Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Iron Maiden: Adrian Smith saiu por gerar irritação com desânimo por "No Prayer"

Por Igor Miranda
Em 11/09/20

Após lançar dois álbuns mais elaborados e com presença de sintetizadores na sonoridade - "Somewhere in Time" (1986) e "Seventh Son of a Seventh Son" (1988) -, o Iron Maiden decidiu simplificar tudo em "No Prayer for the Dying" (1990), seu oitavo álbum de estúdio. O problema é que essa mudança de direcionamento custou a saída do guitarrista Adrian Smith.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista a um programa de rádio, com transcrição do Ultimate Guitar, Smith relembrou sobre o período de sua saída do Maiden, onde discordou da orientação mais simplista que o então novo álbum da banda teria. O guitarrista queria manter a fórmula dos dois trabalhos anteriores e revelou, neste bate-papo, que estava sem entusiasmo para trabalhar em "No Prayer for the Dying" - embora uma de suas composições, "Hooks in You", co-assinada com o vocalista Bruce Dickinson, tenha sido mantida na tracklist.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Estávamos com uma sonoridade mais produzida, talvez mais refinada. O que quis Steve queria fazer depois disso, talvez Bruce também, era um som mais 'direto e reto'. Ele estava com o estúdio móvel dos Rolling Stones, não tínhamos tantas músicas prontas e, para ser honesto, eu estava sofrendo", afirmou, inicialmente.

O guitarrista disse que estava "desesperadamente tentando compor algo brilhante", como os demais colegas também estavam procurando fazer. "Eu estava sofrendo, não sei o porquê, talvez por estar dando duro demais", disse.

Smith chegou a iniciar as gravações de "No Prayer for the Dying" com a banda. "Iniciamos a gravar, chegamos a trabalhar no início. Acho que minha falta de entusiasmo irritou o outro cara e foi isso, sério", concluiu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ouça à entrevista no player de vídeo a seguir, em inglês e sem legendas.

No fim das contas, a vaga de Adrian Smith foi ocupada por Janick Gers. Quando Smith retornou, em 1999, a banda optou por manter Gers. Desde então, o grupo se apresenta como um sexteto, trazendo três guitarristas: os dois já mencionados e Dave Murray.

Em entrevista à revista "Classic Rock", no ano 2000, Bruce Dickinson demonstrou não gostar muito de "No Prayer for the Dying". "Uma m*rda! É um disco que soa como m*rda e eu gostaria que não o tivéssemos feito dessa forma", comentou, na ocasião.

imagemIron Maiden: por que Adrian Smith não entrou para a banda junto de Dave Murray

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Ozzy Osbourne: o presidente do Heavy Metal



Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.