Nazareth: Renovação em novo álbum Tattooed On My Brain

Resenha - Tattooed On My Brain - Nazareth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Molina
Enviar Correções  

A banda Nazareth, que sofreu uma das principais perdas de sua história com a saída do carismático vocalista Dan McCafferty em 2013, demonstra que segue renovada com o novo álbum "Tattooed On My Brain". Vale mencionar que o cantor original foi substituído por muito pouco tempo por Linton Osborne, que não chegou a esquentar a cadeira e, em seguida, deixou o posto para Carl Sentance. Infelizmente Dan deixou a banda devido ao agravamento de sua Doença Obstrutiva Pulmonar Crônica (DOPC), após quase 50 anos no posto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com Carl Sentance, que gravou o álbum "Round 13" no Krokus, a banda entrou em estúdio em 2018 para o novo trabalho. Ao anunciar um segundo vocalista para o lugar de Dan muitos fãs expressaram desconfiança. Várias críticas foram emitidas nas primeiras apresentações, mas não foi o que aconteceu quando a banda soltou o disco novo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lançado internacionalmente pela Frontiers Records, o 24º álbum de estúdio do Nazareth que chegou recentemente ao Brasil exibe o mais autêntico e cru hard rock setentista ao começar pela faixa título e reafirmar o estilo em faixas como "Never Dance with the Devil" e "State of Emergency".

Porém, fãs podem reclamar que o estilo tem pouca semelhança com o desenvolvido pelo Nazareth, desde a década de 1970. Mas isso não pode ser avaliado como um defeito. A banda demonstra renovação com o novo vocalista, que por exibir personalidade até dificulta a comparação com o antecessor Dan McCafferty. Vale mencionar que os discos mais recentes "The Newz" (2008), "Big Dogz" (2011) e "Rock ‘n’ Roll Telephone" (2014) exibem bons momentos, mas pediam renovação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao nos conceder entrevista em Curitiba pouco antes de show da turnê de lançamento do álbum em outubro de 2019, o baixista e fundador do Nazareth, Pete Agnew, falou sobre o trabalho, que na época ainda estava sendo absorvido pelos fãs.

"Tudo valeu a pena e você pode ouvir isso em nosso novo álbum, "Tattooed On My Brain", que é provavelmente um dos melhores álbuns do Nazareth já gravados e, de fato, recebeu as melhores críticas de qualquer álbum em toda a nossa carreira! Então agora sabemos que estamos em posição de ser uma banda com uma história orgulhosa que está gravando e tocando concertos com a emoção de uma nova banda".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agnew também comentou o entrosamento com o novo vocalista.

"O melhor de Carl é que ele é completamente diferente de Dan em sua abordagem de nossas músicas, e isso deu a todo material uma nova vida e tornou-se renovado novamente. Muitas pessoas que buscam preencher a posição de Dan enviaram gravações para ouvirmos onde a maioria era "imitadores de Dan" e definitivamente não queríamos isso. Nós pensamos que, se decidíssemos continuar como uma banda, não seria apenas uma roupa tentando recriar o passado, mas algo comemorando um presente emocionante com vista a um futuro criativo".

publicidade

E ao ouvir "Tattooed On My Brain", as palavras de Pete Agnew se confirmam nas canções.

FONTE: SINNERS BEM PARANA
https://www.bemparana.com.br/blog/sinners/post/nazareth-cons...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Tattooed On My Brain - Nazareth

Nazareth: a alegria de saber que uma banda tão eclética sobrevive




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Nazareth: os heróis de DunfermlineNazareth
Os heróis de Dunfermline

Danilo e suas tattoos: uma história de amor pelo NazarethDanilo e suas tattoos
Uma história de amor pelo Nazareth


Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira


Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336