Matérias Mais Lidas

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Rock in Rio: há 30 anos, Axl Rose exigia VJ desconhecida da MTV para entrevistá-loRock in Rio
Há 30 anos, Axl Rose exigia VJ desconhecida da MTV para entrevistá-lo

Iced Earth: Fãs que apoiaram vaquinha de Schaffer querem dinheiro de voltaIced Earth
Fãs que apoiaram vaquinha de Schaffer querem dinheiro de volta

Dream Theater: Show de comeração de 25 anos do Images & Words será transmitidoDream Theater
Show de comeração de 25 anos do Images & Words será transmitido

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Metallica: Dave Lombardo diz que tocar com o Metallica ao vivo foi históricoMetallica
Dave Lombardo diz que tocar com o Metallica ao vivo foi histórico

Iced Earth: fotos mostram Jon Schaffer segurando spray de urso no CapitólioIced Earth
Fotos mostram Jon Schaffer segurando spray de urso no Capitólio

Robert Fripp: novo cover de Billy Idol, agora com esposa vestida de cheerleaderRobert Fripp
Novo cover de Billy Idol, agora com esposa vestida de cheerleader

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

Épicas: 10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)Épicas
10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)

Inesquecíveis: 50 grandes sucessos do rock e do metal que nunca saem de modaInesquecíveis
50 grandes sucessos do rock e do metal que nunca saem de moda


Matérias Recomendadas

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

Metal Sucks: Top 25 vocalistas do metal modernoMetal Sucks
Top 25 vocalistas do metal moderno

Metallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

O Surto: Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in RioO Surto
"Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in Rio"

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Stamp

Bloodbath: Muito mais que um banho de sangue

Resenha - Nightmares Made Flesh - Bloodbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre Campos Capitão
Enviar Correções  

O Bloodbath é um supergrupo sueco de death metal. O currículo dos seus membros e de ex-membros, enverga varal. Formado em 1998 pelos amigos Mikael Åkerfeldt (Opeth) nos vocais, Anders "Blakkheim" Nyström (Katatonia, Diabolical Masquerade) na guitarra, Jonas Renkse (Katatonia, October Tide) no baixo, e Dan Swanö (Edge of Sanity, Nightingale, etc.) na bateria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No seu site oficial, eles descrevem de onde seu estilo provém "um tributo ao death metal que teve destaque no final dos anos 80". Depois de um EP e um full, Åkerfeldt deixa Bloodbath para ter mais tempo com o Opeth. Para substituí-lo, a banda trouxe Peter Tägtgren (Hypocrisy). Swanö muda da bateria para a guitarra. Martin Axenrot (Witchery, Satanic Slaughter, Opeth) ficou com seu lugar e agora a banda estava maior e mais séria, não era mais um projeto secundário. Com essa formação gravam Nightmares Made Flesh, lançado na Europa em setembro de 2004.

O segundo álbum do Bloodbath está de volta ao catálogo no Brasil, lançado de maneira grandiosa pelo selo Extreme Sound, numa edição com slipcase e layout exclusivo. Um item fundamental na sua coleção.

Cancer Of The Soul inaugura o álbum e já dá aquele tesão de ouvir um deathão old school bem feito. Algumas fontes dizem que o nome Bloodbath foi tirado de um disco da banda Cancer. E o título dessa pode ser referência à banda que os influenciou.

Brave New Hell tem um riff empolgante, que logo dá lugar à velocidade. Realmente uma canção brava. Tem um grande refrão, que você sai cantando na primeira audição, embalado num arranjo primoroso.

Soul Evicesration te põe pra bangear nos primeiros segundos. Intercalando momentos rápidos com momentos mais cadenciados, é uma faixa empolgante. Os timbres de guitarra são espetaculares.

Uma frase simples de guitarra conduz Outnumbering The Day. Traduzindo o titulo de forma simples, "superando o dia", fala sobre dar a volta por cima quando você tem um dia de merda. Não sei você, mas acontece muito por aqui. E o Bloodbath se superou.

Feeding The Undead é uma das faixas que faz referência a ilustração da capa. Eu sugiro que ouça no fone de ouvido. O trabalho de estúdio foi muito rico, camadas de guitarras, vocais sobrepostos, ruídos. Alimenta os mortos-vivos, e ainda sobra pra alimentar os vivos e também os mortos.

Eaten é daquelas faixas que chegam chegando. O vocal já entra com as guitarras, em introdução. Tem uma pegada stoner, e um bumbo que não pára de socar sua cara. O trabalho de guitarra merece destaque.

O couro come do inicio ao fim de Bastard Son Of God. Um título desses já vale a faixa, mas musicalmente é fudida.

Os caras realmente estavam inspirados. Imagine uma faixa chamada O Ano da Raça de Cadáveres. Estariam prevendo 2020? Não sei, mas a Year Of The Cadaver Race merece ser ouvida, isso é certo.

The Ascension sobe rapidamente para o posto de minha faixa preferida. Outro exemplo de que o Bloodbath faz um trabalho complexo no estúdio. O talento e experiência dos músicos transparece em muitos detalhes e nos arranjos.

Draped Of Disease tem partes rápidas, e outras cadenciadas. É empolgante, com uma dinâmica muito trabalhada.

Stillborn Saviour é daquelas canções que se usa para abrir shows. A passagem stoner antes do seu encerramento é fantástica.

Blood Vortex vem para provar que não só de velocidade vive o death metal. Ela fecha o álbum de forma grandiosa, mostrando toda a complexidade do trabalho dessa banda que é uma seleção de craques.

Nightmares Made Flesh é um grande álbum. Altamente complexo em termos de produção e arranjo, rico em detalhes. Camadas e camadas de guitarras, teclados, ruídos, que junto ao talento desse time de músicos experientes, sem que se perca o fio condutor do death old school, fazem dele um cd imperdível.

O Bloodbath é muito mais que um banho de sangue. É um banho de talento a serviço do death metal.


Outras resenhas de Nightmares Made Flesh - Bloodbath

Resenha - Nightmares Made Flesh - Bloodbath


Tunecore
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bloodbath: o EP de estreia com uma constelação de músicos


Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL


Guns N' Roses: os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnRGuns N' Roses
Os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnR

Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaMilhões
Os eventos com maior público da história da música


Sobre Alexandre Campos Capitão

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.