Em 13/08/2006: Jon Nödtveidt, do Dissection, comete suicídio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: Expressen, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Artigo original do Expressen, da Suécia...

O músico Sueco de metal pesado Jon Nödtveidt, 31, foi encontrado morto na quarta-feira, 16 ago 2015 em seu apartamento em Hässelby, um subúrbio de Estocolmo. Ele deu um tiro na cabeça e estava cercado por velas acesas, relata o Expressen. Pouco antes do ritual suicida, ele tinha enviado cartas de despedida a seu pai e sua namorada e explicou a um amigo: "Eu estou indo embora por um longo, longo tempo. Eu estou indo para a Transilvânia."

Dissection: Jon Nödtveidt se suicidou em ritual satânicoDissection
Jon Nödtveidt se suicidou em "ritual satânico"

Nödveidt, vocalista e guitarrista na popular banda de black metal sueca DISSECTION, optou por tirar sua própria vida.

Uma patrulha da polícia informou para o centro de comunicação da polícia em Estocolmo que um homem havia sido encontrado morto, aparentemente vítima de um ferimento de bala auto-infligido. De acordo com várias fontes do Expressen, o cantor tinha colocado uma cópia aberta da "A Bíblia Satânica*" na frente dele antes de puxar o gatilho.

"Ele deu um tiro na cabeça e caiu morto em um círculo de velas acesas", diz uma fonte da polícia.

A polícia recebeu uma chamada 911 da família de Jon Nödtveidt que não tinham sido capazes de estabelecer contato com ele por um alguns dias.

"Eles estavam muito preocupados", disse seu representante legal e gerente, Per Nordqvist. "Sua namorada e sua família ligaram após temerem que algo terrível tivesse acontecido havia sido reforçada."

A razão para a sua preocupação foi uma carta de despedida que Jon Nödveidt tinha enviado a sua namorada na Alemanha. Seu pai, Anders Nödtveidt, também tinha recebido um cartão postal pedindo-lhe para entrar em contato com um número de pessoas e agradecer-lhes por tudo.

"O que ele disse é pessoal. Eu quero mantê-lo para mim mesmo", diz o pai de Jon acerca do conteúdo do cartão.

"Eu o encontrei em Estocolmo apenas uma semana e meia atrás. Tudo parecia ótimo então. Eu sempre tive um bom contato com Jon durante sua criação e ao longo de sua vida adulta. Eu não entendo o que aconteceu para fazer as coisas acontecerem desta forma. Isto pesa ainda mais forte em nós, considerando tudo o que aconteceu. Isto é muito difícil para toda a família."

O pai de Jon Nödveidt gosta da foto em que seu filho usa uma jaqueta de couro preta e pediu para que a imagem fosse publicada.

"É uma boa foto. Jon pensou assim também", diz Anders Nödtveidt.

O suicídio acredita-se ter sido planejado há muito tempo.

"Na cena do crime havia também um testamento e uma nota de suicídio", diz uma fonte da polícia ao Expressen.

Em dezembro de 1997, Jon Nödveidt foi preso pelo assassinato de Ben Josef Meddaour e pagou sete anos por cúmplicidade no assassinato e posse ilegal de arma. O assassinato foi altamente divulgado em Gotemburgo e é retratado no filme "Keillers Park". O que veio a ser conhecido como "o assassinato satânico" na Suécia. O crime ganhou um filme e um livro.

"Ele me afetou imensamente", conta o diretor do filme, Susanna Edwards, ao Aftonbladet.

"Keillers Park", tem o nome do parque em Gotemburgo, onde o assassinato ocorreu, estreou nos cinemas na Suécia, em Março de 2006.

"Josef Ben Meddaour era uma pessoa ingênua e aberto com um coração grande", diz Edwards. "Ele foi vítima de um ato grotesco de homofobia".

O assassinato também foi a base para a do ano passado "No Tears For Queers", um livro sobre crimes de ódio de um jornalista sueco e autor Johan Hilton.

Em 1997, na época do assassinato, Jon Nödtveidt explicou que ele vivia em um mundo onde Satanás era Deus e que bebiam sangue e sacrificavam animais. No site do DISSECTION ele revelou que ele era um membro da MLO - Misanthropic Luciferian Order.

Em 22 de setembro de 2004, duas semanas após a sua saída da prisão, Jon Nödveidt conversou com Expressen sobre o assassinato e seu tempo na prisão.

"Eu quero deixar o assassinato para trás e seguir em frente", disse ele ao jornal. "Parece que eu sou uma nova pessoa depois do meu tempo na prisão. O tempo antes do encarceramento parece uma outra vida. Eu já passei por tanta coisa desde então. Me tornei mais maduro, envelheci e olho para a vida e a morte em uma maneira totalmente nova. "

Quando perguntado sobre os crimes a que ele foi condenado, Nödtveidt disse: "Não importa o que fizer, não pode ser desfeito. O que aconteceu, aconteceu e eu tenho que seguir em frente com minha vida. Eu assumi a responsabilidade por minhas ações cumpri o meu tempo na prisão. Eu não estou orgulhoso do fato de eu ter que ver minha mãe chorar, mas eu estou trabalhando com nova força e olhando para frente. "

Quando perguntado se ele lamenta o que aconteceu, Nödtveidt disse: "Por respeito à família da vítima, eu não quero discutir o que aconteceu. A única coisa que eu quero dizer é que eu não tenho orgulho disso."

Josef Ben Meddaour era um homem homossexual argelino de 37 anos de idade, que foi morto por um tiro de espingarda na cabeça.

"Eu absolutamente não sou racista", Jon Nödtveidt disse ao jornal. "Não há nada que me deixa mais triste e chateado do que as pessoas que dizem coisas como essa. São pessoas que nada sabem sobre mim. Todo mundo que me conhece sabe que eu tenho amigos, irmãos e irmãs de todo o mundo."

"Jon era uma pessoa aberta, que gostava da vida", explica o gerente, Per Nordqvist, ao Expressen. "Ele era fácil de se relacionar e muito amável. Ainda assim, o que aconteceu, aconteceu e isso é algo que você sempre carregar com você de uma maneira ou de outra. Todas as pessoas têm seu fardo."

Por Nordqvist disse ao Aftonbladet que o suicídio de seu amigo o deixou sentindo-se totalmente vazio e que é terrivelmente triste.

"Eu passei os últimos anos recolhendo os direitos de sua música", diz Nordqvist Aftonbladet. "Jon sentiu que estava perdendo tudo durante o tempo que ele estava preso."

Johan Hargeby da empresa sueca de distribuição Sound Pollution trabalhou em estreita colaboração com Jon Nödveidt por 15 anos.

"Eu o encontre na segunda-feira (14 de agosto), quando ele estava aqui para uma breve reunião", diz Hargeby ao Expressen. "Estou chocado e consternado." '


Morte de Jon Nodtveidt

Jon Nodtveidt, do Dissection, comete suicídio

Dissection: Site oficial confirma o suicídio do vocalista Jon NodtveidtDissection
Site oficial confirma o suicídio do vocalista Jon Nodtveidt

Dissection: Jon Nödtveidt se suicidou em ritual satânicoDissection
Jon Nödtveidt se suicidou em "ritual satânico"

Psicóloga teme imitação dos fãs de Nödtveidt

Nodtveidt não tinha Bíblia Satânica, diz banda

Sarah do Cradle: não estava malhando Nödveidt

Glenn Benton comenta suicídio de Jon Nodveidt

Dissection: a última entrevista com Jon Andreas Nödtveit

Dissection: isolamento - porque pessoas inteligentes se matam?

Dissection: a relação de Jon Nödtveidt com a Quimbanda

Dissection: em vídeo, canal homenageia 10 anos sem Jon Nödtveidt

Todas as matérias sobre "Morte de Jon Nodtveidt"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Datas e Causas de MortesTodas as matérias sobre "Morte de Jon Nodtveidt"Todas as matérias sobre "Dissection"


Heavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o LoudwireHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal

Ultimate Guitar: os 100 melhores solos de guitarraUltimate Guitar
Os 100 melhores solos de guitarra

Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVIron Maiden
Os fãs mais insuportáveis em lista da MTV

Tom Grosset: O mais rápido baterista do mundo segundo o GuinnessTom Grosset
O mais rápido baterista do mundo segundo o Guinness

Ghost: com elementos do Mayhem, Sarcófago e Devil DollGhost
Com elementos do Mayhem, Sarcófago e Devil Doll

Freddie Mercury: a descoberta do vírus em 1987Freddie Mercury
A descoberta do vírus em 1987


Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336