Jimmy Page: "Sons terríveis que você não deve ouvir"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcio Millani, Fonte: Ultimate Classic Rock, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

JIMMY PAGE evidentemente possuía toneladas de material para escolher quando sentou-se para organizar o material inédito que está incluído nas reedições do LED ZEPPELIN a serem lançadas. Durante recente entrevista para a revista Guitar World, ele revelou detalhes a respeito do processo de seleção por trás de uma das faixas: um take inicial de "Whole Lotta Love", do álbum "Led Zeppelin II, de 1969.

Dimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do KissGosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Aquele ponto na evolução da música eu já sabia em minha mente para onde iria o arranjo todo, mas eu queria que as pessoas ouvissem o quão focado estávamos na criação de uma base muito intensa", PAGE respondeu ao ser indagado do porquê ele escolheu aquela performance específica. "E é algo intenso!... Eu acho que a performance de ROBERT PLANT nessa faixa é também uma revelação. Ele está somente fazendo uma voz guia, mas é do cacete, não é? E mesmo que você só escute alguma coisa de bateria, pequenos trechos da parte final de Theremin e algum vocal do ROBERT na parte do meio, é realmente atmosférico e possui seus próprios méritos."

Nenhum debate sobre "Whole Lotta Love" seria completo sem algumas palavras a respeito de como a banda criou a variedade de excêntricos ruídos na parte central, e PAGE compartilhou algumas informações, dizendo, "eu sabia o que eu queria, e sabia como obtê-lo. Era somente uma questão de fazer. Eu criei a maior parte dos sons com o Theremin e a minha guitarra. O Theremin gera grande parte dos registros agudos enquanto minha Les Paul faz os graves."

Obviamente não é tão simples assim. "Eu alterei a afinação radicalmente e basicamente puxava as cordas para conseguir uma gama de ruídos," continuou PAGE. "Sons terríveis que você não deve ouvir em rádios comerciais. (risos). Eu devo ter mudado a afinação para formar um acorde, mas eu realmente estava puxando as cordas para fazê-las uivar! E depois, durante a mixagem, com a ajuda do engenheiro EDDIE KRAMER, fizemos todo o panning e adicionamos os efeitos, incluíndo o usos de osciladores de baixa frequencia no gravador para realmente destruir a coisa toda e trazê-la de volta, e desta maneira fazer o som mover-se no ritmo. É algo que ninguém havia feito antes neste contexto, ainda mais no meio de uma música. Isto demonstra que éramos inovadores, que tudo era avant-garde, e que estávamos nos divertindo muito."

Era tudo finalmente devido ao que PAGE se referiu como "a vantagem de ter o controle artístico". Como ele enfatizou, "Nada disto teria acontecido se (eu) tivesse um produtor de fora. Ele certamente teria questionado, ou não compreendido, o que eu estava fazendo, ou teria pensado que eu estava produzindo somente um monte de barulho. Eu estava apto a ter certeza que nossas ideias iriam ser executadas sem interferência."

Por Jeff Giles




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"Todas as matérias sobre "Jimmy Page"


Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na músicaRock
25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

Batalha de Riffs: Led Zeppelin contra Black SabbathBatalha de Riffs
Led Zeppelin contra Black Sabbath


Dimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do KissDimebag Darrell
Guitarra de Van Halen num caixão do Kiss

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalGosto duvidoso
As piores capas da história do Rock e Heavy Metal


Sobre Marcio Millani

Nasceu e sempre morou em São Paulo. É formado em Sistemas de Informação e pós-graduado em Língua Portuguesa, mas não atua em nenhuma das duas áreas. É baixista, mas também curte brincar com guitarra e bandolim. Participou das bandas paulistanas Centúrias e Mixto Quente, ambas com discos lançados pelo selo Baratos Afins na década de 80. Participou também de inúmeras bandas cover de Blues, Classic Rock e Fusion. Além destes estilos gosta de Progressivo, Jazz, Bluegrass e música clássica.

Mais matérias de Marcio Millani no Whiplash.Net.

adGoo336