Bateristas: estudos indicam que eles são os mais inteligentes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Policymic, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

No mundo da música, piadas de baterista são sempre populares. A maioria delas têm o mesmo mote: Bateristas são idiotas. Tomemos, por exemplo, a seguinte: "Como você sabe dizer se o palco está nivelado? O baterista está babando de ambos os lados de sua boca".

93 acessosGuilherme Costa: demonstrando técnicas em 5 clássicos do rock/metal5000 acessosFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana

Quer se trate de serem impiedosamente ridicularizados por sua idiotice, mortos repetidamente em This Is Spinal Tap ou apenas paquerados menos freqüentemente do que o guitarrista, os bateristas caminham por uma estrada difícil. Mas acontece que a ciência os mantém em muito alta conta: eles têm uma habilidade inata rara de resolver problemas e mudar o ambiente que os rodeia.

Para começar, bateristas consistentemente podem realmente ser mais espertos que seus colegas de banda menos focados no ritmo. Um estudo do Karolinska Institutet em Estocolmo encontrou uma ligação entre inteligência, boa percepção do tempo e a parte do cérebro usada para resolver problemas. Os pesquisadores fizeram os bateristas tocar uma variedade de batidas diferentes e então lhes passaram um simples teste de inteligência com 60 questões. Os bateristas que fizeram mais questões também foram capazes de manter uma batida consistente. Aparentemente, descobrir como tocar no tempo é outra forma de resolver problemas. Pelo menos, é uma prova de que John Bonham era mesmo um gênio.

Mas mesmo que um baterista firme possa ser mais inteligente do que seus colegas de banda, os dons do baterista podem ser compartilhados: uma batida firme realmente pode transferir essa inteligência natural para os outros. Em estudos sobre os efeitos do ritmo no cérebro, os pesquisadores mostraram que experimentar um ritmo constante realmente melhora a função cognitiva. Um professor de psicologia da Universidade de Washington usou a Terapia de Som e Luz Rítmica e em seus alunos e descobriu que suas notas melhoraram. Da mesma forma, um pesquisador da Universidade do Texas usou esse método em um grupo de meninos do ensino fundamental e médio com ADD. As terapias tiveram um efeito semelhante a Ritalina, trazendo eventualmente aumentos duradouros nos escores de QI dos meninos.

Com certeza, esses estudos focaram mais sobre os efeitos do ritmo sobre a mente, em vez de sobre a mente por trás do ritmo. Dito isto, o foco rítmico consistente dos bateristas tem efeitos positivos sobre eles e aqueles ao seu redor (sim, até mesmo seus vizinhos). Isso porque quando bateristas trazem um ritmo constante (e correspondente capacidade de resolver problemas) para um ambiente de grupo, eles realmente criam uma aura de baterista em todos ao seu redor. Pesquisadores da Universidade de Oxford descobriram que quando bateristas tocam juntos, ambos os seus níveis de felicidade e tolerância à dor aumentam, semelhante aos corredores olímpicos.

Observando que essa aura levou aos pesquisadores a criar a hipótese de que tocar bateria era um integrante da construção de comunidade e que compartilhar ritmos poderia ser o tipo de comportamento necessário para a evolução da sociedade humana. Obrigado, Phil (Collins).

Tocar bateria é uma coisa fundamentalmente humana. Muito da música moderna passou para baterias eletrônicas para criar ritmos eletrônicos ultra-precisos. Mas acontece que o que normalmente percebemos como erro é realmente apenas um sentimento exclusivamente humano de tempo: Pesquisadores de Harvard descobriram que bateristas usam um tipo diferente de relógio interno que se move em ondas, em vez de linearmente como um relógio de verdade faz. Eles combinam um ritmo inato que foi encontrado em ondas cerebrais humanas, a freqüência cardíaca durante o sono e até mesmo os disparos do nervo auditivo em gatos. Quando um baterista humano toca, ele ou ela encontra um ritmo humano.

Assim, os estereótipos não são apenas infundadas, eles também estão totalmente errados. Muitos desses estudos têm a ver tanto com o ritmo quanto com o ato de tocar bateria, mas os bateristas são mais engajados com os elementos mentais do que a maioria. São pessoas em uma corrente fundamental do que significa ser humano, as pessoas em torno do qual as bandas e comunidades se formam.

E admito que, às vezes eles até mesmo escrevem grandes canções.

NT. E ainda há os que escrevem livros, como é o caso de Neil Pert.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

93 acessosGuilherme Costa: demonstrando técnicas em 5 clássicos do rock/metal113 acessosGuitarra: Licks Aranha (misturando Satriani e Paul Gilbert)0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Instrumentos"

Guitar WorldGuitar World
Os melhores solos de guitarra de todos os tempos

Jared DinesJared Dines
10 truques de guitarra (para iniciantes)

Zakk WyldeZakk Wylde
Veja em vídeo as guitarras e amps da Wylde Audio

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana, muito antes da fama

IndústriaIndústria
Atrizes pornô começam a seguir rumo das bandas

Mamonas AssassinasMamonas Assassinas
Músicos já sabiam que iam morrer?

5000 acessosExodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt5000 acessosRicardo Confessori: "Iron Maiden, aposenta logo!"5000 acessosMúsica Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?4608 acessosHeavy Metal: 30 clássicos em apenas um minuto5000 acessosPhil Anselmo: 5 discos essenciais em sua coleção5000 acessosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online