Heavy Metal: Como o gênero pode ajudar na saúde mental

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ivison Poleto dos Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Não é de se admirar que já faz alguns anos que as bandas de Heavy Metal se afastaram da tríade lírica de carros, sexo e drogas, ou mesmo da dupla religiosa-satânica que marcou a maior parte da temática inspiradora para muitos. Por muitas razões, que não é o momento nem o lugar para discutir, as bandas de HM aumentaram imensamente seu conteúdo inspirador, adicionando mais temas à sua produção social. Não foi fácil, porém, alcançar esses novos horizontes; as bandas tiveram que trabalhar duro para alcançar esse novo nível de excelência. Significa mais pesquisa, mais leitura e até mesmo contar a própria experiência.

Guns N' Roses: a famosa trilogia de clipes do grupoIndústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

* imagens * temp19/1567433525_83659675111476.jpg /

Matthijs Smit @ www.unsplash.com x>

Se você observar com cuidado e sem preconceitos, é possível perceber que temas como questões existenciais, ficção científica, astronomia, política e muitos outros são possíveis agora. Ou, em outras palavras, as bandas de HM estão falando principalmente sobre os aspectos mais amplos da vida, sobre o mistério dessa coisa chamada vida que se recusa a ser completamente compreendida. As bandas fizeram essa pergunta que não quer calar que preocupa a humanidade desde o início dos tempos: Por que estou aqui? Não há uma resposta fácil para isso e muitos se perderam tentando responder ou encontrar uma resposta. Portanto, não seria de admirar se os problemas mentais fizessem parte dessa nova temática. De fato, faz um tempo que eles fazem parte da temática HM. As bandas apenas tiveram que se aprofundar nessas questões para produzir suas letras.

Obviamente, se você considerar a música como um entretenimento, as bandas de HM teriam certos limites para explorar alguns problemas indigestos. Bem, não exatamente. De fato, bandas como Pungent Stench exploraram temas como ampotemnofilia (a atração sexual por amputados) e coprofagia (o ato de comer fezes). Mas muitas vezes os temas são mais claros, como no hino Welcome Home (Sanitarium), do Metallica, cujo conteúdo lírico mostra toda a angústia e medo que se sente. A banda de metal sinfônico, Lyria, tem uma relação mais longa e profunda com a temática, já que as músicas "Let Me Be Me", "Get What You Want", "Last Forever" e "Hard to Believe" estão relacionadas ao seu estado de espírito, a fim de ajudar-lhe a progredir como pessoa. Mas é "The Rain" que tem uma abordagem maior porque foi escrita para homenagear um fã australiano, Warren Mayocchi, que tem um livro chamado "Human: finding myself in the autism spectrum", onde é possível encontrar o poema no qual a música foi inspirada. Segundo a vocalista Aline Happ, a relação com o fã começou com o financiamento coletivo para o álbum "Catharsis", de 2014, quando ele enviou um poema sobre ele quando criança. Ele foi capaz de superar seus problemas com o autismo com a ajuda de sua esposa.

Aqui, trazemos uma experiência viva de um músico de Metal que teve um aluno muito especial que por acaso é autista. O baterista do Lyria, Thiago Mateo, ensina bateria a Miguel, que tem autismo há seis anos. Ele foi muito gentil em responder à algumas de nossas perguntas:

Como conheceu o Miguel?

Eu nunca tive contato com ninguém que tivesse com autismo antes de conhecê-lo. Eu tive apenas uma experiência com a síndrome de Down, mas fui apenas auxiliar do meu instrutor, ajudando-o a integrar o aluno ao instrumento. Esse instrutor também teve uma aluna cega e autista, mas sua cegueira era mais grave. Suas aulas eram muito mais auditivas para ela. Ela gostava de samba e costumávamos dar amostras sonoras para sua diversão.

Com base nessas experiências, eu estava acostumado a nunca fugir da raia. Então, por causa disso, aceitei Miguel como estudante em 2013, quando seu pai me ligou procurando um instrutor de bateria em um conservatório onde eu trabalhava naquela época. Ele tinha 5 anos e desenvolveu um interesse pelo instrumento e costumava praticar com um pequeno kit de bateria que possuía.

