulgou essa semana que o site Amazon visa adentrar o já lotado mercado de rádios digitais, seguindo os passos da iTunes Radio da Apple [que por sua vez seguiu a rádio Spotify, que seguira o Pandora, e assim vai]. Na mesma semana, a Apple anunciou que a iTunes Radio já arrebatou 8 por cento do mercado de streaming musical dos EUA em apenas um ano, tornando-a a terceira maior estação de rádio digital dos EUA, atrás apenas da iHeartRadio, de propriedade da Clear Channel, e da Pandora.

E antes de você temer pelo futuro de sua loja online predileta, essa mesma empresa anunciou que os números de ouvintes e de horas de execução ambos subiram ao longo do ano passado, e a Pandora agora tem 9 por cento de toda a audiência das rádios nos EUA [incluindo canais em AM e FM].

Se há espaço suficiente no mundo do streaming digital para uma Pandora em expansão, um iTunes em expansão, uma nova rádio da Amazon, e uma rádio Spotify reformulada e reforçada por sua nova parceria com a empresa de software musical EchoNest - pro que é que NAO há espaço na música?

Compras

"Os jovens de hoje em dia não compram música mais", disse Martin Pyykkonen, um analista da Wedge Partners. Os números corroboram com isso. De acordo com o balanço atual da auditora Nielsen relativo à indústria musical, as vendas digitais de música caíram ano passado pela primeira vez, em 6 por cento, enquanto a indústria musical se aproxima de um modelo de acesso em detrimento da propriedade. O Streaming ao todo [que inclui rádios digitais] subiu 32 por cento, chegando a 118 bilhões de execuções de faixas em 2013. O Streaming On-Demand [do tipo 'escolha uma música e clique no Spotify] dobrou ano passado.

Essa é pelo menos a terceira onda de destruição sobre a indústria musical na última década e meia. Primeiro foi o Napster e os sites de downloads ilegais despedaçaram o formato álbum e distribuíram arquivos de músicas em um mercado negro que as gravadoras não conseguiam deter. Segundo, a Apple usou o medo e o desespero das gravadoras para enfiar um modelo de 99 centavos de dólar por faixa no iTunes, que efetivamente destruiu o poder de agregar faixas do formato álbum nos olhos de milhões de fãs de música [ainda que as vendas de discos de música country sejam muito altas]. Na última década, as vendas despencaram. Em terceiro, a rádio digital e os sites de streaming ficaram tão bons que agora muitos fãs de música se perguntam o porquê da necessidade de comprar álbuns, antes de qualquer coisa. Consequentemente, eles não os compram.

Esta não se trata de uma observação do tipo 'a indústria musical está morta!', mas, ao invés de constatar isso, numa época em que a indústria da televisão prova ser um dos melhores negócios da América, a indústria musical que produz um produto simples e facilmente duplicável, tem que competir com o que talvez seja a transformação tecnológica mais voraz de todos os ramos. Dar escolhas para os consumidores é algo perigoso.

Por Derek thompson para o The Atlantic




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Indústria Musical"


Bandas: Por que ninguém está indo a seus shows?Bandas
Por que ninguém está indo a seus shows?

Grã-Bretanha: o mapa do rock no Reino UnidoGrã-Bretanha
O mapa do rock no Reino Unido

Audiofilia: fones da Apple são pior meio para se ouvir músicaAudiofilia
Fones da Apple são pior meio para se ouvir música


Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

King Diamond: As opiniões do rei sobre SatanismoKing Diamond
As opiniões do rei sobre Satanismo

WatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposWatchMojo
Os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

Mulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-lasMulheres
10 músicas que ajudarão a conquistá-las

Iron Maiden: Bruce diz não haver muito diálogo na bandaIron Maiden
Bruce diz não haver muito diálogo na banda

Mangini: Toda noite agradeço por estar no Dream TheaterMangini
"Toda noite agradeço por estar no Dream Theater"

Slayer: Tom Araya acha meio malucos fãs que tatuam o logo da bandaSlayer
Tom Araya acha meio malucos fãs que tatuam o logo da banda


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336