Samael: metal industrial com contornos cinematográficos

Resenha - Hegemony - Samael

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Seis anos após seu último trabalho de estúdio, a banda suíça Samael retornou em 2017 com "Hegemony". O sucessor de "Lux Mundi" também marcou uma mudança na formação do quarteto com a inclusão do baixista e guitarrista Thomas "Drop" Betrisey. O vocalista e guitarrista Michael "Vorph" Locher e o baterista Alexandre "Xytras" Locher completam a banda. Em Hegemony, a segunda guitarra ficou a cargo de Marco "Mak" Rivao, mas ele acabou sendo substituído pelo baixista Pierre "Zorrac" Carroz.

Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroNikki Sixx: "transei com a mulher do Bruce Dickinson"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que temos em "Hegemony" é a sonoridade que sempre marcou a trajetória do Samael. Ou seja: um metal atual, que flerta com o lado mais extremo do estilo e apresenta influências igualitárias tanto do gótico quanto do industrial. A edição nacional, lançada pela Hellion Records, vem com uma faixa bônus: "Storm of Fire".

Se você não está familiarizado com o som do Samael, o que posso dizer é que trata-se de um metal industrial (sem tanta ênfase no industrial, o que pessoalmente me agrada) muito bem executado, que ganha contornos cinematográficos devido a inserções orquestradas bem desenvolvidas. O vocal gutural e o uso frequente de blast beats, que são devidamente intercalados com muitos momentos onde o ritmo é mais convencional, enfatizam o aspecto extremo da sonoridade do quarteto. Já a onipresença de teclados, que em alguns momentos transformam-se em pianos, deixa a música do grupo bastante dramática e é o responsável por trazer para o universo da banda a legião de góticos que sempre acompanhou o Samael.

Como curiosidade, vale mencionar a versão para "Helter Skelter", clássico dos Beatles, que aqui foi vestida com a estética característica do Samael. O resultado é uma releitura inegavelmente curiosa, mas nada muito além disso.

"Hegemony" é mais um bom trabalho deste quarteto suíço, na estrada há mais de 30 anos e com uma sólida discografia. Se você ainda não conhece os caras, está aí uma ótima oportunidade. E se já é fã do Samael, certamente irá gostar bastante deste novo álbum.


Outras resenhas de Hegemony - Samael

Samael: Seis anos de espera se pagam agora...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Samael"


Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroHeavy Metal
Nove ótimas músicas suaves do gênero

Nikki Sixx: transei com a mulher do Bruce DickinsonNikki Sixx
"transei com a mulher do Bruce Dickinson"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336