Bruce Dickinson: O Picasso do Metal

Resenha - Bruce Dickinson - Balls To Picasso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Tarcisio Lucas Hernandes Pereira
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Bruce Dickinson sempre deixou claro em entrevistas e nas mais diversas vezes em que sua opinião foi questionada ser uma mente inquieta e criativa. Além da sua (absurdamente) bem sucedida carreira com o Iron Maiden, o sujeito é empresário, palestrante, escritor...Alguém tão versátil na vida de maneira geral certamente seria versátil também no aspecto musical.

Children Of The Beast: versão ao-vivo de "Empire of the Clouds" com a orquestra SP PopsKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"

E toda a carreira solo de Bruce está aí para provar isso.

"Balls To Picasso" foi o segundo álbum solo do cantor. Lançado em 1994 (estou velho - lembro do lançamento perfeitamente), foi o sucessor do eclético, variado e até certo ponto controverso "Tattooed Millionaire".

Em "Balls to Picasso" vemos um Bruce ainda de certa forma longe do Metal que seria extremamente elogiado nos seus lançamentos posteriores ("Accident of Birth", " The Chemical Wedding" e "Tyranny of Souls"), mas que já representava um passo a mais nessa direção se comparado com o álbum anterior.

O que temos é na verdade um disco híbrido, um hard rock com fortes tendências metálicas ( ou talvez o contrário: um disco de metal com fortes influências de hard rock...), diversificado e surpreendente, certamente fruto do início da parceria do vocalista com o grande guitarrista Roy Z, que o acompanharia por muitos anos.

3 coisas precisam ser ditas de imediato a respeito desse lançamento: Primeiro, de fato muito pouco aqui remete ao que ele fez ou faria com o Maiden (talvez com exceção de uma ou outra guitarra dobrada aqui e ali, e do sucesso "Tears of the Dragon"...mas já chegaremos a isso, aguarde); Segundo, a parceria de Bruce com o ótimo guitarrista Roy Z merece, ate hoje, mais atenção e estudo, tamanha variedade e qualidade das composições.

E por fim, e mais importante que tudo, trata-se de um disco bom. Não, não apenas bom. Excelente.

De todos os lançamentos da carreira solo do músico, creio que aqui se encontra a expressão mais clara de tudo o que Bruce sempre quis buscar enquanto compositor: variedade, peso, melodia e diversificação. E tudo isso impresso com sua personalidade. Ouvimos cada música, e cada uma delas nos faz pensar: "Isso aqui é Bruce Dickinson, com certeza."

Como destaques, podemos colocar " Laughing in the Hiding Bush", "Hell No", com seu refrão poderoso, "Shoot all the Clows", com uma pegada totalmente hard rock e até um Rap lá pelo meio (isso mesmo), "Change of Heart", maravilhosa balada com algumas influências latinas, e a power balada "Tears of the Dragon".

"Tears of the Dragon" merece um parágrafo à parte, uma vez que se trata certamente do maior sucesso comercial de sua discografia solo, a despeito da duração relativamente longa da faixa.

Essa música de fato é aquela que mais se parece com o que o cantor desenvolveria junto ao Iron Maiden, e que em grande parte ditou o teor de seus lançamentos solo posteriores. Verdade seja dita, a despeito da música ter ficado um tanto quanto batida no decorrer dos anos, trata-se realmente de uma canção emblemática, bem escrita e acima de tudo muito bem executada.

Acredito que agora, 23 anos após o lançamento desse álbum, seja uma excelente época para revisitá-lo, longe das incertezas que na época de seu lançamento se afiguravam a respeito do destino da banda e do cantor. O futuro foi escrito, sabemos que a separação se encerrou, Bruce lançou verdadeiras obras primas em sua carreira solo bem como com o Maiden ("Brave New World" está aí para provar), o mundo não acabou na virada do milênio e a vida seguiu seu fluxo.

Se você está disposto a escutar um disco com boa música, e esta é sua única preocupação, venha para cá!

O lançamento seguinte do musico, o controverso "Skunkwworks" de 1996 ainda seguiria essa linha mais eclética por parte da banda, que seria abandonada em detrimento de uma abordagem mais pesada e estritamente metal nos álbuns posteriores. Muito mais que discutirmos quais das fases é melhor, creio que podemos, sim, desfrutar das duas.

