Dissection: a última entrevista com Jon Andreas Nödtveit

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: Metaleater, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto abaixo foi publicado agosto de 2006, logo após ser confirmada a identificação do corpo encontrado em um apartamento em Stocolmo como sendo Jon Andreas Nödtveit, guitarrista e vocalista do Dissection. Vitimado por tiro na cabeça em um ritual de sacrifício.

5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMegadeth: Dave explica por que não tocar "The Conjuring"


“Jon Nödtveidt era um homem que vivia sua vida de acordo com suas convicções e vontade verdadeira. Poucos dias atrás, ele decidiu terminar com a sua vida por suas próprias mãos. Como um verdadeiro Satanista ele conduziu a sua vida de sua própria maneira e terminou quando sentiu que tinha cumprido o seu próprio destino. Nem todos terão a compreensão ou aceitação do seu trajeto pessoal nesta vida e além, mas todos devem respeitar a sua escolha. Todos nós que nos encontramos com ele nos últimos dias podemos assegurar que ele estava mais focado, mais feliz e mais forte do que sempre. É de nossa convicção que ele deixou este mundo de mentiras com um risada de desprezo, sabendo que tinha cumprido tudo que se tinha ajustado acima para que ele mesmo o realizasse. O espaço vazio que deixa para trás será preenchido com a essência obscura que manifestou através da sua vida e o trabalho pela magia negra. Seu legado e Fogo Luciferiano vão permanecer vivos por aqueles poucos que o conheciam de verdade e apreciaram seu trabalho pelo que realmente foi e ainda é. Como o objetivo de nosso irmão na vida e morte nunca foi de "Descansar em Paz", desejamos a ele em vez disso, vitórias em todas as batalhas que virão, até que o Destino Acósmico esteja completo. "Para a glória dos Deuses da escuridão e do Caos Furioso!"
"218"

Como Jon sempre viveu pela morte, eis uma singela homenagem em comemoração ao seu 5º ano de morte. Chamada de "Entrevista pelos fãs para os fãs" e tida como a sua entrevista final, foi originalmente publicada no site oficial da banda (www.dissection.ru) em maio de 2006, onde Jon Nödtveidt, respondeu a perguntas de fãs no fórum oficial da banda. Aqui está ela na íntegra:


DISSECTION - "Entrevista pelos fãs para os fãs" completa

Você poderia explicar a idéia sobre o fim do renascimento do Dissection (NT.: alusão ao nome da “The Rebirth of Dissection” tour), e esta ser uma nova fase? Como seria esta nova fase?

Jon Nödtveidt: "É uma nova fase, uma vez que é o começo do fim... e o faminto fim está chegando..."

A Rebirth of Dissection tour foi um grande sucesso para você, com shows esgotados em toda a Europa e shows adicionais na América do Sul e México. Foi também a maior turnê até agora em sua carreira com cerca de 60 shows em 20 países. Qual foi a sensação de encontrar os fãs novamente passados mais de sete anos?

Jon Nödtveidt: "Nunca poderia imaginar que o interesse e a procura pelo retorno do DISSECTION seria tão grande lá fora, depois de sete anos de ausência. Acho que foi tudo como uma espécie de choque para todos nós. Antes do primeiro concerto em Estocolmo, no dia 30 de outubro de 2004, o show esteve esgotado por duas vezes antes de ser transferido para um terceiro lugar maior ainda, mas foi até enfrentar o público que tudo ficou mais claro para nós. Para mim este momento pessoalmente, andando no palco do Arenan em Estocolmo menos de um mês e meio depois da minha libertação da prisão, é uma das experiências mais surreais da minha vida. Aquela sensação durou toda a Rebirth of Dissection tour, acordar todas as manhãs em um tourbus ao invés de uma cela de prisão, apenas desejando que ele aquilo nunca acabasse. Quando voltamos para a Suécia, no final da turnê, estávamos todos muito tristes que a turnê tinha acabado, mas sabíamos que tínhamos trabalho a fazer. Começamos a ensaiar intensamente para a futura gravação de “Reinkaos” e entramos no estúdio passado um mês depois.

