Metallica: protestos são falácia hipócrita e reacionária

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Texto original por IAN WINWOOD co-autor do livro 'Birth School Metallica'.

Em junho de 2013, o fundador do festival de Glastonbury, MICHAEL EAVIS, pronunciou-se em apoio à política do governo do Reino Unido sobre o abate de furões. Eavis, então com 77 anos disse ao jornal inglês The Guardian, 'como fazendeiro, não estou do lado do furão'.

Metallica: filmagem profissional de "The Four Horsemen" em show na ÁustriaGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viu

Desde que fundou o festival em 1970, Eavis já viu todo tipo de banda e artista se apresentar na fazenda Somerset. Poucos deles são melhores do que PJ Harvey, um defensor ferrenho e orgulhoso da caça à raposa.

O leitor pode ser desculpado por não saber da postura de Eavis e Harvey quanto ao abate de animais porque, bem, porque ninguém se importava.

Isso, obviamente, não é o caso do METALLICA.

Pela primeira vez desde que 'Some Kent Of. Monster' foi lançado uma década atrás, o quarteto de São Francisco tornou-se o grupo mais comentado da Grã-Bretanha. A notícia de que o frontman JAMES HETFIELD irá narrar 'The Hunt', uma série sobre a caça de ursos selvagens no Alaska, produzida pela franquia estadunidense do History Channel-também transmitido no Reino Unido - tem recebido uma avalanche de críticas oposicionistas que dificilmente seriam mais pronunciadas se ele tivesse fechado as portas da World Wildflife Fund com a cabeça decepada do último Panda vivo do mundo.

Um abaixo-assinado online para remover o Metallica do elenco de Glastonbury esse ano está em andamento.

Claro, seria errado sugerir que nenhum animal foi ferido durante as gravações de The Hunt. Mas também seria errado afirmar que eles foram machucados por James Hetfield. O frontman de 50 anos não caça mais. Ele pode, hoje em dia, fazer relações públicas para o 'esporte', mas ao se pronunciar a favor de uma atividade impopular e tabu ele apenas segue os passos de Michael Eavis e Polly Jean Harvey.

Então do que se trata toda essa celeuma na verdade?

Fico tentado a dizer que o chororô que tem ocorrido desde que o Metallica fora anunciado no palco Pyramid na noite de Sábado de Glastonbury não passa de elitismo cultural. Várias pessoas - algumas das quais podem até comparecer ao festival - estão chocadas com o fato de a banda mais bem-sucedida do metal tenha invadido - e ainda por cima convidada! - a cidadela de Somerset.

Encurralado contra esse esnobismo está um esnobismo inverso que também está operando a todo vapor. Muitos fãs de metal estão chocados pelo Metallica tocar no 'Glasto' e se comparando 'ao tipo de gente' que eles imaginam que compareça ao evento.

Mas vamos ser mais generosos e dizer que isso não passa de desconforto cultural. Mas Glastonbury é um evento que se orgulha por sua diversidade. Excluir o Metallica dessa política de casa aberta é tão inconsistente como acreditar que há diferença entre James Hetfield narrar imagens de uma caça ao urso e PJ Harvey defender cães caçando uma raposa até sua morte.

Os frequentadores de Glastonbury fariam bem se entendessem isso. Os reacionários do metal também fariam ao baixarem a bola.

O que também tem sido esquecido é que já passamos por isso antes. Em 1985, quando o Metallica foi agendado para tocar em Donington como parte do elenco do Monsters of Rock - espremidos entre o Ratt e o Bon Jovi - os gritos de indignação dos pagantes e guardiões da consciência coletiva foram altos e estridentes. O Metallica, diziam, não era apropriado para o festival. O Metallica era idiótico e recém-chegado. O Metallica - como colocar melhor do que isso? - não era nosso tipo de gente.

Com um arroto de ar parado, a história, 29 anos depois, está se repetindo.


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Metallica"


Metallica: filmagem profissional de "The Four Horsemen" em show na ÁustriaMetallica: Creeping Death ao vivo na Áustria

Metallica: quando Kirk Hammett ouviu o Wah Wah pela primeira vezMetallica
Quando Kirk Hammett ouviu o Wah Wah pela primeira vez

Michael Jackson: filha faltou à formatura para ir assistir o MetallicaMichael Jackson
Filha faltou à formatura para ir assistir o Metallica

Metallica: vídeo oficial de "One" ao vivo na RomêniaEm 18/11/1997: Metallica lançava o álbum Reload

Em 18/11/1962: nascia Kirk HammettEm 18/11/1962
Nascia Kirk Hammett

Metallica: em vídeo, como a banda sabotou a carreira do Jason NewstedMetallica
Em vídeo, como a banda sabotou a carreira do Jason Newsted

Metallica: filmagem profissional de "Harvester Of Sorrow" ao vivo em MoscouMetallica: vídeo de "Sad But True" em Moscou; confira

Megadeth: Mustaine cogita possibilidade de shows em formato Big 10Megadeth
Mustaine cogita possibilidade de shows em formato Big 10

Lars Ulrich: pai fala que tocar com filho foi momento preciosoLars Ulrich
Pai fala que tocar com filho foi "momento precioso"


Guns N' Roses: o Chinese Democracy que você nunca viuGuns N' Roses
O "Chinese Democracy" que você nunca viu

Led Zeppelin: tudo sobre o hit Stairway To HeavenLed Zeppelin
Tudo sobre o hit "Stairway To Heaven"


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336