Afinal, o que importa, em última instância, é a qualidade do som...e isso aqui temos de sobra!

Tracks:
1. "Cyclops"
2. "Hell No"
3. "Gods of War"
4. "1000 Points of Light"
5. "Laughing in the Hiding Bush"
6. "Change of Heart"
7. "Shoot All the Clowns"
8. "Fire"
9. "Sacred Cowboys"
10. "Tears of the Dragon"

Banda:
Bruce Dickinson - vocal
Roy Z - guitarra
Eddie Casillas - baixo
David Ingraham - bateria
Doug van Booven - Percussão
Dickie Fliszar - Bateria na música "Tears of the Dragon"

Comente: Qual a sua opinião sobre este álbum?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bruce Dickinson"Todas as matérias sobre "Iron Maiden"


Children Of The Beast: versão ao-vivo de "Empire of the Clouds" com a orquestra SP PopsIron Maiden: o atemporal Somewhere in Time (vídeo)

Kerrang!: álbuns fantásticos com capas constrangedorasKerrang!
álbuns fantásticos com capas constrangedoras

Rock in Rio 2019: qual headliner é o mais popular no Brasil, segundo o GoogleRock in Rio 2019
Qual headliner é o mais popular no Brasil, segundo o Google

Iron Maiden: veja Flight Of Icarus e Run To The Hills tocadas em Los AngelesIron Maiden
Veja "Flight Of Icarus" e "Run To The Hills" tocadas em Los Angeles

Incubus: eles querem emprestar o cenário do Iron Maiden, incluindo Eddie

Grandes covers: cinco versões para The Number Of The BeastGrandes covers
Cinco versões para "The Number Of The Beast"

Iron Maiden em Campinas: O dia em que o Brinco de Ouro virou campo de guerraIron Maiden em Campinas
O dia em que o Brinco de Ouro virou campo de guerra

Rock in Rio 2019: apenas 2 dias do festival estão com ingressos esgotadosRock in Rio 2019
Apenas 2 dias do festival estão com ingressos esgotados

Bruce Dickinson: em vídeo, um review da autobiografia

Iron Maiden: Nicko McBrain não usa pedal duplo pois já acha um difícil o bastanteIron Maiden
Nicko McBrain não usa pedal duplo pois já acha um difícil o bastante

Iron Maiden: cinco versões do clássico Hallowed Be Thy NameIron Maiden
Cinco versões do clássico "Hallowed Be Thy Name"

Iron Maiden: Nicko McBrain toca bateria em banda tributo em Nashville; assistaIron Maiden
Nicko McBrain toca bateria em banda tributo em Nashville; assista

Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?

Iron Maiden: o brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)Iron Maiden
O brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)

Iron Maiden: as onze melhores canções com conteúdo históricoIron Maiden
As onze melhores canções com conteúdo histórico

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Iron Maiden: dez dos melhores solos de guitarra de Adrian SmithIron Maiden
Dez dos melhores solos de guitarra de Adrian Smith


Kid Vinil: Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!Kid Vinil
"Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"

Guns N' Roses: transtorno bipolar, a doença de Axl RoseGuns N' Roses
Transtorno bipolar, a doença de Axl Rose

Duff McKagan: Anestesias não funcionam mais no baixistaDuff McKagan
Anestesias não funcionam mais no baixista

Slash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Slash
Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar

Eddie Vedder: 1° show solo após morte de Cornell foi emotivoEddie Vedder
1° show solo após morte de Cornell foi emotivo

Dave Lombardo: temáticas satânicas envelheceram com o tempoDave Lombardo
Temáticas satânicas envelheceram com o tempo


Sobre Tarcisio Lucas Hernandes Pereira

Tarcisio Lucas é formado em música-licenciatura pela UNICAMP. Fã de praticamente todos os subgêneros do Rock e do Metal, não dispensa também um bom Jazz ou erudito! Entre suas bandas favoritas estão: YES, Sepultura, Marillion, Mythological Cold Towers, Amorphis e Misfits.

Mais matérias de Tarcisio Lucas Hernandes Pereira no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336