Ian Anderson: os 40 anos de "Thick As a Brick"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

1972: uma banda de folk progressivo lançou ambicioso álbum conceitual com apenas uma faixa. Na era em que tínhamos que mudar o vinil de lado, o grupo resolveu a questão colocando som de vento no final do lado A e no começo do B pra fingir que era fim e começo de música. Fracasso comercial? Pelo contrário, Thick as a Brick, dos britânicos do JETHRO TULL não apenas se tornou pedra lapidar do movimento prog, como alcançou o topo da resistente parada norte-americana. Outros tempos...

Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVTom Grosset: O mais rápido baterista do mundo segundo o Guinness

Os 44 bombásticos minutos da canção-álbum são recheados de instrumentos e variações de ritmo e andamento. IAN ANDERSON - líder inconteste do JETHRO - gaba-se de que o projeto é uma paródia aos meagalomaníacos álbuns conceituais de bandas prog, como o YES. Só que em 72, o grupo de JON ANDERSON ainda não lançara álbum conceitual. Pode até ser paródia, mas a menção ao YES - se não for invenção da imprensa - é farpa de diva.


IAN ANDERSON criou uma personagem, o garoto-prodígio Gerald Bostock, que, aos 8 anos, ganhou um concurso literário com intrincado poema épico, pra em seguida ser desclassificado devido a seus supostos problemas mentais. A letra de Thick as a Brick seria o poema desse "pequeno Milton" (alusão a John Milton, de Paradise Lost), adaptada pela banda. Pra completar o pacote, a capa do álbum era uma réplica dum jornal de interior, contando a história do garoto, do uso de seu poema pela banda etc. Tudo com fotos e anúncios.

Monumental, Thick as a Brick, traz um IAN ANDERSON caprichando nas letras e incendiando na guitarra e na flauta, tocada ao vivo com o músico apoiado numa única perna. Com sua barba e cabelo fartos, parecia o Tom Bombadil, de Tolkien.

A era do CD pôs fim à inconveniência de lados A e B e podíamos ouvir a faixa-álbum em sua grandeza ininterrupta. O mesmo pode ser feito via You Tube, onde Thick as a Brick encontra-se integral:

2012: sem cabelo ou barba, IAN ANDERSON saiu-se com uma continuação pro álbum. Também sem o JETHRO TULL, pois o maior criador de salmão da Escócia decidiu que Thick as a Brick 2 - Whatever Happened to Gerald Bostock fosse lançado como trabalho solo. Na era de estrelas pop de nomes como Ke$ha e will.i.am, o álbum ficou conhecido como TAAB 2. Puristas não devem se assustar: esse é o único laivo de contemporaneidade admitido pelo bardo prog.

ANDERSON se perguntou o que teria acontecido ao agora cinquentenário Gerald Bostock e bolou possibilidades, exploradas ao longo das 17 faixas de TAAB 2. A multiplicidade temática determinou a picotagem da forma, afinal agora é o narrador falando de diferentes Geralds e não mais o poema do menino.

Gerald pode ter se tornado um banqueiro ganancioso, um homossexual sem teto, um combatente na guerra do Afeganistão, um pastor evangélico dinheirista ou o dono duma pequena loja. Mais pro final do álbum, essas identidades se (con)fundem, pra revelar seu denominador comum: a solidão.

Na metade de sua sexagenaridade, ANDERSON cria um futuro desiludido pro pobre Gerald. Musicalmente, o roqueiro está bem menos bombástico, embora TAAB 2 não descambe pra sacarinose. Pelo contrário, há ótimos momentos de duelo entre flauta e guitarra, só que agora, o tom é mais soft rock. As referências de música folk inglesa e música erudita permanecem.

TAAB 2 começa onde Thick as a Brick terminara em termos de melodia. É realmente como se ouvíssemos a continuação da obra. E acaba com os mesmos versos do início do primeiro, com o acréscimo dum discreto "two".

Pra completar o pacote, novo jornal fictício de província foi criado, inclusive com a notícia de que uma "velha estrela do rock" abriria um show no ginásio da pequena cidade.

TAAB 2 provavelmente não angariou muitos novos fãs pra IAN ANDERSON e até desagradou alguns velhos admiradores que esperavam um álbum tão exuberante como o de 72. Pouco realista querer que alguém permaneça igual depois de 40 anos, quando nós mesmos mudamos tanto.

Longe de ser básico como o álbum do apogeu do TULL, TAAB 2 demonstra que IAN ANDERSON ainda tem lenha pra queimar.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Jethro Tull"


Ninguém é perfeito: os filhos bastardos de pais famososNinguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos

Iron Maiden: Steve Harris fala da influência do Jethro TullIron Maiden
Steve Harris fala da influência do Jethro Tull

Revelations: Bruce e Ian Anderson tocam versão do poema em 2011Revelations
Bruce e Ian Anderson tocam versão do poema em 2011


Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVIron Maiden
Os fãs mais insuportáveis em lista da MTV

Tom Grosset: O mais rápido baterista do mundo segundo o GuinnessTom Grosset
O mais rápido baterista do mundo segundo o Guinness

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Capas de álbuns: 30 das piores artes da históriaCapas de álbuns
30 das piores artes da história

Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Rhapsody Of Fire: curiosidades a respeito da bandaRhapsody Of Fire
Curiosidades a respeito da banda

Megadeth: David Ellefson abriu mão de sua parte na banda para voltarMegadeth
David Ellefson abriu mão de sua parte na banda para voltar


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

adGooILQ