RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Geddy Lee revela o motivo pelo qual evitava cantar as músicas do "Hemispheres"

Por André Garcia
Postado em 26 de fevereiro de 2023

"Hemispheres" (1978) é considerado um dos álbuns mais importantes do Rush, e certamente é um dos favoritos dos fãs. O trabalho representa o ápice de sua fase progressiva e marcou um momento de transição para a banda, que em seus álbuns seguintes, "Permanent Waves" (1980) e "Moving Pictures" (1981), experimentou novas direções musicais.

Geddy Lee - Mais Novidades

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 2018, Geddy Lee concedeu uma entrevista à Rolling Stone em comemoração aos 40 anos do lançamento de "Hemispheres". Entre outras coisas, o baixista revelou que na época evitava cantar as músicas do álbum ao vivo, devido à complexidade vocal.

Rolling Stone: Naquele ponto, suas habilidades técnicas já eram tão avançadas que você poderia fazer qualquer coisa, criativamente. Mesmo assim, li que você não curtia muito tocar coisas do "Hemispheres" ao vivo.

Geddy Lee: Eu não acho que tenha sido a complexidade do material que tenha o tornado difícil de reproduzir — algo do qual jamais fugimos —, mas era difícil para mim cantar. Nós escrevemos aquilo tudo numa casa, e não estávamos tocando nada daquilo ao vivo, com vocal. Acontecia, na correria, de eu pensar: "Tá, tá, vai ter um vocal aqui. Vai dar certo. Essa melodia vai funcionar." Apenas presumimos que, quando gravássemos as faixas e fizéssemos os vocais, aquilo encaixaria. Foi só quando gravei de fato os vocais, semanas e semanas depois em Londres, no Admission Studios, que fui perceber que compusemos o disco todo em um tom desconfortável para mim. Ficou muito difícil de cantar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não era nem que fosse difícil de tocar e cantar, o que é apenas questão de treino, o problema era o alcance vocal que, mesmo para minha voz engraçada, foi um desafio. Por isso, não acho que aquele álbum afetou para onde fomos. Não acho que tenha influenciado. O que dificultou tocar aquelas coisas enormes ao vivo foi o tom em que estavam. E eu nem sonharia naquela época em passar para outro tom (teria sido concessão demais para mim).

RS: Era problema para você no passado mudar o tom para acomodar sua voz?

GL: Com certeza. Agora fazemos o tempo todo. Que é como deve ser feito [risos]! Nós que nunca tivemos uma formação musical formal. E nosso produtor, Terry Brown (que Deus o abençoe), jamais nos sugeriu "Talvez tenha um tom melhor para cantar". Talvez ele tenha sido o motivo que nos fez resolver [trabalhar com outros produtores] não muitos anos depois. Aquilo foi uma grande lição, e um erro que cometi umas duas vezes em minha carreira: não dar atenção o bastante ao tom a ser tocado. É claro que foi um grande choque de realidade. Se tivéssemos feito de outro jeito, com mais tempo, aquilo teria ficado mais evidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nós nunca fazíamos demos naquela época, simplesmente escrevíamos e gravávamos. Se você faz uma demo, a coisa se revela para você, que é tal tom que você vai cantar, então dá para mudar. Deixando de fazer uma demo e indo direto, é escrever, gravar e pronto. O tempo está correndo, você está em Londres (e já está lá há semanas), e sente falta da sua vida. É, tipo, "P*ta que pariu, tenho que cantar logo isso!" Era muito complicado. Então, se tinha uma coisa que diminuía a quantidade de vezes que tocamos aquelas músicas depois na turnê, foi minha vontade de não cantar naquele tom [risos]!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Hemispheres" foi o sexto álbum do Rush, e o quarto (e último) de sua fase progressiva. Apesar de ter sido produzido em meio à decadência do rock progressivo perante o surgimento do punk, é considerado um de seus trabalhos mais ambiciosos e complexos. Comercialmente, o álbum foi bem-sucedido, alcançando a posição #47 na Billboard e recebendo disco de platina nos Estados Unidos e Canadá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre André Garcia

Sou redator e tradutor freelancer e escritor, autor do livro de contos Liber IMP. Ouço rock desde pequeno, leio coisas sobre bandas desde sempre e escrevo sobre ela já tem anos. Cresci como fã de Iron Maiden e paladino do rock, mas já me tratei. Hoje sou fã de nomes como Beatles, David Bowie, The Cure, Kraftwerk e Velvet Underground, e de cenas como a Londres psicodélica, a Nova Iorque proto-punk e a Manchester pós-punk. Escrevo notas e notícias rápidas para o Whiplash.Net visando compartilhar conteúdo relevante sobre música e cultura pop.
Mais matérias de André Garcia.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS