Dissection: isolamento - porque pessoas inteligentes se matam?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: American Undeground Nhilist So
Enviar correções  |  Ver Acessos


Ensaio publicado originalmente no American Underground Nhilist Society.

Iron Maiden: as dez melhores músicas, segundo a LoudwireMTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Jon Nödtveidt está morto e a resposta ao seu suicídio, diagnostica o porquê dele ter feito isso. Como um conhecido meu disse: "Eu tenho inteligência acima da média - dois desvios-padrão. Esta sociedade não está preparada para as pessoas de inteligência superior. Nós vemos coisas que os outros não, tais como o quão ineficiente ou autodestrutiva é a forma como funciona esta sociedade. E já que eles não vêem isso, desviam as nossas opiniões e nos deixam sem voz. É um solitário lado da vida".

Para a criança que nasce com inteligência, o mundo invisível torna-se claro: a ligação entre as idéias e as conseqüências tanto imediatas, como a longo prazo. Isso deve ser treinado pela experiência, mas emerge ao longo do tempo (um grande lamento da humanidade é que ela leva quase quatro décadas para a sabedoria estar plena). Essa criança vai literalmente "ver" coisas que não existem, mas que vão existir porque ele ou ela compreendem a conexão entre o projeto (os nossos pensamentos, planos, metas) e suas conseqüências.

A inteligência superior dá a esta pessoa a capacidade de ver vários níveis de conseqüências. Quando uma pessoa estúpida percebe que tocar fogo em uma sala vai queimar a casa inteira, uma pessoa mediana irá perceber que o fogo poderá se espalhar para a vizinhança, uma pessoa razoavelmente acima da média ponderará sobre o ressecamento da estação, a quantidade de madeira solta no bairro, ventos predominantes e outros fatores e consegue ver que, se a situação é bem propicia esse fogo poderá queimar uma grande parte da cidade ao redor.

Claro, é uma tarefa impossível explicar isso para uma multidão enfurecida querendo incendiar a casa de um inimigo declarado, eles vêem somente o imediato e o tangível, que é seu desejo. Seus cérebros não têm circuitos para ver suas implicações de uma maneira mais ampla, por isso mesmo que estas sejam minuciosamente explicadas, eles gritam as suas contrariantes "opiniões" que são tão desinformadas como eles próprios são cegos para a própria pergunta. Eles não se preocupam com o que eles não entendem, e eles entendem um pouco não mais do que uma única casa em chamas.

Em nossa era moderna, essa tendência é amplificada. As massas vêem somente que podem pagar, as coisas que desejam e com a tendência de todas as massas, confundem prazer / conforto / estabilidade fazendo o que é certo para prever o futuro.

Na verdade, eles não consideram o futuro, a maioria das pessoas tem uma extensão de consciência de cerca de duas semanas e, além disso, estão perdidos a conseqüência, bem como de memória. Para alguém com um maior intervalo de previsão e memória, e falar para essas pessoas é como gritar no vento para alguém em uma língua estrangeira.

As pessoas inteligentes entre nós tem nos alertado há algum tempo: existem muitas pessoas apoiadas pela tecnologia (Kaczynski); massas mais grosseiras e burras tomaram o controle político do mais inteligente e através de uma política de vingança destruirão todas as coisas inteligentes (Nietzsche ), a grande massa vai buscar o prazer e criar um mundo estéril, mas seguro (Huxley), a interligação de todas as coisas, incluindo a concepção, é a cegueira da maioria das pessoas e, portanto, eles confundem o símbolo com a realidade (Schopenhauer), as pessoas diagnostica erroneamente seu problema como existencial quando é uma falta de compromisso com a consciência amorosa propriamente dita (Mary Shelley), a maioria das pessoas confundem preferência com conseqüência (Platão), as pessoas geralmente não compreendem bem em relação a um objetivo ruim quanto relativamente boa para a questão da sobrevivência com a graça de (Aristóteles); as pessoas confundem a riqueza com a nobreza (Fitzgerald), as pessoas confundem o poder pessoal com uma conexão permanente de seu mundo através de heroísmo (Hemingway); as massas confundem "progresso" no mundo físico com a superação de suas privações (Faulkner). A lista seria realmente extensa e muito além do comprimento desta edição, se cada grande pensador da história fosse enumerado.

Voltemos ao caso de Jon Nödtveidt. Mais inteligente que a maioria, ele produziu um álbum de heavy metal inovador, "The Somberlain", ainda na sua adolescência. Enquanto cometia erros após isto, a respeito da direção de sua arte, ele nunca deixou a qualidade cair, e retornou com um álbum um pouco irreal, mas musicalmente bonito, o "Reinkaos". É evidente que ele perdeu a direção filosófica, mas as experiências da última década podem ter injetado confusão em sua visão de mundo. Seja ou não, ele encontrou uma orientação pessoal, ele não poderia purgar seu conhecimento do mundo invisível de sua mente.

O mundo invisível que a humanidade enfrenta é o seguinte: aproveitando a confusão ideológica e religiosa dos últimos dois milênios, o grupo de pessoas que Michael Crichton chama de "inteligências magras" - capazes de realizar tarefas que exigem inteligência, mas cegos para as implicações e o desenvolvimento dessas idéias - tomou o poder. Seus instrumentos de controle: o uso de dinheiro só para determinar a adequação de uma idéia, a utilização da popularidade para determinar a cultura, o uso da democracia para fazer a maior parte da população prevalecer sobre os mais sábios. As conseqüências de seu controle é um barco sem capitão, ou mais precisamente, um capitão que diz aos passageiros o que eles querem ouvir, independentemente da verdade.

O resultado será desastroso. Uma vez que cada pedaço de terra (com menos de 5% do espaço aberto do mundo permitido pelos governos, que mais tarde podem revogar estas decisões) à venda, e nenhuma controle da expansão humana, exceto o relativo baixo custo de reprodução, a humanidade se espalhará como o cimento derramado por todo o espaço disponível. Cercas sobem, e isso mata as espécies nativas da floresta que precisam vagar; necessidades alimentares média oceanos será logo esgotada de peixes comestíveis, as terras desmatadas com agricultura, e altas concentrações de pesticidas e poluentes industriais, entrará no meio ambiente.

A cultura, à venda, vai se tornar cosmopolitana, e as pessoas de todo o mundo vão inundar todas as cidade e misturar-se com as pessoas dela, produzindo uma raça cinza sem cultura e sem herança que falam qualquer língua que seja mais popular. A arte erudita morre e é substituída por "arte popular" (Britney Spears) e arte de boutique, que pretende ser arte erudita para aqueles que precisam de novidade possam comprar algo "único" (Turbonegro). Trabalhos que recompensam as pessoas inteligentes são substituídos por empregos onde os trabalhadores são peças intercambiáveis controlados por enormes redes de regras e burocratas de escritório. Será falado bastante sobre liberdade, mas ela não existirá, pois o elevado custo de vida vai amarrar as pessoas a seus empregos, onde uma verdade ofensiva poderá causar privações.

Esse é o futuro, a menos que algo mude. Esse é o futuro onde as inteligências medianas, governam as inteligências acima da média. Alguém como Jon Nödtveidt é susceptível de dar a esse tipo de mundo um tiro por um momento, mas sempre adorar o pensamento de fuga, já que significa não ter que viver a mentira de viajar preso num trem apocalíptico sem motorista.

Para o inteligente, o castigo de nossa existência é sempre visível, embora seja invisível para as pessoas medianas, e isso, não deveria nos surpreender por que muitos tiram suas vidas ao invés de aceitar passivamente o fracasso inevitável da humanidade.


Morte de Jon Nodtveidt

Jon Nodtveidt, do Dissection, comete suicídio

Dissection: Site oficial confirma o suicídio do vocalista Jon NodtveidtDissection
Site oficial confirma o suicídio do vocalista Jon Nodtveidt

Dissection: Jon Nödtveidt se suicidou em ritual satânicoDissection
Jon Nödtveidt se suicidou em "ritual satânico"

Psicóloga teme imitação dos fãs de Nödtveidt

Nodtveidt não tinha Bíblia Satânica, diz banda

Sarah do Cradle: não estava malhando Nödveidt

Glenn Benton comenta suicídio de Jon Nodveidt

Dissection: a última entrevista com Jon Andreas Nödtveit

Em 13/08/2006: Jon Nödtveidt, do Dissection, comete suicídioEm 13/08/2006
Jon Nödtveidt, do Dissection, comete suicídio

Dissection: a relação de Jon Nödtveidt com a Quimbanda

Dissection: em vídeo, canal homenageia 10 anos sem Jon Nödtveidt

Todas as matérias sobre "Morte de Jon Nodtveidt"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Morte de Jon Nodtveidt"Todas as matérias sobre "Dissection"


Iron Maiden: as dez melhores músicas, segundo a LoudwireIron Maiden
As dez melhores músicas, segundo a Loudwire

MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy MetalMTV
Experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal


Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

adGoo336