Matérias Mais Lidas

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemJames LaBrie fala sobre a possibilidade de trabalhar novamente com Mike Portnoy

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemDez músicas muito legais do Iron Maiden que não são cantadas por Bruce Dickinson

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemQuando Pete Townshend faltou a um show do The Who pra ir assistir o Pink Floyd

imagemLes Claypool, do Primus, explica por que não se tornou baixista do Metallica

imagemMetallica divulga vídeo de "Whiskey In The Jar" ao vivo em Curitiba


PRB

Pearl Jam: banda ensaia breve ousadia em Gigaton, mas não surpreende

Resenha - Gigaton - Pearl Jam

Por Jorge Felipe Coelho
Fonte: Rádio Catedral do Rock
Em 02/04/20

Entre as veias punk do Nirvana e metal do Soundgarden, a verdade é que o grunge de Seattle é liderado há muitos anos pela inclinação mais puxada ao rock clássico do Pearl Jam. Desde 2013 sem um álbum de inéditas, no último dia 27/03 o grupo colocou no mercado Gigaton (Universal Music). O disco traz 12 faixas, ao longo de 57 minutos, que foram produzidas pela própria banda em parceria com Josh Evans.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Substituto do velho Brendan O’Brien e escolhido para levar o som do grupo a uma nova direção, Evans integrou a equipe de estúdio ao longo das gravações do álbum Pearl Jam ("Abacate"), de 2006, e trabalhou como engenheiro de som de Chris Cornell durante a turnê do Temple of the Dog (grupo do qual participam todos os integrantes do Pearl Jam) em 2016.

Infelizmente, nem mesmo a torcida dos fãs e a temática ambiental que permeia todo o novo trabalho fez com que a ótima raridade ao vivo "Of the Earth" entrasse no tracklist do álbum. Além de carregar no nome um tipo de unidade que mede o degelo das calotas polares, a capa do disco faz alusão ao aquecimento global e belas imagens de florestas, oceanos e geleiras aparecem nos clipes de todas as canções do álbum lançadas no canal oficial do Pearl Jam no youtube. Segue o caminho para a playlist de clipes completa.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Gigaton abre com o ótimo rock "Who Ever Said". Aqui, arranjos de teclado, fortes viradas de bateria de Matt Cameron e uma ponte acompanhada por uma melancólica linha de baixo de Jeff Ament são os destaques. Na sequência, "Superblood Wolfmoon" e "Dance of the Clairvoyants", que já eram conhecidas do público como os primeiros singles do álbum. Com versos bem rápidos cantados por Eddie Vedder, a primeira acelera ainda mais o ritmo no rock. Mike McCready faz um belo solo de guitarra, mas ainda falta algo na canção para ser um grande destaque.

E justamente o que causou estranheza pelo ineditismo, acabou se tornando o ponto de maior relevância do disco. Com versos que falam sobre um futuro que não existe quando se olha para o passado, "Dance of the Clairvoyants", a primeira faixa disponibilizada ao público em janeiro, mostra o Pearl Jam saindo da zona de conforto e buscando uma ótima sonoridade dançante ao estilo New Wave anos 80. Até o guitarrista Stone Gossard se reinventou e tocou baixo na canção. Seria o dedo de Josh Evans mostrando novos rumos ousados ao grupo? Bom, o que vem na faixa seguinte são influências antigas da banda e principalmente de Vedder, "Quick Escape" (terceiro e mais recente single do álbum) lembra The Who em seu groove de baixo e Grateful Dead na psicodelia dos coros vocais. E assim termina a primeira das três partes do disco, até aqui com potencial interessante.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A sequência intermediária de faixas começa com "Alright", a canção mais serena e inofensiva do álbum. Amantes de "Strangest Tribe", raro lado B da banda, vão se identificar com a atmosfera da canção. Democrata de carteirinha e amigo de Barack Obama, Vedder usa a melhor balada do disco (onde todos os músicos aparecem) para disparar seu habitual ataque contra o líder republicano Donald Trump. "Seven O’ Clock" possui toques "dylanescos" no início e tem tudo para ser o novo sing-along nos shows.

Uma levada rock de timbre cru e melodia simples conduz "Never Destination", dando a sensação de já ter ouvido algo parecido nos trabalhos mais recentes. Composta pelo baterista Matt Cameron e tendo participação vocal de Meagan Grandall (banda Lemolo), a agitada "Take the Long Way" não traz inovação, mas finaliza como a melhor faixa na segunda leva de quatro canções. Uma empolgante melodia somada a um forte riff pontuado por efeitos de pedaleira no pré refrão fazem dessa uma ótima música para se ouvir na estrada, com o pé no acelerador. Cumprirá o papel de agitar o público ao vivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mostrando um certo cansaço, a parte final de Gigaton baixa totalmente o ritmo fazendo o álbum perder o punch inicial. "Buckle Up" procura ser uma balada alegre, mas sem o charme e a solidez de outras coisas já feitas pela banda. "Comes Than Goes" e "Retrograde" são canções que parecem pinçadas de Into the Wild. Com estruturas mais acústicas, têm a cara do trabalho solo de Vedder. O destaque do último terço de canções é "River Cross", que encerra o disco com tom sacro e sussurros em clima espiritual, mas não deslumbra.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Dessa vez o destaque foi a cozinha, Matt Cameron (bateria) e Jeff Ament (baixo) fizeram bom trabalho aparecendo bastante nas composições, mas sem virtuosismos. Aliás, o álbum como um todo é bem direto, sem firulas. Após 7 anos de espera, o 11º álbum da banda trouxe algumas boas canções, mas não surpreendeu. O Pearl Jam, hoje tiozões do grunge, ensaiou uma leve ousadia inicial, mas se manteve em uma zona que seguiu a mesma fórmula e dinâmica musical dos últimos dois trabalhos Lightning Bolt (2013) e Backpacer (2009).

Leia mais no Boletim do JF, disponível no link abaixo.

https://radiocatedraldorock.com/?p=313

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Gigaton - Pearl Jam

imagemResenha - Gigaton - Pearl Jam

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Pearl Jam: nome de álbum veio de camisa de jogador de basquete?

Pearl Jam: Vedder explica como compôs o riff da música "Rearviewmirror"



Sobre Jorge Felipe Coelho

Quando criança, lia as letras dos encartes e ouvia discos de vinil na saleta de casa antes e depois de ir pra escola. Aos 9 anos de idade já tinha ido ao seu primeiro show guitarreiro. Hoje, administrador de formação, colaborou com a Rádio Cult FM, faz o Boletim do JF na Rádio Catedral do Rock e o Podcast Faixa a Faixa do Rock, continuando a ouvir, falar e escrever sobre a sua paixão: o rock n' roll.

Mais matérias de Jorge Felipe Coelho.