Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemTaylor Hawkins: Ele estava cansado e pronto pra abandonar o Foo Fighters

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemLuísa Sonza posta fotos com camiseta da banda de death metal Morbid Angel

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemPink Floyd: Em entrevista de 1984, David Gilmour falou sobre "The Final Cut"

imagemO que mudou no rock dos anos 90 pra cá segundo Jimmy Page

imagemIan Gillan conta como foi sua primeira saída do Deep Purple, em 1973

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemMark Knopfler e o peso da vida de um artista em turnê, por Regis Tadeu

imagemO erro geográfico na letra de "All Star", música que Nando Reis fez para Cássia Eller

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemKirk Hammett posta foto com guitarra do Coringa Surfista e look tipo Agostinho Carrara

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito


Stamp

Sepultura: Guerra e Religião na análise da música "Arise"

Por Rodrigo Lourenço Costa
Fonte: Blog HM - História e Metal
Em 05/01/14

Como dito anteriormente, o Sepultura escreve sobre o tema "Guerra Religiosa" em duas canções entre o fim dos anos 80 e início dos 90. Já comentamos sobre "Mass Hypnosis" e agora falaremos de "Arise", faixa do disco homônimo de 1991, que elevou a banda a um patamar de excelência nunca antes alcançado por uma banda brasileira no cenário da música (para muito além do gênero Rock/Metal) mundial. (JANOTTI JR, 2004, p.42).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Arise
Sepultura – Album: Arise (1991)

Obscured by the Sun
Apocalyptic Clash
Cities fall in ruin
Why must we die?
Obliteration of mankind
Under a pale grey Sky
We shall arise

I did nothing, saw nothing
Terrorist confrontation
Waiting for the end
Wartime conspiracy

I see the world, old
I see the world, dead

Victims of war, seeking some salvation
Last wish, fatality
I've no land, I'm from nowhere
Ashes to ashes, dust to dust

Face the enemy
Manic thoughts
Religious intervention
Problems remain

Surgir

Obscurecido pelo Sol
Estrondo apocalíptico
Cidades virando ruínas
Por que temos que morrer?

Obliteração da raça humana
Debaixo de um céu cinzento
Nos vamos surgir

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu não fiz nada, não vi nada
Confronto entre terroristas
Esperando pelo final
Tempos de guerra, conspiração

Eu vejo o mundo velho
Eu vejo o mundo morto

Vitimas da guerra, buscando uma salvação
Último desejo, fatalidade
Eu não tenho terra, eu sou de lugar nenhum
Das cinzas as cinzas, do pó ao pó

Encare o inimigo
Pensamentos maníacos
Intervenção religiosa
Problemas continuam

Max Cavalera, vocalista e principal letrista da banda na época, definiu o mote geral da canção da seguinte maneira em entrevista à revista holandesa Aardschok / Metal Hammer em Abril de 1991: As letras de 'Arise' são realmente up-to-date, porque é sobre como as pessoas estão prontas para matar outras pessoas só porque eles acreditam em um tipo diferente de Deus. acho que a minha voz soa especialmente agressiva nessa música, muito como em nossos álbuns mais antigos. (fonte: site Song Facts, 2008)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A definição realmente não poderia ser mais apropriada.

A primeira linha leva o ouvinte a experimentar um sentimento de confusão, através do uso da antítese contida em "Obscured by the Sun", e a imagem mais próxima que podemos fazer está nos desertos do oriente médio, onde o sol reflete tão fortemente na areia que queima os olhos e obscurece a visão. Este início cria o cenário onde se desenvolverá a narração.

A música segue, descrevendo uma terra arrasada em "Cities fall in ruin / Why must we die?", e também oferece ao ouvinte o relato de pessoas que estão no meio do conflito, e provalmente, estão tentando fugir.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O refrão, entretanto, busca a esperança e racionalidade em meio ao desespero da guerra: "Obliteration of mankind / Under a pale grey sky / We shall arise". O uso de uma palavra incomum "obliteração", está ligada, não só ao ritmo que as sílabas provome à parte melódica, mas também à uma ideia que é uma operação de pensada para cegar a a humanidade por dogmas.

A estrofe "I did nothing, saw nothing / Terrorist confrontation / Waiting for the end / Wartime conspiracy" traz mais clara a imagem do eu poético, que fala que não fez nada, não disse nada, mas está em meio ao confronto de terroristas e suas ideologias. E exemplifica muito bem o que as pessoas viam nos noticiários da época, e de como o medo dos ataques terroristas substituem o medo da Guerra Nuclear na mente do homem comum, após o fracasso do Comunismo e Capitalismo a todo custo. (HOBSBAWN, 1995, p.538-542)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como uma das características mais marcantes das melodias do Sepultura nesse período, nós temos um bridge onde há uma quebra brutal no andamento da música, e há um destaque para a vocalização das palavras, com entonação destacada para a última em cada frase: "I see the world, old / "I see the world, dead". Esse recurso aumenta a dramaticidade do tema, e coloca o ouvinte em contato direto com a psique do eu poético, e seu desespero diante do mundo tomado pelo conflito.

A questão do problema dos refugiados da guerra religiosa se cristaliza em "Victims of war, seeking some salvation / last wish, fatality / I've no land, I'm from nowhere /Ashes to ashes, dust to dust", escancarado quando diz "não tenho terra, sou de lugar nenhum", e logo podemos fazer qualquer paralelo de conflitos que se multiplicaram principalmente entre islâmicos radicais, judeus e minorias (como os curdos) nas mais diversas partes do mundo. E o final da estrofe trás uma referência religiosa, mostrando ainda a crença do eu poético, pois vê de ele não é nada, pois do pó veio e ao pó retornará.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A canção termina com os versos "Face the enemy /Manic thoughts /Religious intervention /Problems remain", em que se percebe que a questão religiosa tem aflorado uma série de conflitos que não se resolvem, principalmente no dito "Terceiro Mundo", onde a violência e a intolerância explodem de maneira extrema, que foram ocultadas pela imposição da força das potências durante o período da Guerra Fria (HOBSBAWN, 1995, p. 421-446). A frase "problemas continuam" é a conclusão perfeita

A música tem sua introdução, com um barulho estranho e tambores, que passam a sensação de alucinações. As guitarras,a bateria e o baixo entram todos numa avalanche sonora, num ritmo frenético, com a predominância dos riffs rápidos e secos junto com o som das batidas rápidas da caixa da bateria. A vocalização gutural arremata o clima raivoso da música. Há uma rápida quebra no andamento para o bridge, mas a música retorna ao seu andamento até o final.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como nota importante, a ideia reforçada pelo vídeo clipe da canção, que mostra um Jesus crucificado usando uma máscara contra ataques de bombas de gás.

Para finalizar esta análise, o última frase da canção resume, define e projeta uma situação acerca das guerras religiosas: os problemas contiuam.

Referências:

ARIÓSTEGUI, Júlio. A pesquisa histórica: teoria e método. Bauru(SP): Edusc,2006.

CHRISTIE, Ian. Heavy Metal: a história completa. São Paulo: Editora Arx,2010.

HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos: O Breve Século XX (1914-1991). São Paulo; Companhia das Letras, 1995
JANOTTI JÚNIOR, Jeder. Heavy Metal com Dendê: rock pesado e mídia em tempos de globalização. Rio de Janeiro: E-papers, 2004

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

NAPOLITANO, Marcos. A História depois do papel. In PINSKY, Carla Bassanezi (org.) Fontes Históricas. 2ª Edição, São Paulo: Contexto, 2010.
______. História e Música: História cultural da música popular. 3ª Ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2005.

http://www.songfacts.com/detail.php?id=20008

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp