Heavy Metal: suicidas, depressivos, fazem sexo sem proteção

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme Carvalho, Fonte: The Age, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota do editor: esta matéria, publicada originalmente no The Age em 2008, já havia sido citada aqui no Whiplash em um pequeno resumo, que pode ser visto no link abaixo.
4697 acessos"Fãs de Metal têm tendência a roubar e cometer suicídio"

Os médicos deveriam perguntar a seus pacientes adolescentes que tipo de música eles preferem para determinar se possuem risco de desenvolver doenças mentais ou cometer suicídio, dizem pesquisadores.

Um estudo, publicado na revista Australasian Psychiatry, relatou que adolescentes que ouvem pop são mais suscetíveis a terem problemas com a sexualidade; aqueles que escutam rap ou heavy metal podem ter comportamentos como sexo sem proteção e direção sob efeito de álcool; e os que preferem jazz geralmente são solitários e desajustados.

As descobertas despertaram um chamado para que médicos incluam os gostos musicais como diagnóstico indicador em avaliações de saúde mental.

A autora do estúdo, Felicity Baker, afirmou: “Não existem evidências que sugiram que o tipo de música que você ouve vai fazer você cometer suicídio, mas aqueles que são vulneráveis e possuem risco de cometer suicídio podem estar ouvindo certos tipos de música.”

Ela afirmou que um estudo australiano com estudantes de 14 e 15 anos mostrou associações significantes entre o heavy metal e tendências suicidas, depressão, delinquência e drogas.

Um estudo americano também mostrou que jovens adultos que ouvem heavy metal regularmente têm mais pensamentos a respeito de suicídio e maiores níveis de depressão que seus amigos.

Danos a si próprio e tentativas de suicídio também foram associados a adolescentes que ouvem trance, techno, heavy metal e música medieval e gótica, enquanto os que participam de festas dance são muito mais propensos a usar drogas.

Alguns gêneros de rap, como o francês, foram ligados a comportamentos de desvio, como roubo, violência e uso de drogas. Adolescentes que ouvem hip hop são geralmente menos problemáticos, diz a Dra. Baker. “Mas é importante notar que a música não causa estes comportamentos.”

“É mais uma relação de que adolescentes que podem ter uma doença mental ou estão envolvidos nestes comportamentos antissociais serem inclinados a certos tipos de música.”

Michael Bowden, psiquiatra de crianças e chefe dos programas médicos no NSW Institute of Psychiatry, disse que a maioria dos médicos já questionou seus pacientes adolescentes sobre suas influências, sejam elas os amigos, a internet ou a música.

“Ao longo dos anos houve uma preocupação sobre algumas músicas com temas ligados a suicídio, e sempre que uma pessoa famosa, como Kurt Cobain, se mata, vemos o efeito de cópias entre adolescentes”, afirma.

“Mas às vezes os gostos musicais de um adolescente não revelam nada. A chave para entender um adolescente é tratá-lo com respeito, ouvindo o que ele tem a dizer, ao invés de estereotipá-lo de acordo com o típico de música que ele ouve.”

O que os estudos dizem sobre o que você ouve:

POP: conformistas, responsáveis em excesso, conscientes, têm problemas com a sexualidade ou aceitação.

HEAVY METAL: níveis altos de pensamentos sobre suicídio, depressão, uso de drogas, automutilação, pequenos roubos, sexo sem proteção.

DANCE: níveis altos de uso de drogas, apesar de virem de meios sociais mais abastados.f

JAZZ/RHYTHM & BLUES: introvertidos, dificuldade de se ajustar à sociedade, solitários.

RAP: níveis altos de roubo, violência, raiva, envolvimento com gangues, uso de drogas e preconceito com mulheres.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de fevereiro de 2011

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades

Rob HalfordRob Halford
"Não creio que um heterossexual possa fazer o que faço!"

A morte das grandes bandasA morte das grandes bandas
Vá a todo show grande que puder

MotorheadMotorhead
Escolhido o nome de banda mais legal pela Spin

5000 acessosFotos de Infância: Bon Scott, do AC/DC5000 acessosSlash: uso excessivo de drogas chocou David Bowie5000 acessosÁlbuns: Mike Portnoy revela os seus 10 favoritos5000 acessosGlenn Danzig: "apanhei de propósito", diz sobre vídeo5000 acessosAerosmith: tocante homenagem a Chris Cornell com "Dream On"5000 acessosGuns N' Roses: Axl Rose se aposentará após turnê de reunião?

Sobre Guilherme Carvalho

Gaúcho de Santiago, é redator em uma agência de propaganda de Florianópolis. Começou escutando o pai dedilhar Tom Jobim, Vinícius e Toquinho no violão, mas só teve um contato mais sério com o instrumento aos 18 anos. Hoje é um apaixonado por solos, guitarras e violões. Seu estilo preferido é o rock, mas escuta quase todo tipo de música, de Beatles a Arctic Monkeys, passando por Oasis, Iron Maiden, Wolfmother, Dream Theater, John Mayer, Maná, Scorpions, Gotan Project, Silverchair, Green Day, Guns 'N Roses, Jack Johnson, Jamiroquai, Kiss, Lenny Kravitz, Foo Fighters, Metallica e, é claro, guitar heroes, música nativista e bandas gaúchas.

Mais informações sobre Guilherme Carvalho

Mais matérias de Guilherme Carvalho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online