Ele começou a tocar bateria aos 3 anos de idade. Mesmo tendo alguma experiência com o instrumento, ele não conseguia acompanhar. Era comum não me seguir, ficar de cabeça erguida, perder tempo e esquecer, e então ele começou a tocar bateria. Meu plano era fazê-lo tocar bateria, fazer barulho para fazer música.

O tempo passou e eu comecei a conhecê-lo - o que faço com todos os meus alunos. Pela minha observação, conheço o que o aluno precisa. Isso ajudou a manter a chama, porque Miguel ama a bateria. Onde quer que ele vá - McDonalds, por exemplo, ele brinca com os copos e os canudos. Qualquer objeto para ele pode ser uma bateria. Ele pensa em uma música, começa a cantar e a tocar.

Quanto às aulas, notei que ele podia tocar ritmicamente, embora seja difícil prestar atenção por causa de sua condição. Então, meu primeiro esforço foi fazê-lo parar de sonhar e obter um ritmo para fazê-lo tocar passo a passo. Houve alguma dificuldade com os pés, ele ainda brinca apenas com o pé, mas toca de ouvido. Tudo o que ele ouve, ele pode tocar. Ele tem muito talento e eu tenho que apoiá-lo. No momento, ele está começando a aprender a ler música.

Após seis anos de aula, até onde ele poderia ir pessoal e tecnicamente?

Ele foi muito longe. Ele teve muito progresso social e musical. Eu sei que não é apenas por causa da bateria, mas que desempenhou um papel muito importante em sua vida. O talento é importante, mas a inserção social é mais importante e esse é meu objetivo. Pouco a pouco, tornei-me um terapeuta musical usando a bateria como técnica. Ele está se desenvolvendo muito bem, suas habilidades de comunicação estão ficando boas, ele pode expressar suas emoções. É o incentivo certo. Ele sempre pergunta quando eu esqueço alguma coisa no meu kit de bateria 'Onde estão os pratos?'.

Na sua opinião, como é importante ter esse tipo de contato com arte e música com indivíduos que desenvolvem esse problema chamado autismo?

Em relação à música, é importante que a música conquiste você antes de tocá-la. É inútil dizer que a música funciona por si só como uma terapia se a pessoa não gosta. A música é uma questão de identificação, é uma ferramenta maravilhosa. Para pessoas autistas, que realmente sabem o que querem, e eu aprendi isso com Miguel, elas também sabem realmente o que não querem. A música ajuda muito, mas se a pessoa não gosta, é inútil. No entanto, a musicoterapia suaviza alguns casos e até pode curá-los.

Cada nota traz um sentimento, todo sentimento induz um pensamento que induz ações a produzir resultados. Essa é a minha coisa! Estar em contato com o que ouvimos e saber o que fazer. Na condição de Miguel, é importante fazer arte. É sempre bom apresentar arte para crianças. Ele está familiarizado com a música por causa de sua família. Ele se inclinou à música clássica porque sua mãe estudou canto lírico e ele ama bandas como Queen. Ele também adora bandas que misturam música clássica e bateria. E também tem um bom ouvido para música, pois gosta de Metallica e AC/DC. Aliás, ele consegue tocar 'Master of Puppets', mas prefere a música clássica por causa das construções mais complexas.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção Notícias

Guns N' Roses: a famosa trilogia de clipes do grupoGuns N' Roses
A famosa trilogia de clipes do grupo

Indústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasIndústria
Atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?

Marilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"Scorpions: a história por trás da música "Wind of Change"Ghost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In RioRegis Tadeu: um Raio X da banda Guns N' Roses

Sobre Ivison Poleto dos Santos

Veterano das guerras metálicas. Pesquisador, escritor, resenhista, músico frustrado (por isso tudo o anterior). Ao contrário da opinião comum, acho que o melhor do Metal ainda está por vir e que existem grandes bandas novas por aí. Só procurar. No meu caso elas vêm até mim.

Mais matérias de Ivison Poleto dos Santos no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336