Iron Maiden: Somewhere In Time é futurista, inovador e marcante

Resenha - Somewhere In Time - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

Na metade da década de 1980, tudo ia muito bem com o Iron Maiden. Além da formação estabilizada, o lançamento de ótimos discos e shows sempre lotados colocaram a Donzela no topo do heavy metal. Para manter a hegemonia, em setembro de 1986 a banda lançou mais um trabalho inesquecível, "Somewhere In Time".

Total Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da históriaGuns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O sucessor do maravilhoso "Powerslave" difere de todos os lançamentos anteriores. É o primeiro álbum do Maiden a contar com sintetizadores, o que tornou a sonoridade polida e um pouco menos pesada. O conteúdo lírico fala sobre a relação do ser humano com o tempo, e como bem indica a maravilhosa capa, o trabalho é um tanto quanto futurista.

Ao se falar do disco, a primeira música que vem na cabeça é a maravilhosa "Wasted Years", que de fato, merece todos os elogios possíveis, já que é uma das músicas mais emblemáticas já escritas pela banda. De longe, figura entre os maiores sucessos do Maiden.

É claro que um álbum tão venerado quanto esse não se resume em uma única música. Outros grandes temas marcaram época e são gigantes até hoje: a linda e viajante faixa de abertura "Caught Somewhere In Time" é empolgante, além de ter um riff inicial que mostra em poucos segundos as mudanças propostas pela banda e um refrão que gruda na cabeça já na primeira audição.

Também merecem destaque "Stranger in a Strange Land", "Sea of Madness" e as épicas "Heaven Can Wait" e "Alexander The Great", todas grandes músicas, que mantém o alto nível de composição. Há espaço até mesmo para uma composição de Dave Murray, "Deja-Vu" (escrita por ele e Steve Harris).

A grande mudança no som da banda já seria digna de elogios apenas pelo fato de mudar, mas além disso, as músicas ficaram extremamente bem feitas, mostrando que o Maiden sabe fazer música boa independente do que tentar fazer.

Um álbum genial, atemporal, futurista, inovador e marcante.

Lançamento: Setembro de 1986

Faixas:

"Caught Somewhere In Time"
"Wasted Years"
"Sea Of Madness"
"Heaven Can Wait"
"The Loneliness of the Long Distance Runner"
"Stranger in a Strange Land"
"Deja-Vu"
"Alexander The Great"

Formação:

Bruce Dickinson: vocal
Steve Harris: baixo
Adrian Smith: guitarra
Dave Murray: guitarra
Nicko McBrain: bateria


Outras resenhas de Somewhere In Time - Iron Maiden

Iron Maiden: Somewhere In Time é um álbum injustiçado?Iron Maiden
Somewhere In Time é um álbum injustiçado?

Resenha - Somewhere In Time - Iron Maiden

Iron Maiden: Em algum lugar no tempo - Somewhere in TimeIron Maiden
Em algum lugar no tempo - Somewhere in Time

Iron Maiden: um som mais limpo, porém menos pesado.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Ricardo Confessori: Iron Maiden, aposenta logo!Ricardo Confessori
"Iron Maiden, aposenta logo!"

Iron Maiden: Steve Harris não foi o primeiro baixista?Iron Maiden
Steve Harris não foi o primeiro baixista?


Total Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da históriaTotal Guitar
Os 20 melhores riffs de guitarra da história

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separaçãoGuns N' Roses
A versão de Axl Rose sobre a separação


Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adGoo336