RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados


Stamp

3000AD: álbum The Void é ótimo presente para os fãs de Thrash Metal

Resenha - Void - 3000AD

Por José Sinésio Rodrigues
Postado em 30 de abril de 2020

Nota: 8

Junte peso, competência, muita raiva e agressividade e você terá uma ideia do que é o álbum "The Void", do trio neozelandês 3000AD: uma bordoada musical de alto nível. A banda é proveniente de Christchurch, a maior cidade da Ilha do Sul da Nova Zelândia, e seu som é definido como sendo Thrash Metal Progressivo. Contudo, há pouquíssimos elementos de Progressivo, aqui; em 90% do tempo, o que se ouve é aquele metalzão pesado, rápido, com vocal agressivo e bateria sendo espancada sem dó. Resumindo: um som que remete ao Thrash Metal feito no início da década de 1990 por bandas como Slayer, Testament, Sodom e Exodus.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 2018, o 3000AD lançou seu trabalho de estreia, um single. De lá para cá, lançou outros dois singles, em 2020, e agora aparece com o álbum "The Void", contendo oito faixas ao longo de mais de 40 minutos de duração. O álbum começa com a faixa "3000AD" (sim, esta música tem o mesmo nome da banda), música esta que lança sobre os ouvintes muito peso, já nos primeiros instantes. Ao longo da música, a mesma apresenta umas variações interessantes no que diz respeito ao vocal. Mas este é agressivo e direto quase em tempo integral. A faixa seguinte, "Cells", mantém o nível, com o mesmo instrumental agressivo, a mesma bateria maravilhosamente atacada. A faixa a seguir, "The Network", vem mais cadenciada, a primeira música do álbum a mostrar algo de Progressivo. Mas a sonzeira com ambos os pés afundados no Thrash Metal não tarda a aparecer e, durante o resto do tempo, é só peso e vocalzão agressivo. Ainda assim, a música mostra umas variações muito bem-vindas. "Who´s Watching?" é excelente, começando com uns dedilhados, por alguns segundos, mas desembocando na sonzeira pesada, agressiva e cheia de velocidade, segundos depois. Aqui sou obrigado a dizer: eu sou fã de Exodus e Overkill e os caras do 3000AD também são, certamente, pois esta faixa poderia ser de uma destas bandas e ninguém notaria a diferença. "These Fires" segue a mesma linha, com peso mesclado à agressividade. "The World We Knew" é puro Thrash Metal oitentista, do começo ao fim, mas com uns toques de década de 90. Remete a Exodus na época do álbum "Tempo Of The Damned" ou alguns momentos de Slayer. Excelente! A faixa "Journeys" avança alguns segundos por uma atmosfera meio Doom, mas – não se engane! – o peso do Thrash Metal sólido volta com tudo. O álbum encerra com "Born Under A Black Sun", uma faixa instrumental que se extende por mais de sete minutos. E digo com firmeza: a banda tomou cuidado, aqui, para que a música não resultasse em uma coisa enjoativa, algo perigosamente possível em composições sem vocal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Resumo do álbum: trata-se de um trabalho recheado com elementos favoráveis, com vocal e instrumental se complementando, ainda que em alguns momentos a preocupação em soar muito pesado e rápido faz com que os músicos se esqueçam de outros elementos que seriam, também, muito bem-vindos. Álbum recomendável, sobretudo para os fãs daquele Thrash Metal pesado e sem firulas.

Confira a música "The World We Know", uma das faixas do álbum "The Void": https://www.youtube.com/watch?v=LQgBbeZGvrI

Faixas em "The Void": 8

Atuais integrantes do 3000AD:
* Scott Austin: Baixo e vocal;
* Sam Pryor: Guitarra e vocal;
* Helmore Bones: Bateria e vocal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre José Sinésio Rodrigues

José Sinésio Rodrigues mora em Londrina, no Paraná. É professor de Ciências, agente penitenciário, aluno de Geografia e coordenador de Astronáutica de um grupo de Astronomia londrinense. É também palestrante, escritor, quadrinista, contista, ex-radialista e ex-colunista de jornal. Seu contato com o Rock aconteceu com o Faith No More e Pearl Jam, no início da década de 1990. Suas bandas favoritas são: My Dying Bride, Monster Magnet, Dominus Praelii, Acrassicauda, Slayer, Fejd, Arkona e Anabioz.
Mais matérias de José Sinésio Rodrigues.