Exxótica: Hard em português sem medo de ser tachado de farofa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Erick Tedesco Gimenes
Enviar Correções  


Sem demora, vamos direto ao assunto, assim como é a proposta musical desta banda: O Exxótica ataca com seu Hard Rock cantado em português sem medo de ser tachado de "farofa" ou desatualizados, visto que o uso das letras cantados em português sempre foi a intenção dos caras. As primeiras idéias e aspirações surgiram em dezembro de 2000 pelos integrantes do Dr. Love (Kiss Cover), Marcelo Rossi (baixo e vocal), Daniel Iasbeck (guitarra e vocal) e Leonardo Tomazelli (bateria). De lá pra cá, ensaiaram bastante, trocaram de baterista (entrou Espectro), produziram um CD (Estranhos no Ninho) e ainda não pararam de fazer shows. Entrevistamos o guitarrista Daniel para conversar sobre a carreira do Exxótica, sobre até quanto existe humor e seriedade nas músicas seus futuros planos com a banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

VALHALLA - Desde os primórdios o Exxótica cantava em português?

DANIEL IASBECK - Sim, isso nem chegou a ser conversado mas a ambição da banda sempre foi a de cantar as nossas músicas em português, já que pensamos e falamos em português a vida inteira. E eu acredito muito que é possível se fazer qualquer música (de qualquer estilo) soar bem na língua portuguesa, desde que se tenha disposição para trabalhar na adaptação das melodias. Como a gente toca rock, obviamente as nossas referências são, na maioria, bandas que cantam em inglês e você praticamente ouve as frases em inglês, quando começa a compor. Mas uma vez que você tem a melodia na cabeça você pode, escolhendo as palavras certas, manter as mesmas acentuações que teria numa frase em inglês. Nós preferimos nos expressar na nossa língua.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

VALHALLA - Quando a verdadeira identidade de Espectro será revelada? Ele não se sente rejeitado por não ter seu nome vinculado?

DANIEL - Ele não se sente rejeitado. Ele é o Espectro! :-) E é muito bem resolvido quanto a isso! (risos)

VALHALLA - Diversão, mulher e bebedeira são as idéias que se tem enquanto o CD "Estranhos no Ninho" está rolando, o que sem dúvida alguma é a intenção da banda, não? Qual é sua concepção de música, você acha que a música existe para distrair e apenas se divertir?

DANIEL - Não. Eu concordo que há putaria no CD, mas em uma só faixa. Acho que se as pessoas param para prestar atenção no que você diz em uma letra de música (e é por isso que a gente canta em português), é bom você aproveitar para se expressar de todas as maneiras. É muito bom passar alegria e divertimento, mas é interessante escrever coisas que façam as pessoas pensarem. No nosso caso, a gente tenta falar de tudo de um modo mais descontraído e alegre.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

VALHALLA - A música Meia Noite/ Sexta feira é um verdadeiro grito de guerra das baladas rockeiras! Ao compor esta música você por acaso imaginou um carro cheio de moleques bebendo e cantando indo para uma festa sedentos por mulheres?

DANIEL - Hahaha... Foi o Marcelo que fez essa letra e pode parecer estranho, mas ele escreveu sobre ele mesmo! Ele até deu uma amenizada na letra... mas se você prestar atenção no final da música, quando o volume vai abaixando, pode ouvir como ela era originalmente.

publicidade

VALHALLA - A letra de "Eu Quero Deixar (Você Fugir de Mim)" é engraçada e original, ainda mais combinada com o hard rock contagiante do instrumental. Você sente falta de letras como essa no cenário do Rock atualmente?

DANIEL - É uma letra sincera, sobre uma situação até triste, mas que eu quis falar desse jeito, dando uma zoada aqui e ali... eu não costumo falar "sério"... e é legal que você tenha achado ela engraçada, pois pouca gente conseguiu entender! Hehehe

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

VALHALLA - O que vocês acham da lendária banda gaúcha de hard/glam Savannah?

DANIEL - Eu nunca ouvi o som deles, mas já vi fotos e li a respeito. É uma banda que chama a atenção sempre que aparece em alguma revista, pois usam um visual exagerado, assim como a gente. Acho eles espertíssimos por isso! (risos)

VALHALLA - Qual a importância da maquiagem para a banda? Ajuda a construir um clima de magia e alegria que sua música expressa?

DANIEL - Sim. É isso mesmo. Eu sempre fui fã de bandas e artistas que usavam um visual forte para criar esse clima: Kiss, Slade, Sweet, Todd Rundgren, David Bowie, Alice Cooper, WASP, Twisted Sister e muitos outros. A lista é grande.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

VALHALLA - Depois de um tempo que o CD fora lançado, a banda está tendo boas oportunidades para fazer shows, não? Já houve convite para tocar fora de São Paulo?

DANIEL - Já. Já tocamos em outras cidades e a gente recebe e-mails de pessoas de vários estados querendo ver a banda. Desde Rio Grande do Sul até Amazonas! Isso é muito bom! Espero poder tocar para cada pessoa que quer nos assistir.

VALHALLA - Conte-nos algum fato interessante ou engraçado que aconteceu com o Exxótica ano passado durante algum show.

DANIEL - Meu Deus, tem bastante coisa... uma que eu lembrei agora foi quando a gente estava tocando "Detroit rock city" do Kiss e o som do baixo sumiu... aí quando eu olho para o lado tá o Marcelo dançando com duas meninas que subiram no palco. Teve uma vez que a cobra que a gente leva nos shows caiu do pedestal e foi parar no meio da galera... e também tem os "quase tombos", mas isso eu prefiro nem falar... (risos)

VALHALLA - Já sofreram preconceitos em alguma apresentação, por algum fã ou mesmo outra banda por serem uma banda de hard rock que toca pintado e canta em português?

DANIEL - Que eu saiba não. Todas as bandas que tocaram com a gente nesse tempo foram muito legais... e a galera que vai assistir o show também respeita bastante. Com exceção de um viadinho que uma vez jogou uma garrafa de plástico no palco...hahahaha

VALHALLA - O Exxótica já tocou no tradicional Hard and Heavy Party? Se sim, como foi?

DANIEL - Já tocamos sim. Na terceira edição, que rolou em abril de 2001, quando a formação da banda era bem diferente. O interessante é que eu e o Marcelo nos conhecemos na festa anterior, no show da banda Kefren! E na festa seguinte lá estávamos nós com a nossa própria banda!

VALHALLA - Há planos para um próximo álbum? Será na mesma linha?

DANIEL - As músicas já estão prontas e a pré-produção quase concluída. A gente quer entrar no estúdio logo para poder lançar esse segundo disco no meio do ano.

VALHALLA - Muito obrigado pela entrevista, e agora este espaço é da banda! Agora é o momento do Espectro dizer suas primeiras palavras!

DANIEL - Quero agradecer a você Erick e ao site Whiplash pela força e gostaria de agradecer a todas as pessoas que estão apoiando a banda, comparecendo aos shows, ouvindo o Cd e escrevendo para nós...isso nos motiva muito a seguir em frente com a banda. Hehehe, quanto ao Espectro... ele tá mandando um "?!" para você! (risos) Valeu!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Arquivo Valhalla

Dead Nature - Acreditando no Metal e na InternetDead Nature - Acreditando no Metal e na Internet

Spirit Heaven: Uma nova fase e oportunidades para se fortalecerSpirit Heaven
Uma nova fase e oportunidades para se fortalecer

Santarem - Metal Prog n' Roll BrasileiroSantarem - Metal Prog n' Roll Brasileiro

Prophetic Age - Dilúvio de metal extremoProphetic Age - Dilúvio de metal extremo

Dark Avenger - Entrevista para a revista ValhallaDark Avenger - Entrevista para a revista Valhalla

Faces of Madness - Força para conquistar o BrasilFaces of Madness - Força para conquistar o Brasil

Mesa Redonda: Seção estréia discutindo álbum do In FlamesMesa Redonda
Seção estréia discutindo álbum do In Flames

Slipknot: Comentários sobre Vol. 3 The Subliminal VersesSlipknot
Comentários sobre Vol. 3 The Subliminal Verses

RockHard-Valhalla: Dr. Sin e outros comentam Asshole, de Gene SimmonsRockHard-Valhalla
Dr. Sin e outros comentam "Asshole", de Gene Simmons

RockHard-Valhalla: Korzus e editores da revista comentam Prophecy, do SoulflyRockHard-Valhalla
Korzus e editores da revista comentam "Prophecy", do Soulfly

RockHard-Valhalla: Músicos do Andralls comentam a carreira do MetallicaRockHard-Valhalla
Músicos do Andralls comentam a carreira do Metallica

RockHard-Valhalla: Endrah comenta Another Voice, do Agnostic FrontRockHard-Valhalla
Endrah comenta "Another Voice", do Agnostic Front

RockHard-Valhalla: Músicos do Threat comentam Greater Of Two Evils, do AnthraxRockHard-Valhalla
Músicos do Threat comentam "Greater Of Two Evils", do Anthrax

RockHard-Valhalla: Pitty comenta Reinventing Hell, do PanteraRockHard-Valhalla
Pitty comenta "Reinventing Hell", do Pantera

Sarcófago: pioneirismo, polêmica e death metalSarcófago
Pioneirismo, polêmica e death metal

Tributo ao Sarcófago: a lenda viveTributo ao Sarcófago
A lenda vive

Tommy Lindal: o ex-Theatre Of Tragedy e o seu caso de amor com o BrasilTommy Lindal
O ex-Theatre Of Tragedy e o seu caso de amor com o Brasil

Todas as matérias sobre "Arquivo Valhalla"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister


Sobre Erick Tedesco Gimenes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Erick Tedesco Gimenes no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 Cli336 CliHo Cli336