Twisted Sister: "bandas famosas pelos abusos eram babacas"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Molina
Enviar correções  |  Comentários  | 

Na véspera do show (25 de novembro) a ser realizado em Curitiba, os guitarristas do Twisted Sister, Jay Jay French e Eddie Ojeda, aproveitaram para conceder uma entrevista bem humorada a radio 91 Rock e alguns jornalistas convidados. A pequena coletiva comandada pelo músico Zé Rodrigo contou com as participações dos jornalistas André Molina (Whiplash), Guilherme (Blog Mondo Bacana) e o apresentador da rádio curitibana, Mauro Muller.

1349 acessosPhil Campbell: solo terá Dee Snider e Matt Sorum, além de Halford5000 acessosIndústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

A entrevista foi acompanhada por mais de 50 fãs, que tiveram oportunidade de conhecer os músicos e participar de um churrasco realizado para receber a banda norte-americana de Hard Rock. Confira a seguir a breve entrevista:

Como o Twisted Sister conseguiu renovar seus fãs?

Jay Jay: Durante 25 anos tocamos nos maiores festivais do mundo e sempre estamos com o mesmo ânimo da primeira vez. Quando se faz bons shows em diversos lugares você agrada pessoas, independente, da idade e pode ter retorno durante muitos anos.

Eddie: Por ser a segunda vez que estamos no Brasil sentimos a mesma atmosfera e empolgação do início de carreira. Utilizamos o mesmo ritual de 25 anos atrás. É uma renovação de público para nós.

O disco “Stay Hungry” se tornou um trabalho clássico da década de 80. Qual avaliação vocês fazem do álbum?

Eddie: O disco foi composto e gravado em Nova Iorque e terminado na Califórnia. Quando você grava um disco não dá para saber o que pode acontecer. É um prazer ter composto músicas para este álbum, que se tornaram clássicos como "We're Not Gonna Take It" - usada como tema do exército norte-americano. "I Wanna Rock' serviu como trilha sonora em diversos filmes. São canções que se tornaram clássicos. Quando compusemos não pensavámos onde as músicas poderiam chegar.

Jay Jay: O disco na época foi multiplatina em nove países, mas do lado oposto os videoclipes foram responsáveis por determinar a nossa imagem. Não transmitia necessariamente o que pensamos. Quando subimos no palco tentamos provar para as pessoas que não somos só o que aparece na TV. Não queremos mostrar só imagem. Por isso levamos a sério o trabalho em cima do palco. Temos sempre o desafio de mostrar que a música é a prioridade. Ter muito sucesso pode ser ruim por causa da questão da imagem.

Porque as bandas da atualidade vem perdendo a rebeldia em comparação as bandas das décadas anteriores?

Eddie: A rebeldia sempre vai existir. Hoje as pessoas tentam ser boazinhas, mas a postura não tem relação com o rock ‘n’ roll. Perde a graça. É possível ser “bad boy” sem você estragar sua saúde. As pessoas hoje em dia tem um comportamento pior, mas direcionam esta postura aos Anos 80. O mais importante é ser inteligente.

Jay Jay: As bandas que ficaram famosas nos anos 80 pelos abusos eram grandes babacas. E continuam iguais. Eles se mataram, tomaram todas e ficaram na pior. As cinco bandas que continuam com a mesma formação são Rush, Aerosmith, ZZ Top, Motley Crue e Twisted Sister. Destes grupos, Motley Crue aprendeu a lição e sobreviveu. Nossa banda não é de festa. Os fãs e o trabalho estão em primeiro lugar. Não é o primeiro lugar do Axl Rose, que chega duas horas atrasado em um show e diz dane-se a quem gastou seu dinheiro. Nunca tivemos esse problema. Por isso estamos comemorando 9 mil shows.

Vocês participaram de uma geração que veio depois do Black Sabbath, Led Zeppelin, Jimi Hendrix e outros importantes nomes. Quem são seus heróis?

Eddie: Começamos fazendo covers de David Bowie, Jimi Hendrix, Queen, Cream e outras grandes bandas.

Jay Jay: Beatles e Rolling Stones me influenciaram, mas os meus heróis não são os músicos. São as pessoas que tentam mudar o mundo. Tenho uma filha com doença crônica que tem que combater todos os dias. Meu grande herói atualmente é o médico de minha filha. Os heróis do mundo são as pessoas que tentam mudá-lo.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de novembro de 2010

Twisted SisterTwisted Sister
Processando promotor por recebimento de cachê

1349 acessosPhil Campbell: solo terá Dee Snider e Matt Sorum, além de Halford1310 acessosDee Snider: em vídeo profissional, tributo a Chris Cornell0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Twisted Sister"

Farofa?Farofa?
7 bandas estigmatizadas pelo rótulo de "hard farofa"

Top 5Top 5
Discos solo que foram lançados sob o nome de bandas

Papai TruezãoPapai Truezão
Astros do Heavy Metal em fotos com seus filhos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Twisted Sister"

IndústriaIndústria
Atrizes pornô começam a seguir rumo das bandas

SolosSolos
Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

GenealogiaGenealogia
Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rock

5000 acessosEm 03/02/1959: Buddy Holly, Ritchie Valens e Big Bopper morrem em acidente aéreo5000 acessosEm 16/08/1977: Morre Elvis Presley5000 acessosOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold5000 acessosPhil Anselmo: surge vídeo gravado logo após funeral de Dime4452 acessosOnslaught: ex-vocal do Anthrax é demitido por não cantar direito5000 acessosCorey Taylor: Não podíamos trabalhar junto com Jordison

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online