Matérias Mais Lidas

imagemO mega sucesso do Led Zeppelin que era pra ser uma piada mas se tornou um hino

imagemDave Mustaine perde a compostura e xinga membro da equipe do Judas Priest

imagem"Master Of Puppets" apareceu em comédia há 19 anos, muito antes de "Stranger Things"

imagemA banda de hard rock dos anos 1970 que é a queridinha de Xande de Pilares

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemO que Lemmy Kilmister aprendeu trabalhando como roadie de Jimi Hendrix

imagemMetallica em "Stranger Things" deixa fãs preocupados com a "popularização" da banda

imagemLed Zeppelin ou Pink Floyd, qual dos dois vendeu mais discos de estúdio?

imagemGuitarrista original do Mercyful Fate solta os cachorros por ter ficado fora de reunião

imagem"Master Of Puppets" entra no top 30 global do Spotify depois de "Stranger Things"

imagemAngra: vídeos e setlist de show celebrando "Rebirth" em SP, com convidada especial

imagemMorre Patricia Kisser, esposa do guitarrista Andreas Kisser

imagemGuns N' Roses: A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

imagemDave Mustaine rasga elogios e fala sobre amizade com Ice-T, vocalista do Body Count

imagemFilho de Trujillo fez guitarra na "Master of Puppets" que toca em Stranger Things


Stamp

Ian Anderson: os 40 anos de "Thick As a Brick"

Por Roberto Rillo Bíscaro
Em 23/01/15

1972: uma banda de folk progressivo lançou ambicioso álbum conceitual com apenas uma faixa. Na era em que tínhamos que mudar o vinil de lado, o grupo resolveu a questão colocando som de vento no final do lado A e no começo do B pra fingir que era fim e começo de música. Fracasso comercial? Pelo contrário, Thick as a Brick, dos britânicos do JETHRO TULL não apenas se tornou pedra lapidar do movimento prog, como alcançou o topo da resistente parada norte-americana. Outros tempos...

Os 44 bombásticos minutos da canção-álbum são recheados de instrumentos e variações de ritmo e andamento. IAN ANDERSON – líder inconteste do JETHRO – gaba-se de que o projeto é uma paródia aos meagalomaníacos álbuns conceituais de bandas prog, como o YES. Só que em 72, o grupo de JON ANDERSON ainda não lançara álbum conceitual. Pode até ser paródia, mas a menção ao YES – se não for invenção da imprensa – é farpa de diva.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

IAN ANDERSON criou uma personagem, o garoto-prodígio Gerald Bostock, que, aos 8 anos, ganhou um concurso literário com intrincado poema épico, pra em seguida ser desclassificado devido a seus supostos problemas mentais. A letra de Thick as a Brick seria o poema desse "pequeno Milton" (alusão a John Milton, de Paradise Lost), adaptada pela banda. Pra completar o pacote, a capa do álbum era uma réplica dum jornal de interior, contando a história do garoto, do uso de seu poema pela banda etc. Tudo com fotos e anúncios.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Monumental, Thick as a Brick, traz um IAN ANDERSON caprichando nas letras e incendiando na guitarra e na flauta, tocada ao vivo com o músico apoiado numa única perna. Com sua barba e cabelo fartos, parecia o Tom Bombadil, de Tolkien.

A era do CD pôs fim à inconveniência de lados A e B e podíamos ouvir a faixa-álbum em sua grandeza ininterrupta. O mesmo pode ser feito via You Tube, onde Thick as a Brick encontra-se integral:

2012: sem cabelo ou barba, IAN ANDERSON saiu-se com uma continuação pro álbum. Também sem o JETHRO TULL, pois o maior criador de salmão da Escócia decidiu que Thick as a Brick 2 – Whatever Happened to Gerald Bostock fosse lançado como trabalho solo. Na era de estrelas pop de nomes como Ke$ha e will.i.am, o álbum ficou conhecido como TAAB 2. Puristas não devem se assustar: esse é o único laivo de contemporaneidade admitido pelo bardo prog.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

ANDERSON se perguntou o que teria acontecido ao agora cinquentenário Gerald Bostock e bolou possibilidades, exploradas ao longo das 17 faixas de TAAB 2. A multiplicidade temática determinou a picotagem da forma, afinal agora é o narrador falando de diferentes Geralds e não mais o poema do menino.

Gerald pode ter se tornado um banqueiro ganancioso, um homossexual sem teto, um combatente na guerra do Afeganistão, um pastor evangélico dinheirista ou o dono duma pequena loja. Mais pro final do álbum, essas identidades se (con)fundem, pra revelar seu denominador comum: a solidão.

Na metade de sua sexagenaridade, ANDERSON cria um futuro desiludido pro pobre Gerald. Musicalmente, o roqueiro está bem menos bombástico, embora TAAB 2 não descambe pra sacarinose. Pelo contrário, há ótimos momentos de duelo entre flauta e guitarra, só que agora, o tom é mais soft rock. As referências de música folk inglesa e música erudita permanecem.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

TAAB 2 começa onde Thick as a Brick terminara em termos de melodia. É realmente como se ouvíssemos a continuação da obra. E acaba com os mesmos versos do início do primeiro, com o acréscimo dum discreto "two".

Pra completar o pacote, novo jornal fictício de província foi criado, inclusive com a notícia de que uma "velha estrela do rock" abriria um show no ginásio da pequena cidade.

TAAB 2 provavelmente não angariou muitos novos fãs pra IAN ANDERSON e até desagradou alguns velhos admiradores que esperavam um álbum tão exuberante como o de 72. Pouco realista querer que alguém permaneça igual depois de 40 anos, quando nós mesmos mudamos tanto.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Longe de ser básico como o álbum do apogeu do TULL, TAAB 2 demonstra que IAN ANDERSON ainda tem lenha pra queimar.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Metallica: perdendo o Grammy para o Jethro Tull e ganhando do Megadeth


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro.