Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemA sincera resposta de João Gordo para quem o acusa de ser "traidor do movimento"

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemEddie Munson faz metaleiros virarem novos crushes da geração TikTok, diz site

imagemMúsicos famosos fizeram teste para o AC/DC sem que ninguém soubesse, conta baterista

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte


Dream Theater 2022

Dorsal Atlântica: "A pandemia fez as pessoas se mostrarem como realmente são"

Por Alexandre Bury
Fonte: Monophono
Em 05/12/21

Pandemia, disco conceitual, quase uma ópera-rock sobre o período imediatamente recente que nos arremessou às trevas do horror (em todos os sentidos possíveis), mostra que as preocupações de Carlos Lopes, líder da Dorsal Atlântica, permanecem amplas - artísticas, estéticas, sociais e políticas. Mas uma conversa com o guitarrista/vocalista atesta que elas são apenas o começo: ainda há muito a se desenvolver, a pensar e a refletir através das proposições do álbum, um contundente ponto de partida para estabelecer posturas e provocar um racha na consciência de todos nós. Mas ele tem bastante mais a pontuar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Monophono: O mundo é doente, ou o mundo está doente?

Carlos Lopes: Auspicioso início, hein (risos)? Levando em consideração a história de toda a humanidade, a primeira opção.

Monophono: Por falar em estética, você atualmente sente existir uma necessidade de maior agressividade para passar a mensagem pretendida? O heavy metal seria a única forma de supri-la?

Lopes: Tanto o nível quanto o conteúdo da mensagem dependem sempre do emissor e do receptor. Uma pessoa bem sucedida, que é ouvida, seguida por um determinado público, também pode estar mentindo. Todos podem estar equivocados, mas, se são parte de uma bolha, de um nicho, se fortalecem, assim como ocorre no metal, em grupos extremistas e nas Igrejas neopentecostais. Em uma sociedade capitalista, só importa o sucesso financeiro, não o humano. A maioria adora uma celebridade, de qualquer segmento, e ninguém quer saber se tal "famoso" ascendeu graças à mentira, ao tráfico de drogas, armas e almas. Por isso, a política e as religiões são as maiores culpadas. Aqui mesmo, perto de casa, em Brasília, na semana passada, uma cantora foi ofendida por um cliente, chamada de "macaca", e uma menina tirando dinheiro de um caixa de shopping próximo foi ultrajada por uma senhora atrás dela com termos do mesmo nível. O heavy metal é um repositório de clichês de fala, comportamentais e pretensamente musicais – ou seja, nada de diferente do mundo externo. E ainda insistem em chamar de contracultura... Desde que ajudei a fundar o movimento no país, vi, e acompanhei muito bem, o monstro crescer do berço até se corromper, se transformar no que supostamente combatia. Venho denunciando tudo isso há décadas, pelo menos desde os anos 1990, e literalmente cansei. Teve que rolar o caso da Prevent Senior em 2021 para a sujeira enfim vir à tona.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Monophono: A raiva é um ingrediente em seu processo criativo? O quanto a música ajuda a domá-la?

Lopes: Raiva não... Mais indignação mesmo. Havia decidido parar de gravar com a Dorsal quando lançamos Canudos, em 2017. Ali estavam (e estão) as marcas e sugestões para um novo estilo de rock pesado brasileiro que sonhava há décadas, mas que somente nesse álbum consegui concretizar. Ficaria encantado se houvessem mais bandas desejosas de desenvolver uma cultura nacionalista/regional ao invés de sonhar com globalizações que somente descaracterizam os povos. Mas aí, após o Canudos, fui tratar da vida, e o Bozo, aquele mesmo, foi eleito. Até aí, fiquei indignado, mas tinha mais o que fazer. E veio a pandemia, em março de 2020. O cenário de terror, de negacionismo, se alastrou. O Brasil se revelando. As pessoas se mostraram como são de verdade. Minha indignação me cobrou: faça algo! O disco surgiu: letras, conceito, composições. Perguntei-me várias vezes se era uma viagem minha ou se poderia ser um álbum realmente relevante e revelador. Deixei que o público mais uma vez julgasse, através de campanha de financiamento – e me foi dado o sim.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Monophono: Já que tocou-se no assunto, vou aproveitar: como você encontrou enfim um meio particular de expressar-se através do Heavy Metal, com ênfase em melodia/brasilidade?

Lopes: A Dorsal estava fadada a acabar na época do show no festival Monsters of Rock em São Paulo (1998). Nesse período, escrevi a biografia da banda - e da cena -, e gravamos o nosso único disco ao vivo oficial. Por querer continuar a compor, fundei duas novas bandas, a Usina Le Blond, focada em rock, MPB e soul, e também dei início à Mustang, mescla de música popular brasileira com pré-punk. Isso me aproximou mais e mais do Brasil e do rock que ainda me interessava. Já não escutava som pesado desde 1995, pelo menos. E ouvia MC-5, Turbonegro, Bowie, música africana, Cartola e Carmen Miranda. Então, em 2012, recebi um convite da produção do festival M.O.A. no Maranhão para fechar o evento, tendo como bandas de abertura o Exodus e o Anthrax. Negaram-se a pagar o cachê para voltarmos após 11 anos, então eu recusei. Mas o convite me chamou a atenção para um possível retorno, desde que não envolvesse shows. E uma vizinha, que havia acabado de fechar as portas de sua agência de publicidade, me falou sobre financiamento coletivo no exterior... Como eu já havia me arriscado, vamos dizer assim, em pedir apoio ao público para tocarmos no Monsters of Rock, acreditei que pudesse fazer parte de uma nova forma de interação artística no país, e dei as caras. Foi desafiador, mas deu muito certo e voltamos a gravar. Contudo, a Dorsal só poderia retornar renovada, cada vez mais brasileira, com todas as lições aprendidas com a Usina Le Blond e o Mustang. E assim, disco após disco (2012, Imperium, Canudos e Pandemia), o projeto de contribuir para o desenvolvimento de uma nova estética, desapegada do que ocorre no exterior, foi empreendido e bem-sucedido. E em 2022 comemoramos uma década deste retorno.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Monophono: Historiografou-se primeiramente o passado (Imperium, Canudos), e agora, com Pandemia, o presente imediato. Qual a diferença para ambos os processos? A intensidade de estar no olho do furacão, ou a riqueza de dados de algo já documentado?

Lopes: Em 1981 quando prestei o vestibular, tive que escolher entre ser historiador, ilustrador, músico ou jornalista, e o jornalismo me pareceu mais fácil, porque eu queria mesmo era tocar, e a faculdade era uma desculpa para ter um diploma (minha mãe fazia questão do "canudo" para eu "não ser preso em uma cela comum"). Mas nunca abandonei o amor pela história do Brasil, pois, além de amar o país e sua cultura, sempre quis entendê-lo para me entender, para nos entendermos. O Brasil (vide o bozonarismo) é uma nação que pouco aprendeu com a própria história, permanece até hoje aliado a nazistas e escravocratas. É um país que poderia ser enorme, mas que se apequena em sua orgulhosa mediocridade. Os quarenta anos de carreira me ajudaram no quesito composição e produção a não seguir cartilha de ninguém. Discos como 2012 foram feitos rapidamente, entre duas semanas e um mês. Os dos anos 80 e 90 levavam anos para serem escritos. Mas isso não quer dizer que os trabalhos atuais sejam inferiores ou menos criativos do que o material composto no período dos shows ao vivo. É exatamente o contrário: os álbuns do retorno são independentes do mercado, e mais inventivos do que todos os que compus antes, sem tirar os méritos musicais e históricos de obras como Dividir e Conquistar e Searching for the Light.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confira a primeira parte completa desse bate-papo:
https://www.monophono.com.br/2021/11/29/pandemia-e-as-doencas-do-mundo-uma-conversa-com-carlos-lopes-guitarrista-vocalista-do-dorsal-atlantica/

FONTE: Monophono

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Dorsal Atlântica: Carlos Lopes revela as raízes de "A Invasão do Brasil"

"Eu sou uma pessoa indomável", diz Carlos Lopes sobre "Eu minto, todo mundo mente"

Dorsal Atlântica: "O solo de Stalingrado se conecta com Bomber, do Motörhead"

Dorsal Atlântica: A curiosa inspiração para a capa do álbum "2012"

Dorsal Atlântica: "Cada favela é um Canudos eterno", diz Carlos Lopes

Dorsal Atlântica: Carlos Lopes faz resenha completa do álbum "2012" (vídeo).

Dorsal Atlântica: Carlos Lopes comenta discografia de banda pioneira do metal no brasil

"O metal brasileiro é um filho que infelizmente tenho que renegar", diz Carlos Vândalo

Metal nacional: quinze álbuns clássicos de bandas brasileiras

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars