RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Bob Rock explica como surgiu o criticado som da bateria de "St. Anger", do Metallica

Por Igor Miranda
Fonte: Tone Talk/MetalSucks
Postado em 21 de julho de 2020

O som da bateria de Lars Ulrich em "St. Anger" (2003) é um dos pontos mais críticos da carreira do Metallica. A banda foi muito criticada pelo álbum em si, que se aproximava da estética do nu metal, e a sonoridade se tornou controversa especialmente pelo instrumento tocado por Ulrich, cuja caixa soa bem aguda e estalada.

Metallica - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao podcast Tone Talk, com transcrição do MetalSucks, o produtor e baixista de "St. Anger", Bob Rock, revelou como surgiu a ideia de utilizar aquele som de bateria no álbum. De acordo com ele, o conceito surgiu naturalmente, após serem realizados os ensaios para o disco.

"Estávamos no local onde eles ensaiam, em San Francisco, daí partimos para Oakland, onde eles tocavam com Cliff (Burton, falecido baixista). A gente se divertiu muito e Lars me contou sobre a bateria dele. Buscávamos inspiração, pois James (Hetfield, vocalista e guitarrista) não estava lá (ele estava em uma clínica de reabilitação), então, começamos a experimentar outras baterias", disse Bob, inicialmente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O produtor contou que Lars Ulrich tocou em diversas baterias até chegar à que foi usada na gravação. "Ele sentou naquela bateria e disse: 'apenas me dê uma caixa'. Eu tinha acabado de comprar uma caixa Ludwig Plexi, pois queria testá-la. Daí, ele colocou, tocou e disse: 'esse é o som'. Eu falei: 'o quê?'", revelou, destacando sua reação.

Naquele mesmo dia, foi gravada uma demo com o uso de alguns microfones, de forma não muito rebuscada. "Fizemos a demo e o som era aquele. Lars não quis voltar atrás. Não o culpo. Se você conseguir entender o conceito, esse é o som de bateria de quando eles estavam ensaiando. É o mais próximo daquilo. Não importa o que as pessoas digam: foi esse momento que manteve a banda junta e os inspirou a seguir em frente. Então, estou bem com todas as críticas que recebi. É só um som de caixa de bateria, dá um tempo", afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma das inspirações para "St. Anger" foi um álbum de uma banda que não tem nada a ver com o Metallica: "Achtung Baby" (1991), do U2. "Nesse disco, às vezes, você mal ouve a bateria. Às vezes, o baixo é a coisa mais alta. Em outras palavras: o U2 joga fora o livro de regras. Parte do 'St. Anger' também consiste em jogar fora o livro de regras e dizer: 'por que devemos fazer a bateria soar sempre do mesmo jeito só por ser o som típico do metal?'", destacou Bob Rock.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outra influência foi "Raw Power" (1973), clássico do The Stooges. "Estava pensando muito como em 'Raw Power' e sobre a ausência dos solos, havia uma banda de San Francisco chamada The Fucking Champs que só tocavam os riffs de um jeito punk/metal, sem solos. Lars e eu conversávamos e achávamos isso legal", disse.

Confira a entrevista na íntegra (em inglês, sem legendas) no player a seguir:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS