Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemGene Simmons compartilha tweet com meme da ex-presidente Dilma Rousseff

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi


Stamp

Deep Memories: CD de estreia que já nasceu destinado à ser clássico do Doom Metal

Resenha - Rebuilding The Future - Deep Memories

Por André Nasser
Em 07/03/21

Nota: 10

Impacto. Esta é uma boa palavra para definir o que o álbum de estreia do Deep Memories causou em mim. Sem dúvida, tem sido uma das bandas que mais agradaram meus ouvidos nestes últimos tempos. Fui surpreendido com uma qualidade técnica acima da média e pelas excelentes letras. Não somente isto, mas também pelos referenciais sonoros que contemplam o Doom, o Death Metal, o Ghotic e o Metal Progressivo. Quando me dei por conta de estar diante de uma One-Man-Band (Banda de um Único Homem), a admiração e ‘espanto’ só aumentaram.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com toda a certeza, os desafios para uma banda underground no Brasil são consideráveis. Nosso país não é muito conhecido por valorizar o exercício da arte. Se levarmos em conta a complexidade de todos os aspectos que envolvem o trabalho de um grupo musical no formato tradicional, o que poderíamos dizer de uma One-Man-Band então? Ouvir "Rebuilding The Future" despertou reminiscências, lembranças distantes. Recordo-me que, aos 15 anos, usei uma fita K7 para gravar linhas de guitarra e vocais em um esquema realmente tosco. Com uma técnica bastante limitada no instrumento, eu buscava externar minhas influências de Paradise Lost, Type O Negative, Moonspell e Tiamat. Para desespero de qualquer produtor musical de plantão, eu ainda ‘costurava’ o contrabaixo da maneira mais primitiva que era possível. Este embrião de uma possível One-Man-Band seria chamado de Godmass in Fall, mas, na época, não evoluiu a contento. Este fato fez com que a audição deste álbum evocasse uma baita nostalgia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Douglas Martins foi generoso comigo. Fiquei duplamente honrado pelo recebimento de duas versões em CD de "Rebuilding The Future"; uma nacional e a outra japonesa. Produção de extremo bom-gosto, impecável. A Heavy Metal Rock e a Misanthropic Records lançaram o álbum no Brasil, enquanto a Invasion of Solitude Records, propôs o lançamento no Japão. Ainda houve mais um lançamento, dessa pela GS Productions, na Rússia. Não sendo o bastante, o disco ainda ganhou versão em vinil, lançado pela Neves Records.

As cinco primeiras faixas de "Rebuilding The Future" são conceituais e discorrem sobre o mesmo tema. É como se fosse uma história dividida em cinco capítulos onde é retratado o final da vida de uma pessoa que, ao morrer, percebe que ainda permanece consciente. Neste bloco, é um desafio você conseguir destacar uma música em específico. As cinco faixas são um verdadeiro deleite musical. Percebemos um primor na confecção dos arranjos e máxima competência na execução.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A faixa de abertura, "When the Time for My Last Breath Comes", possui uma inteligência melódica ímpar. Doom Metal 'classudo' com influências de Rotting Christ, especialmente do disco "Triarchy of the Lost Lovers", lançado em 1996. Quando os vocais iniciam com "I'm living my last long days...", é impressionante observar a dimensão da fúria entoada por Douglas. "Suffocating Grayish Darkness" possui um perfeito equilíbrio entre vocais rasgados e limpos. Em um primeiro momento, quando ouvimos "There Is No End", o riff dá a sensação de estarmos ouvindo alguma faixa de "Draconian Times" do Paradise Lost. A estrutura da música, inicialmente, lembra a atmosfera envolvente que o PL costuma criar quando os solos dão fundo aos vocais de Nick Holmes. Algo de Cradle of Filth, em seus primeiros álbuns, é percebido nesta audição. "Between Two Dimensions" começa com um belo dedilhado, seguido de um dos solos mais bonitos que já ouvi em bandas do gênero. Destaco o belo trabalho de baixo na segunda metade da música. "Looking at The Black Mirror", melodicamente, soa como uma perfeita continuação de "Between Two Dimensions" e traz consigo um solo magnético, carregado de sentimento. Na mosca.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"The Bitter Taste of Illusion" e "Explicit way to relieve Pain" falam sobre os momentos difíceis que o músico experenciou durante sua jornada de vida; lamentos, crises e dilemas da existência. O álbum, como um todo, além das influências acima citadas, parece inspirado em outras obras clássicas dos anos 90 como "Dance of December Souls" do Katatonia e "The Gallery" do Dark Tranquillity. E, me parece que as levadas de bateria, tão artesanalmente confeccionadas, também ‘bebem da fonte’ destas bandas. "Erased Directed Mindset" fecha o álbum com um instrumental atmosférico que parece refletir esperança em meio às profundas memórias do passado - como o próprio nome da banda já diz- onde nostalgia e melancolia se mesclam. É uma espécie de hipnose meditativa, não no sentido namastê, mas sim capaz de dissolver jugos do passado, ressignificar a consciência e impulsionar a cocriação de um novo futuro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Que o segundo registro de estúdio do Deep Memories, aguardado para 2021, seja tão transcendente quanto o debut álbum. Se for superior, creio que não surpreenderá sua base de fãs, pois, a sabedoria nos ensina que nunca devemos limitar o alcance de um gênio.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp