Bater cabeça: estudo comprova lesões por excesso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

De acordo com o The Daily Beast, um novo estudo de caso publicado em um periódico médico, o Lancet, revelou que bater cabeça - descrito como violentamente chacoalhar sua cabeça no tempo da música, como comumente feito no rock, punk e heavy metal - pode causar danos quando o cérebro se encontra com o crânio.

Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteBlack Sabbath: os vocalistas misteriosos da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O estudo detalha o caso do fã de heavy metal alemão que sofreu sangramentos no cérebro após uma noite de headbanging em um show no MOTORHEAD. O homem de 50 anos reclamou de dores de cabeças constantes durante duas semanas, e contou aos médicos do Hannover Medical School que estava batendo cabeça regularmente por anos. Uma tomografia computadorizada mostrou que ele estava sofrendo de um sangramento - medicalmente conhecido como Hematoma Subdural - no lado direito de seu cérebro.

"Nós não somos contra bater cabeça", disse Ariyan Pirayesh Islamian, um dos médicos que trataram o paciente. "O risco de lesões é muito, muito baixo, mas eu acho que se nosso paciente estivesse em um concerto de música clássica, isso não teria acontecido."

"Há provavelmente outro grande risco acontecendo em shows de rock, fora o ato de bater cabeça", adicionou o Dr. Colin Shieff, neurocirurgião. "A maioria das pessoas vão aos festivais e pula para cima e para baixo enquanto chacoalha suas cabeças, não acaba nas mãos de um neurocirurgião."

Dave Mustaine, do MEGADETH, e um dos vários músicos que já falaram do mal que bater cabeça no palco já lhes causou. Ele tentou lidar com a dor causado pela stenosis - um afinamento da coluna espinhal - por quase 10 anos através de acupuntura, Yoga, injeções localizadas e medicação narcótica e não narcótica, mas ao fim ele teve que passar por uma pequena cirurgia na espinha, em 2011, para tentar unir um disco em seu nervo cervical. Ele disse: "Eu tive que unir o meu pescoço - as vértebras no meu pescoço - do dano que bater cabeça causou com o passar dos anos. Ele degenerou os discos. Quando eles estavam falando de substituir um dos discos, acharam um grande fragmento de osso que quebrou e estava fazendo pressão contra minha espinha. Era bem doloroso."

O frontman do SLAYER, Tom Araya, passou por uma cirurgia nas costas em 2010, após ter problemas enquanto a banda estava em uma turnê na Ásia em 2009. O músico inicialmente não queria pegar essa estrada cirúrgica, então os especialistas recomendaram uma série de procedimentos minimamente invasivos. Enquanto esses procedimentos resultaram em alguma melhoria, Araya continua lidar com situações intermitentes de severa dor, dormência e espasmos musculares. O procedimento cirúrgico pelo qual ele passou é chamado de Anterior Cervical Disectomy wish Fusion, e é algo relativamente de rotina.

"Não posso mais bater cabeça", explicou Araya em 2010 em uma intervista com o Noisecreep. "Quando eles me diagnosticaram, descobriram que eu estava herniando para a esquerda, e normalmente é para trás. Isso foi causado por bater cabeça. Sou um defensor de bater cabeça moderadamente agora."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Notícias

Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Black Sabbath: os vocalistas misteriosos da bandaBlack Sabbath
Os vocalistas misteriosos da banda


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

adGoo336