Nazareth: a alegria de saber que uma banda tão eclética sobrevive

Resenha - Tattooed On My Brain - Nazareth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo G. dos Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Há algumas semanas, comprei o novo álbum do Nazareth - 'Tattooed on my Brain' - no iTunes, quando ainda estava em pré-venda. Pois bem, na manhã desta sexta-feira, dia 12 de outubro de 2018, ele foi oficialmente lançado e a primeira coisa que vejo ao acessar minha caixa de entrada no Gmail é um e-mail com o título "O seu pedido de pré-venda para "Tattooed on My Brain" já está disponível".

Iron Maiden: "se as bandas de metal mandassem no mundo..."Fotos de Infância: Cradle Of Filth

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Minha alegria foi imediata. E enorme. Engoli o café da manhã às pressas e sentei-me em frente ao computador. Já estava dominado pela ansiedade, tão comum em mim ao adquirir novos álbuns do Nazareth desde os tempos de minha pré-adolescência.

Com o coração a mil, pus-me a ouvir o álbum.

Um aviso introdutório: se você espera uma análise técnica, melhor não prosseguir na leitura. Embora eu tenha procurado dar uma ideia da sonoridade do álbum, o que segue é fruto das sensações que vivenciei ao ouvi-lo. Entenda: é uma resenha escrita por alguém que há décadas identifica nas músicas do Nazareth a trilha sonora de sua própria vida. Tende, portanto, a ser uma resenha "logicamente emocional".

Versatilidade. É assim que eu definiria essa banda se tivesse que fazê-lo com uma única palavra. Lembro-me de uma vez em que perguntaram a Dan McCafferty qual seria o estilo do grupo e ele respondeu simplesmente "rock in roll".

Sim, Nazareth para mim é rock em seu mais amplo conceito, o que implica passear - sempre com muito talento - por todas as suas variantes.

Ah, um parêntesis: as menções ao grande Dan terminam aqui. Ele deve lançar um novo álbum solo ainda neste ano e eu terei imenso prazer em escrever uma resenha para ele também. Acredito que será um trabalho maravilhoso. Por ora, entretanto, quero me fixar em 'Tattooed on my Brain'.

O peso do álbum já se faz sentir de cara com 'Never Dance With The Devil'. A bateria de Lee Agnew dá as primeiras notas e então entra em cena a imponente guitarra de Jimmy Murrison. A música imediatamente tomou conta do ambiente ao meu redor e colocou minha cabeça para balançar. Em seguida, é a vez do competentíssimo Carl Sentance mostrar a que veio: UAU! Eu logo imagino um imenso sorriso no semblante de Pete Agnew - o mestre do baixo infestado por ratos roqueiros -, ao acompanhar seus companheiros de banda durante as gravações, realizadas no 'Sub Station Studio' (Dunfermline, Escócia) no começo deste ano. Eis aí um 'hard rock' de primeira. Começo muito animador!

As duas músicas seguintes já haviam sido lançadas como 'singles' pela gravadora Frontiers. A primeira delas é a faixa título - 'Tattooed on my Brain' -, um 'punk rock' moderno, contagiante e bem humorado que bem ilustra a versatilidade a que me referi há alguns parágrafos. Apesar da grande variação no estilo musical, é uma faixa que cativa desde a primeira audição. Além disso, tem grande apelo comercial, com potencial para se tornar um grande sucesso. Como de costume, a banda foi corajosa e não teve medo de inovar. Música para ser ouvida com a mente aberta.

A segunda delas é 'State of Emergency', rockão energético, acelerado, impossível de ouvir parado. O trabalho primoroso de todos os músicos fica evidente nesta faixa. A esta altura, não há como duvidar que Carl Sentance veio para ficar.

É outra banda? Não é mais o velho Nazareth? Talvez. Mas... Ei, é uma ótima banda - vamos curtir!

Enquanto a minha ansiedade para conhecer as outras músicas aumenta, ouço a introdução da adorável 'Rubik's Romance'. O ritmo do álbum desacelera e eu viajo na tocada suave e na agradável sonoridade da música. É muito bela e cativante. Igualmente com potencial para se tornar um sucesso. Vertente 'pop' do álbum.

'Pole to Pole' é a última faixa dentre as três disponibilizadas com antecedência pela Frontiers. Na verdade, a primeira delas a ser disponibilizada, e foi muito bem recebida pela maioria dos fãs. Mais um rockão gostoso de ouvir e que remete um pouco ao som do AC/DC. Refrão forte e vigoroso e muito capricho no trabalho da guitarra. Soa melhor com o volume mais alto, mais alto, mais alto... Mais alto!!

Nova quebra de ritmo - e de estilo. Sinto-me dentro de um faroeste ao ouvir 'Push', que eu classificaria como um 'country rock'. Uma viagem ao interior, embalada por um belo trabalho vocal e instrumental. Constato que não há como enjoar deste álbum, pois a banda faz você empreender uma jornada, junto com ela, por vários estilos musicais. Impossível ter aquela sensação de 'déjà vu'. Isto é Nazareth!

Como um arauto, um acorde anuncia mais uma canção. É a vez de 'The Secret is Out'. Aqui, a bem executada alternância de ritmos ocorre dentro da própria música.

E, por falar em segredo, acho que já contei demais sobre as novas faixas. Adianto que muita coisa boa ainda vem a partir daí, inclusive uma linda balada 'bluesy' cantada por Pete Agnew - a relembrar o início da carreira da banda, com a faixa 'I Had a Dream'.

Vou parar por aqui então, pois não quero estragar a grata surpresa que é descobrir 'Tattooed on my Brain' por si mesmo. Vejo-o como um dos mais consistentes álbuns que a banda lançou nas últimas três décadas. Aliás, diria que é o melhor desde 2XS.

Eu sei, a paixão limita a isenção. Mas, acredite: não é exagero. Todas as músicas de 'Tattooed on my Brain' são autênticas conquistadoras. Cada uma delas é primorosa em seu estilo.

Em tempo: Feliz aniversário, Nazareth! Parabéns pelos 50 anos (por coincidência, a idade deste seu fã). E obrigado pela música, que tem me acompanhado em momentos de dores e prazeres, tristezas e alegrias, ao longo de um 'zilhão' de anos. Nestes tempos sombrios de radicalismos e intolerâncias, há um quê de alívio em meio à imensa alegria de saber que uma banda tão eclética sobrevive.

E em grande estilo!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Nazareth"


Ramones: o dia em que foram vaiados por uma plateia de 50 mil hard rockersRamones
O dia em que foram vaiados por uma plateia de 50 mil hard rockers

André Sikora: A coleção do presidente do fã clube do Nazareth no BrasilAndré Sikora
A coleção do presidente do fã clube do Nazareth no Brasil


Iron Maiden: se as bandas de metal mandassem no mundo...Iron Maiden
"se as bandas de metal mandassem no mundo..."

Fotos de Infância: Cradle Of FilthFotos de Infância
Cradle Of Filth


Sobre Ricardo G. dos Santos

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336