Como foi ser a atração principal do último dia do poderoso Inferno Festival na Noruega no ano passado? Conte-nos sobre o que aconteceu no final do show, quando você executou Elisabeth Bathory "unplugged"!

Jon Nödtveidt: "Ha ha ... Bem, o que aconteceu foi que quando tocamos o nosso set, que foi bastante extenso - quase duas horas, e o público ainda estava exigindo o bis depois que havíamos deixado o palco, eles não paravam de gritar por ele. Então nós decidimos que deveríamos dar-lhes uma última canção. Foi só voltarmos ao palco novamente para o gerente de palco aparecer completamente louco, dizendo que nós simplesmente não podíamos mais tocar e que eles tinham que fechar o lugar. Eu disse a ele com todo o respeito que eu não achava que o público concordava, visto que eles não iriam sair, e eles certamente não ficariam felizes se os guardas tentassem forçá-los para fora do salão. O local havia sido totalmente iluminado pelas luzes do teto e eles tinham desligado o PA, de modo que começamos a canção “Elisabeth Bathory”, sem qualquer outro som além dos amplificadores de palco e a bateria e como não tínhamos qualquer tipo de som dos microfones, tivemos o público cantando as letras para nós! A voz do público seria quase levantar o telhado sozinho! O diretor de palco claro que enlouqueceu, mas o que podíamos fazer? Que lembrança!"

O Dissection é uma banda que realmente parece se preocupar com seus fãs. Eu realmente aprecio isso. Qual é a sua opinião honesta sobre bandas que não se importam com seus fãs e pensam que eles seriam bem sucedidos, mesmo sem eles?

Jon Nödtveidt: "Eu não sei sobre essas bandas. Para o Dissection, além de compor e interpretar a música apenas pela nossa própria necessidade e impulso criativo, os fãs sempre foram a prioridade. Dizemos foda-se a indústria da música em geral e a mídia também, já que o que experimentamos dela é desonestidade e deslealdade. Mas nós reconhecemos e apreciamos o apoio que recebemos dos nossos fãs leais e aliados. Eles são uma parte do Dissection e do que fazemos."

Segundo a filosofia MLO os membros da Ordem são os eleitos e os resto da humanidade nascem ovelhas ou são de argila ou simplesmente são seres inferiores. Portanto a banda despreza a maioria, senão quase toda a base de fãs do DISSECTION e como se fazê-los sentir ao ter que troca na interação social com os fãs ou tocar para eles?

Jon Nödtveidt: "Nós não vemos a misantropia como uma coisa simbólica quando afirmamos que este mundo é nosso inimigo, e neste mundo de inimigos nós apreciamos aqueles poucos que realmente estão do nosso lado e nós os tratamos adequadamente, como aliados. Você conhecerá a si mesmo dependendo de qual categoria você pertence - se você é a favor ou contra o que defendemos”.

Essa aura incrível e entusiasmo acerca do DISSECTION é inegável (Slayer é outra banda que vem à mente com essa aura sobre eles), e que durou ao longo dos anos durante a primeira fase de "The Somberlain" e "Storm Of The Lights Bane". O que os membros atuais atribuem isso? E também - há alguma razão porque Jon optou por não recrutar nenhum de seus antigos companheiros de banda para a encarnação atual do Dissection? Como você entrou em contato com Set e Tomas?

Jon Nödtveidt: "Foi um processo longo e haviam alguns obstáculos no caminho... demasiado numerosos para mencionar, mas meu objetivo era encontrar uma lineup que partilhassem as mesmas visões que eu, em usar a música do DISSECTION como uma ferramenta de magia negra. Assim, portanto, eu só queria satanistas na banda... e "Storm Of The Lights Bane", conseqüentemente, os antigos membros estavam fora de cogitação. Definida esta meta, eu não iria tornar as coisas fáceis para mim. Mas este era o único caminho a percorrer e eu estava convencido que era apenas uma questão de tempo até que eu encontrasse os membros certos. De qualquer maneira, eu tive contato com o Tomas no início de 2004. Ele tinha ouvido falar que DISSECTION precisava de um baterista para a nova formação, então ele contatou as pessoas que dirigem o nosso site. Liguei pra ele e decidimos conversar em uma de minhas saídas da prisão. Eu tinha acabado de mudar para uma prisão mais aberta, onde iria passar o último semestre da minha sentença e lá eu poderia dar pequenas saídas a cada dois fins de semana. Nos encontramos em uma dessas saídas em um restaurante em Estocolmo e conversamos sobre tudo, desde as suas convicções pessoais, suas ambições e visões de ser um satanista, além de ser um músico e como fazer esta junção em uma banda, para conectar os poderes de algo tão único como uma completa line-up de satanistas. Ambos tiveram experiências anteriores ruins tocando com pessoas que não levavam as coisas a sério e que não compartilhavam as mesmas convicções para trabalhar com os poderes do lado negro de uma forma séria, bem como sem a capacidade de colocar a dedicação adequada em um projeto satânico genuinamente musical. Nós, obviamente, tínhamos muito em comum e nós dois sabíamos o que queríamos. Assim, em breve começou a ensaiar no estúdio de Tomas, só nós dois, e continuou a discutir os conceitos de usar a banda como a ferramenta satânica eu sempre quis que fosse.

Musicalmente eu nunca tinha encontrado um baterista tão hábil e com uma abordagem profissional a sua arte antes. Passando por todos os reinos da música, desde os blast beats mais rápidos e brutais ao Rock Progressivo e o groove e a firmeza do Hard Rock e do Heavy Metal. Eu acho que é em parte resultado merecido de dedicação determinado a bateria por mais de 25 intensos anos. Ele poderia tocar basicamente tudo e qualquer coisa. O material antigo do DISSECTION não foi páreo. Eu sabia que tinha encontrado o homem certo para o trabalho! No entanto, foi mais difícil encontrar o guitarrista certo. Procuramos por meses e meses sem encontrar o que estávamos procurando. Não era tão difícil encontrar guitarristas talentosos, tínhamos muitos deles se candidatando. O problema era encontrar alguém que era um guitarrista matador e um satanista! Após ouvir vários guitarristas no verão de 2004, finalmente encontramos Set. Quando ele finalmente veio da Itália, sabiámos imediatamente que a busca tinha acabado. A energia e o espírito que ele irradiou no ensaio, bem como pessoalmente, tornou tudo mais fácil para nós, ele tinha que estar no DISSECTION!

Eu estive em contato com ele por algum tempo via e-mail, mas não foi até que ele veio para a Suécia que nós conhecemos um ao outro para ele provar ser uma das pessoas mais determinadas bem como mais legal que eu já tive o prazer de conhecer e nos unimos como irmãos desde então. Como guitarrista ele canaliza a corrente como ninguém e tem vindo a evoluir imensamente! Com Set juntando-se ao Dissection, a line up foi finalmente concluída e a banda passou a se preparar para o Renascimento. Nós só tivemos de aguardar a minha libertação da prisão para acontecer. Então, nesse meio tempo, o lineup ensaiou intensamente sem mim em uma base diária durante dois meses, e eu me juntava a eles durante minhas curtas saídas.

A respeito do baixista ... Não está claro para mim e acho que muitos outros. Existe um? É um músico de estúdio ou permanente?

Jon Nödtveidt: "Erik Danielsson é o nosso baixista atual, no entanto, apenas ao vivo. Ele é o único até agora que está trabalhando num nível pessoal no DISSECTION e ele concorda completamente com nosso conceito satânico e os objetivos espirituais da banda.“

Ouvimos dizer que pouco antes de você ser preso um álbum ia ser gravado e que a banda tinha até mesmo uma data fixa de estúdio para ele. O que aconteceu com esse álbum ou material? O “Reinkaos” é o mesmo álbum, com algumas alterações nele ou é totalmente diferente?

Jon Nödtveidt: "Este material estava ainda longe de ser terminado naquele momento, mas era a semente do que já floresceu em 'Reinkaos'. O material foi constantemente crescendo e evoluindo ao longo dos anos na prisão, enquanto as canções do “Reinkaos” se manifestavam. Mas levou anos de desenvolvimento antes da semente entrar em plena floração de uma forma que eu ficasse satisfeito. Na verdade, não foi até que o álbum fosse finalmente arranjado e gravado com a formação completa.“

Você percebe qualquer diferença de escrever música na prisão ou em liberdade? Você acha que o tempo de prisão teve um grande efeito sobre a música do DISSECTION, e teria soado diferente se você estivesse livre?

Jon Nödtveidt: "Acho que a única coisa que importa é o tempo, esforço e dedicação que você colocou naquilo que você faz. Mas a situação que eu estava em com certeza ajudou muito, em termos de ter tempo, pelo menos. E para criar 'Reinkaos' eu também precisava estar focado, algo que eu encontrei dentro dos muros da prisão."

Quando na prisão, o que o manteve ocupado para passar o tempo? Houve algum incidente com os outros presos, ou talvez você conheceu alguém com pensamentos semelhantes lá para conversar? Eu não conheço a situação nas prisões suecas?

Jon Nödtveidt: "Minha primeira vez atrás das grades, 11 meses para ser exato, passei em custódia devido ao julgamento, o que significava que eu estava em isolamento por causa da investigação em curso. Algum tempo depois do julgamento fui transferido para uma prisão (de segurança máxima) normal. Eu passaria os primeiros seis anos em prisões de alta segurança como essa. Inicialmente eu não tinha a possibilidade de ter uma guitarra lá, mas com o tempo eu finalmente tive acesso tanto ao meu violão bem como a minha guitarra elétrica. Na prisão eu fui trabalhar e estudar. Eu estava escrevendo música, estudando o ocultismo, trabalhando na academia da prisão, indo para caminhadas intermináveis ao redor do pátio da prisão e fazendo contato com o ambiente local e seus habitantes. Conheci muita gente interessante lá dentro e nós tivemos alguns bons momentos também, não importando estar na prisão. Em 1999 foi formada uma irmandade que consistia de pessoas com sentenças muito longas, uma forte simpatia pela mentalidade transgressora e muitos dos ideais espirituais da MLO. No final, nós havíamos nos tornado uma força, com irmãos em todas as prisões importantes na Suécia. Depois de um tempo as autoridades prisionais fizeram o seu melhor para nos separar e enviar membros para lugares diferentes, mas conseguimos nos divertir de qualquer maneira.”

Você teve algumas revelações espirituais enquanto estava na prisão?

Jon Nödtveidt: "Eu realmente tive tempo para conectar em um nível mais profundo com a força interna que me guia no caminho da mão esquerda."

Eu entendo que você considera “Reinkaos” o seu melhor álbum. Qual é a sua opinião sobre suas obras anteriores, especialmente "Storm of Lights Bane"?

Jon Nödtveidt: "Eu considero ambos por terem capturado uma essência muito forte e uma atmosfera sinistra e estou muito satisfeito com os dois. Eu acho que ambos têm resistido ao teste do tempo. Pelo menos se você for ver por sua popularidade."

Qual é a reação a essas reclamações que o som do DISSECTION novo está muito distante do som mais antigo do DISSECTION?

Jon Nödtveidt: "Nosso objetivo não foi copiar a nós mesmos. Os álbuns antigos (falando nisso, sobre os quais tenho muito orgulho) ainda estão disponíveis para todos que quiserem ouvi-los, então não há nada a reclamar, a menos que o seu leitor de CD não funcione. Seria um sinal de atraso se estivéssemos no mesmo lugar por onze anos. Aqueles que não evoluem perecerão."

Quando eu comparo os conceitos líricos dos três álbuns de estúdio, percebo que a natureza e o núcleo de suas crenças parecem ter permanecido inalterados em mais de uma década. O que é que lhe dá a convicção e conhecimentos que o fazem ativamente agarrar a essas crenças?

Jon Nödtveidt: "A essência além das formas."

Eu li um monte de informações em seu site a respeito das crenças do MLO. O que li parece ter sido baseado principalmente na religião ou mitologia suméria. Há referências em suas canções aos deuses/deusas de outras religiões, tais como antigos egípcios e hindus. Você pode explicar como suas crenças se ligam nestas religiões? Existem outras religiões antigas que são incorporadas aos princípios da MLO?

Jon Nödtveidt: “Certos elementos da antiga religião suméria desempenham um papel importante dentro do sistema de crenças que existe dentro da MLO, como por exemplo, o mito da criação 'Enuma Elish', mas o sistema sumério em si não é o foco principal. Focamos todas as tradições que trabalham com os poderes do lado da noite e que levam através do caminho da mão esquerda em direção a gnose e a transcendência espiritual. Como você mencionou, diferentes correntes esotéricas dos antigos egípcios, persas, sumérios/ babilônios, védicos, nórdicos e práticas espirituais helênicas são de grande interesse e é dado foco no funcionamento de nossa Ordem. Alguns de nós também trabalham com tradições derivadas da Quiumbanda afro-brasileira e cultos da América do Sul ao Senhor da Morte. "

Você poderia explicar para nós, muito brevemente quais são suas crenças religiosas? O que é a MLO? Quem é Frater Nemidial?

Jon Nödtveidt: "Frater Nemidial é o Magister Templi da MLO. Quanto à outra parte da pergunta eu já a respondi tantas vezes antes e as informações sobre a MLO estão lá fora, para aqueles que têm a vontade de procurá-la."

O que simboliza a reencarnação de caos para os membros do Dissection?

Jon Nödtveidt: "Acho que você está se referindo a o título 'Reinkaos' e o seu significado. Mas 'Reinkaos' não significa reencarnação do Caos e sim o oposto da reencarnação (que significa " retornar à carne ). 'Reinkaos' é o quinto estágio da Alquimia Proibida dentro dos ensinamentos da MLO e é parte do processo de Atazoth que através do aumento do poder acausal do espírito torna possível a transcendência do mundo da matéria e o retorno ao Caos pandimensional ".

Há algum livro especial ou escritos que o inspirou no “Reinkaos”?

Jon Nödtveidt: "O conceito de “Reinkaos” é baseado no livro Liber Azerate e nos ensinamentos da MLO."

O DISSECTION dedicou-se em se esforçar para melhorar (perfeição), progredir e evoluir... Sua música é uma verdadeira representação do seu espírito interior e vontade. Você pode nos dizer por que essas coisas são tão importantes não só para Dissection como uma entidade, mas para cada um de vocês individualmente como satanistas anti-cósmicos? Você vê as qualidades como uma realização que todos os satanistas anti-cósmicos devem procurar?

Jon Nödtveidt: "Melhoria, progressão e evolução fazem parte do caminho para a libertação e, portanto, poderiam ser vistas como qualidades que todos os satanistas devem procurar".

Que conselho (se houver) você daria para quem tem interesse em Anti-cósmico satanismo?

Jon Nödtveidt: "Analisar tudo o que puderem ter em suas mãos ligado à tradição e pôr em prática o que aprenderem.”

Qual a importância da condição física para um satanista sério?

Jon Nödtveidt: "O que deve ser mais importante para um satanista é a condição espiritual."

O que significa exatamente a fórmula na canção "Aeon Starless": Dies Irae, Dies Illa, Solvet Cosmos Em Favilla. Vocamus Te Aeshma Diva!?

Jon Nödtveidt: "O dia de ira, aquele dia, dissolverá/ reduzirá o cosmos a cinzas Apelamos a Aeshma Diva (Aeshma-Diva significa 'O Deus da Ira' em persa)".

O DISSECTION desempenha um grande papel para a MLO, por quê?

Jon Nödtveidt: "A MLO desempenha um grande papel para o Dissection. Apesar disso, o Dissection é a unidade de propaganda sonora da MLO, a MLO em si não tem nada a ver com música."

Você tem alguma forma especial de fazer sua música, já que ela é supostamente "mágica"?

Jon Nödtveidt: "O processo de composição tem para mim uma função espiritual em um nível pessoal uma vez que são hinos para os diferentes poderes e princípios, os Deuses das Trevas, que são uma parte central da corrente 218 Liricamente as músicas são baseadas em invocações e fórmulas que foram vinculadas nas letras para evocar os poderes que as representam. A teoria ocultista musical foi aplicada no processo de escrita da canção como um meio de carregar simbolicamente suas estruturas. Elas também foram escritas inspiradas por idéias científicas, como a teoria das cordas etc. As canções foram todas escritas com a intenção de usar sons e vibrações como ferramentas Anti-Cósmica e todas elas foram conscientemente criadas para serem os vasos para esses poderes."

O que você tem a dizer para as pessoas que não acreditam na "magia" ou o ocultismo?

Jon Nödtveidt: "Nada. As pessoas podem acreditar ou não no que quiserem, eu pouco me importo..."

Você poderia falar sobre seu selo, Black Horizon Music?

Jon Nödtveidt: "Nós formamos nosso selo, Black Horizon Music, devido à necessidade de tomar conta do nosso próprio negócio e fazer as coisas do nosso jeito".

O que você acha da cena Black Metal / Death? O Dissection parece seguir seu próprio caminho, independentemente desta cena? É realmente assim e por quê?

Jon Nödtveidt: "Você está certo, e isso é simplesmente porque nós tocamos música satânica. Nós seguimos nosso próprio caminho nesse aspecto, e não temos a necessidade de ser uma parte de qualquer cena de música ou Metal. Na verdade, nós nos distanciarmos dela o máximo possível. Para nós, não existe nenhuma cena para fazer parte, nada com que nos identificamos. O que existe? 'Death Metal', no meu entendimento, não tem nada a ver com o culto da morte, como era para ser de acordo com certas pessoas, e ninguém dos que começaram o 'Black Metal' eram satanistas, assim como as bandas de hoje usam apenas artifícios em suas letras e imagens. Como os membros do Dissection tanto pertencem ao culto de Satã-Lúcifer como ao culto necrosfíco do Senhor da Morte, escolhemos rotular nossa música “Anti-Cosmic Metal of Death" para mostrar a direção espiritual de nosso trabalho. Nós não pertencemos à cena musical atual."

Como você vê a recepção da sua música atual, depois de quase 11 anos de silêncio?

Jon Nödtveidt: "Estou muito satisfeito com a forma como o álbum foi recebido até agora, tanto por aqueles que gostam dele e o compreendem, bem assim como aqueles que não o entendem, o álbum nunca foi para eles. Com a música como uma ferramenta-ritual, pretendemos alcançar apenas aqueles de mesmo sangue espiritual que o nosso. Aqueles que podem encontrar a essência por trás das formas da música. Para todos os outros, a música será apenas os sons que eles podem gostar ou não gostar.”

O que está por vir para o Dissection, mesmo nesses primeiros dias do lançamento do “Reinkaos”?

Jon Nödtveidt: “Toda a viagem tem o seu fim e agora estamos chegando ao fim da linha com Dissection, mas ainda pretendo deixar a nossa marca final, apresentando o material de 'Reinkaos' ao vivo”.

Eu tenho um sentimento tão estranho ultimamente, que o Dissection vai terminar após o Midsummer Massacre. Quer dizer, o que haverá depois de "Reinkaos", o que virá depois do grande retorno?

Jon Nödtveidt: "O que temos diante de nós agora são alguns shows extremamente selecionados que marcarão o fim do Dissection, dos quais o Midsummer Massacre DISSECTION na Suécia no dia 24 de junho será o único concerto europeu, bem como o último. Também fazeremos o nosso primeiro e último show em Israel, bem como dois concertos finais no continente americano. Cheguei às limitações da música como uma ferramenta para expressar o que quero expressar, para mim e um punhado de outros que me preocupo, eu vou agora partir para outros reinos da prática. 'Reinkaos' foi nosso único foco por muito tempo e todo o trabalho e dedicação fanática colocado na banda por cada membro tem sido dirigida para este álbum. Com 'Reinkaos' finalmente gravado e lançado, também percebo que não há mais nada para mim fazer com o Dissection. Fomos bem sucedidos em nossa missão de manifestar, em essência, um verdadeiro álbum Satânico abençoado pelos deuses negros e conseguimos o nosso objetivo de manifestar uma verdadeira banda satânica!

Meu objetivo era trazer de volta o DISSECTION com força total e torná-la uma unidade satânica que eu sempre quis ter e a ferramenta para concluir o meu trabalho pessoal de magia negra que fora iniciado há muitos anos atrás.

Com 'Reinkaos' isso tudo foi alcançado e estou muito, muito satisfeito com o resultado. Não seria nem mesmo desejável para mim continuá-lo já que tudo que eu sempre quis expressar esta lá dentro. É por isso que decidimos agora que este é o momento de seguir em frente e onde o DISSECTION não será mais uma banda ativa. Portanto, é uma grande vitória para mim ultrapassar esta fase de percepção pessoal. Com 'Reinkaos' chegamos ao capítulo final. O trabalho do DISSECTION está feito e este é o nosso legado. Quero agradecer a meus irmãos de batalha, Set e Tomas por tornar isto possível. Salve Satã! Salve Azerate 218!"

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Morte de Jon Nodtveidt

5000 acessosJon Nodtveidt, do Dissection, comete suicídio5000 acessosSite do Dissection confirma suicídio de Jon5000 acessosJon Nödtveidt se suicidou em "ritual satânico"5000 acessosPsicóloga teme imitação dos fãs de Nödtveidt5000 acessosNodtveidt não tinha Bíblia Satânica, diz banda3396 acessosSarah do Cradle: não estava malhando Nödveidt5000 acessosGlenn Benton comenta suicídio de Jon Nodveidt5000 acessosDissection: isolamento - porque pessoas inteligentes se matam?0 acessosTodas as matérias sobre "Morte de Jon Nodtveidt"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Morte de Jon Nodtveidt"0 acessosTodas as matérias sobre "Dissection"

Iron MaidenIron Maiden
A foto que teria inspirado Derek Riggs na criação de Eddie?

Dave MustaineDave Mustaine
"Joguei dois feitiços em pessoas, ambos funcionaram!"

Steve VaiSteve Vai
As 10 melhores faixas na opinião do guitarrista

5000 acessosGaleria - Algumas das beldades do Rock e Metal nacional5000 acessosAngra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó5000 acessosTony Iommi: opiniões sobre Dio, Rhoads e Halford5000 acessosMetallica: os 11 melhores clipes da banda5000 acessosTop 10: Melhores Baixistas de todos os tempos5000 acessosBrian Johnson: cantando "Black Dog" e "Rock and Roll" do Led Zeppelin

Sobre Carlos Henrique Schmidt

Faz sua pequena parte em um universo chamado rock desde o início dos anos 90, seja comprando discos e ingressos, carregando cubos e caixas, traduzindo notícias, fazendo resenhas, escrevendo textos ou criando artes para eventos, mas, sempre fazendo o mais importante PARTICIPANDO.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online