Matérias Mais Lidas

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemRitchie Blackmore em 1978 sobre o Kiss, Fleetwood Mac, Yardbirds e Led Zeppelin

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1984 é um ano vital para o metal

imagemBob Dylan explica a diferença entre suas composições e as de Paul McCartney

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemCadáveres, sangue e girombas: a história da capa de "Reign In Blood", do Slayer

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemCinco curiosidades sobre "The Sick, The Dying... And The Dead!", do Megadeth

imagemKiss: Tommy Thayer responde se Gene Simmons e Paul Stanley se dão bem

imagemEric Clapton comenta a lenda do pacto com o diabo feito por Robert Johnson

imagemSteve Vai relembra um show "horrível" que ele fez com Frank Zappa

imagemQuantos discos o Guns N' Roses vendeu no Brasil e no mundo? Veja os números

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2


In Flames: Seguindo sua intuição

Resenha - Reroute to Remain - In Flames

Por Vitor Sobreira
Em 01/11/17

Como um dos maiores representantes do Melodic Death Metal, em especial da cena sueca do chamado "Gothemburg Sound", o In Flames surgiu em 1990 e a partir de 1994, com o seu primeiro disco de estúdio ‘Lunar Strain’, começou a espalhar pelo mundo a semente do seu caos sonoro, mesclando o peso e a agressividade do Death Metal, com melodias do Heavy Metal. A banda evoluiu ao longo dos lançamentos, angariou uma legião de fãs e ainda inspirou outras bandas, mas com a chegada dos anos 2000, a banda começaria a dar alguns "sustos" em seu fãs. Ou pelo menos, é o que uma boa parcela deles pensam…

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O sexto trabalho completo ‘Reroute to Remain’ foi lançado pela Nuclear Blast no dia 15 de agosto de 2002, mas embora tenha dado mais um passo evolutivo e se apresentasse adornado pela modernidade, o som não deixou de perder suas principais características – como os potentes vocais de Anders Fridén – mas a partir da interessante arte de capa, nota-se mais uma vez a alteração do seu logo, sendo que desta vez se valeu de uma fonte comum mesmo. Vocais mais limpos e cheios de efeitos também aparecem em determinados momentos, e com destaque – vide as faixas "Dawn of a New Day" e "Metaphor", que são certamente as mais diferentes – bem como aquela leve impressão de que quiseram cortejar o mercado estadunidense. Ainda em tempo, o cuidado redobrado nos refrões, trouxe alguns resultados muito bons e impactantes.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Por estar em alta na época, o New Metal acabou sendo usado para tentar explicar o In Flames daqueles dias – incluindo o fato de que alguns especuladores de plantão, fazerem referência até mesmo ao visual dos músicos (!) – mas penso que a banda seguiu sua intuição, e ponto. Além dos já mencionados vocais, o instrumental, dividido entre as cúmplices guitarras do fundador Jesper Strömblad e de Björn Gelotte e a sessão rítmica e valiosamente precisa de Peter Iwers e Daniel Sevensson, não pode ser criticado, pois não largou mão da qualidade e da técnica em momento algum. A produção também contribuiu para que as ótimas passagens do álbum, soassem límpidas – mesmo nas partes de muito peso – e foi fruto do esforço entre a mixagem de Anders Fridén, do tecladista convidado Örjan Örnkloo e Daniel Bergstrand, também o produtor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O gosto pessoal de cada um deve ser respeitado, mas ver alguém "torcer o nariz" para um trabalho, sem mesmo o ter escutado, é complicado, certo? Então nem adiantará mencionar os destaques… Mas, pra quem conhece pouco da carreira dos suecos (EU!!), e quer dar uma chance a ‘Reroute to Remain’, então ouça a trinca inicial com a faixa título, a curta "System", "Cloud Connected" (que melodias!), "Egonomic" e "Dark Signs", e surpreenda-se com passagens rápidas, melodiosas, modernas, intrincadas, e sobretudo compostas para quem curte música bem feita!

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Formação:
Anders Fridén (vocal);
Jesper Strömblad (guitarra);
Björn Gelotte (guitarra);
Peter Iwers (baixo);
Daniel Svensson (bateria)

Faixas:
01. Reroute to Remain
02. System
03. Drifter
04. Trigger
05. Cloud Connected
06. Transparent
07. Dawn of a New Day
08. Egonomic
09. Minus
10. Dismiss the Cynics
11. Free Fall
12. Dark Signs
13. Metaphor
14. Black & White.


Outras resenhas de Reroute to Remain - In Flames

Resenha - Reroute To Remain - In Flames

Resenha - Reroute To Remain - In Flames

Resenha - Reroute To Remain - In Flames

Resenha - Reroute to Remain - In Flames

Resenha - Reroute to Remain - In Flames

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Peter Iwers diz que não há rivalidade entre o Halo Effect e o In Flames

Veja filmagem profissional de show recente do In Flames realizado na Áustria

In Flames lança vídeo oficial de seu novo single, "State Of Slow Decay"; assista aqui

The Halo Effect não tem intenção de ser "continuação" do In Flames, afirma baixista


Metal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal


Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira.