RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Bloodbath: Muito mais que um banho de sangue

Resenha - Nightmares Made Flesh - Bloodbath

Por Alexandre Campos Capitão
Postado em 14 de dezembro de 2020

O Bloodbath é um supergrupo sueco de death metal. O currículo dos seus membros e de ex-membros, enverga varal. Formado em 1998 pelos amigos Mikael Åkerfeldt (Opeth) nos vocais, Anders "Blakkheim" Nyström (Katatonia, Diabolical Masquerade) na guitarra, Jonas Renkse (Katatonia, October Tide) no baixo, e Dan Swanö (Edge of Sanity, Nightingale, etc.) na bateria.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

No seu site oficial, eles descrevem de onde seu estilo provém "um tributo ao death metal que teve destaque no final dos anos 80". Depois de um EP e um full, Åkerfeldt deixa Bloodbath para ter mais tempo com o Opeth. Para substituí-lo, a banda trouxe Peter Tägtgren (Hypocrisy). Swanö muda da bateria para a guitarra. Martin Axenrot (Witchery, Satanic Slaughter, Opeth) ficou com seu lugar e agora a banda estava maior e mais séria, não era mais um projeto secundário. Com essa formação gravam Nightmares Made Flesh, lançado na Europa em setembro de 2004.

O segundo álbum do Bloodbath está de volta ao catálogo no Brasil, lançado de maneira grandiosa pelo selo Extreme Sound, numa edição com slipcase e layout exclusivo. Um item fundamental na sua coleção.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cancer Of The Soul inaugura o álbum e já dá aquele tesão de ouvir um deathão old school bem feito. Algumas fontes dizem que o nome Bloodbath foi tirado de um disco da banda Cancer. E o título dessa pode ser referência à banda que os influenciou.

Brave New Hell tem um riff empolgante, que logo dá lugar à velocidade. Realmente uma canção brava. Tem um grande refrão, que você sai cantando na primeira audição, embalado num arranjo primoroso.

Soul Evicesration te põe pra bangear nos primeiros segundos. Intercalando momentos rápidos com momentos mais cadenciados, é uma faixa empolgante. Os timbres de guitarra são espetaculares.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Uma frase simples de guitarra conduz Outnumbering The Day. Traduzindo o titulo de forma simples, "superando o dia", fala sobre dar a volta por cima quando você tem um dia de merda. Não sei você, mas acontece muito por aqui. E o Bloodbath se superou.

Feeding The Undead é uma das faixas que faz referência a ilustração da capa. Eu sugiro que ouça no fone de ouvido. O trabalho de estúdio foi muito rico, camadas de guitarras, vocais sobrepostos, ruídos. Alimenta os mortos-vivos, e ainda sobra pra alimentar os vivos e também os mortos.

Eaten é daquelas faixas que chegam chegando. O vocal já entra com as guitarras, em introdução. Tem uma pegada stoner, e um bumbo que não pára de socar sua cara. O trabalho de guitarra merece destaque.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O couro come do inicio ao fim de Bastard Son Of God. Um título desses já vale a faixa, mas musicalmente é fudida.

Os caras realmente estavam inspirados. Imagine uma faixa chamada O Ano da Raça de Cadáveres. Estariam prevendo 2020? Não sei, mas a Year Of The Cadaver Race merece ser ouvida, isso é certo.

The Ascension sobe rapidamente para o posto de minha faixa preferida. Outro exemplo de que o Bloodbath faz um trabalho complexo no estúdio. O talento e experiência dos músicos transparece em muitos detalhes e nos arranjos.

Draped Of Disease tem partes rápidas, e outras cadenciadas. É empolgante, com uma dinâmica muito trabalhada.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Stillborn Saviour é daquelas canções que se usa para abrir shows. A passagem stoner antes do seu encerramento é fantástica.

Blood Vortex vem para provar que não só de velocidade vive o death metal. Ela fecha o álbum de forma grandiosa, mostrando toda a complexidade do trabalho dessa banda que é uma seleção de craques.

Nightmares Made Flesh é um grande álbum. Altamente complexo em termos de produção e arranjo, rico em detalhes. Camadas e camadas de guitarras, teclados, ruídos, que junto ao talento desse time de músicos experientes, sem que se perca o fio condutor do death old school, fazem dele um cd imperdível.

[an error occurred while processing this directive]

O Bloodbath é muito mais que um banho de sangue. É um banho de talento a serviço do death metal.


Outras resenhas de Nightmares Made Flesh - Bloodbath

Resenha - Nightmares Made Flesh - Bloodbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Bloodbath: ouça "Eaten" em versão Disney

Bravewords: os melhores de 2014 de acordo com o site

Metal Sueco: em vídeo, canal elege bandas mais importantes


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal