Sons of Apollo: um álbum que acerta em tudo o que se propõe

Resenha - Psychotic Symphonic - Sons of Apollo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Altaf
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em agosto desse ano, Mike Portnoy anunciou que estaria lançando sua nova banda Sons of Apollo – mais uma, entre as outras zilhões em que toca. Além desta, as bandas ativas desse senhor de cinquenta anos, até o momento, são: The Winery Dogs, Metal Allegiance, Flying Colors, e Neal Morse Band. Além disso, ele montou a turnê “Mike Portnoy´s The Shattered Fortress”, em que revive clássicos de sua época no Dream Theater.

Com uma lineup que mais parece uma constelação, dado o calibre de seus integrantes, o Sons of Apollo conta com as seguintes feras:

Teclados - Derek Sherinian (ex-Dream Theater, Black Country Communion);
Baixo - Billy Sheehan (Talas, David Lee Roth, The Winery Dogs, The Fell);
Guitarra – Ron “Bumblefoot” Thal (ex-Guns n Roses);
Bateria – Mike Portnoy (ex-Dream Theater e mais uma infinidade de bandas);
Vocais – Jeff Scott Soto (Yngwie Malmsteen, Talisman, SOTO).

A banda nasceu da amizade entre Derek e Portnoy, que se autodenominam “The Del Fulvio Brothers” e há tempos ensaiavam de montar algo juntos. Ambos produziram o disco de estreia, Psychotic Symphony, que como se esperava, vai agradar aos fãs da época dourada do Dream Theater. Como entrevistei o Derek com exclusividade para o Whiplash.net (link abaixo), recebi as faixas para me preparar, e o review foi feito em cima do material enviado pela produção dele.
930 acessosSons of Apollo: entrevista com o tecladista Derek Sherinian

Segue a descrição faixa a faixa:

“God of the Sun” inicia com sons de sítara que mudam para o teclado pesadíssimo de Derek, com uma entrada apoteótica. Composta quase que exclusivamente por Derek, é um épico de mais de onze minutos dividido em três partes, cujo refrão lembra alguma coisa do Rainbow. Ótimo cartão de visitas, que aposta na complexidade do arranjo, e com um refrão marcante.

“Coming Home” é a música do primeiro clipe, e o que mais se poderia aproximar de um single desse disco. É um heavy metal mais direto e tradicional, com um solo matador de Bumblefoot. Uma espécie de Van Halen com The Who, mas com muito peso! E se restava alguma dúvida sobre o caráter progressivo dessa banda, repare nos instrumentos usados no clipe: guitarra e baixo com braços duplos, dois teclados, e bumbo duplo. Mais exagerado, impossível.

“Signs of the Time” é a próxima música, e a primeira que foi mostrada. Inicia com um riff a la Sepultura/Korn, com um refrão fácil de ser assimilado e uma bela ponte entre os solos de teclado e guitarra. Bumblefoot brinca com o volume da guitarra em seu solo e faz escalas que lembram bastante as que faziam o falecido Allan Holdsworth (que inclusive foi grande influência de John Petrucci).

“Labyrinth” é outra faixa épica de quase dez minutos, e consiste uma colagem interessante de diversos ritmos, apostando em compassos complexos mas ainda com uma pegada hard rock. Um belo retrato da banda como um todo, já que tem grandes momentos de todos os integrantes. Segundo Mike Portnoy, foi a faixa em que todos colaboraram de maneira mais coletiva, e o resultado final transparece isso.

“Alive” vem a seguir, e é a que mais se aproxima de uma balada nesse álbum. Mas não espere nada meloso. Soto brilha no refrão ajudado pelo backing vocal de Portnoy. Derek faz um solo cheio de peso, e Bumblefoot brilha mais uma vez, com sua guitarra trilhando percursos jazzísticos. Ao ouvir, posso imaginar a galera cantando o refrão ao vivo: “Free me from this place I´m in, mother wash away my sins, ´cause I am alive...save from this bleeding heart, father show me where to start...´cause I am alive”.

“Lost in Oblivion” começa com uma sirene que anuncia uma faixa frenética. É a mais rápida e mais direta do álbum, com um uníssono de guitarra baixo e teclados que remete ao prog metal mais tradicional. Curiosidade: da letra dessa música, feita por Soto, saiu o título do álbum.

“Figaro´s Whore” é bastante curta, com apenas um minuto, e funciona como uma ponte para a próxima música. Derek usa o órgão Hammond, lembrando Jon Lord do Deep Purple, e demonstra o porquê de ser conhecido como “um guitarrista que toca teclados”.

“Divine Addiction” inicia-se novamente com o órgão Hammond, e volta ao hard rock que lembra bastante o Rainbow da fase Dio, e não soaria estranha em um álbum do Deep Purple. Outra faixa curta e direta ao ponto, em que a força do coletivo fala mais alto do que os talentos individuais.

“Opus Maximus”, a instrumental que fecha o álbum, chegou a ser chamada por Portnoy em entrevistas de “La Villa Strangiato do novo milênio”. Não acho que chegue perto do impacto que “La Villa” teve quando foi lançada nos anos 70, mas nem por isso deixa de ser uma ótima música, com solos incríveis, em particular de Billy Sheehan, que com raras exceções, está bastante discreto no disco todo. Um petardo prog, bastante complexo, em que, mais uma vez, o exagero intencional dá o tom.

É um álbum que acerta em tudo o que se propõe: tanto quando aposta na objetividade quanto em seus exageros. Lotado de solos bem construídos, refrões cativantes, tem tudo para saciar a sede daqueles que sentem falta de Portnoy e Derek no Dream Theater. Cheio de influências clássicas com uma roupagem moderna. O “efeito colateral” que imagino que essa banda venha a ter é expor Bumblefoot e Soto a um público maior. Um dos melhores lançamentos do ano, que só não leva 10 porque nenhum dos integrantes saiu de sua zona de conforto – acho que o melhor álbum dessa banda ainda está por vir.

Psychotic Symphony Track List

1 God of The Sun 00:11:11
2 Coming Home 00:04:23
3 Signs of The Time 00:07:17
4 Labyrinth 00:09:11
5 Alive 00:05:10
6 Lost In Oblivion 00:04:38
7 Figaro's Whore 00:01:00
8 Divine Addiction 00:04:48
9 Opus Maximus 00:10:37

SONS OF APOLLO ONLINE:
http://www.sonsofapollo.com
https://www.facebook.com/SonsOfApollo1/
http://www.Twitter.com/SonsOfApollo1

Comente: Qual o seu projeto preferido envolvendo Portnoy, dos que estão ativos?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Psychotic Symphonic - Sons of Apollo

2038 acessosSons of Apollo: escorrega em vários momentos mas vale conferir


1589 acessosSons of Apollo: transcendendo a comparação ao Dream Theater1105 acessosSons Of Apollo: supergrupo lança novo clipe para "Lost In Oblivion"931 acessosSons of Apollo: entrevista com o tecladista Derek Sherinian2041 acessosSons of Apollo: escorrega em vários momentos mas vale conferir524 acessosSons of Apollo: vídeo oficial das gravações do álbum de estreia0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sonf of Apollo"

Dream TheaterDream Theater
Derek Sherinian e Mike Portnoy falam sobre demissão

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Sonf of Apollo"


Sexo AnalSexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no Rock

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Motley CrueMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

5000 acessosSepultura: Derrick Green não era o cara certo, diz Max Cavalera5000 acessosSeparados no nascimento: Paul Stanley e Ioná Magalhães5000 acessosVersões originais: 10 músicas que foram "tomadas" emprestadas5000 acessosLemmy: "Simplesmente odeio todos os políticos!"4821 acessosMegadeth: Marty Friedman tem ou não tem interesse em voltar?5000 acessosRolling Stones: Uma Temporada no Inferno com a Banda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 12 de outubro de 2017


Sobre Rodrigo Altaf

Mineiro nascido em 1974, esse engenheiro civil que vive e trabalha no Canadá começou a ouvir heavy metal aos dez anos, após acompanhar o Rock in Rio I pela televisão. Após vários anos sem colaborar pro Whiplash.Net, está em busca de todos os shows possíveis em Toronto. Entre suas influências estão Iron Maiden, Van Halen, Rush, AC/DC e Dream Theater.

Mais matérias de Rodrigo Altaf no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online