Sons of Apollo: escorrega em vários momentos mas vale conferir

Resenha - Psychotic Symphonic - Sons of Apollo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcio Machado
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A nova megalo..."super banda" de Mike Portnoy, Sons of Apollo, lança no próximo dia 20 seu debut, o álbum Psychotic Symphonic, trazendo um prog, elevando ao máximo o termo metal, pois o que não falta aqui é peso, destilado em pouco menos de 1 hora de duração.

737 acessosSons of Apollo: entrevista com o tecladista Derek Sherinian5000 acessosGreen Day: 10 coisas que você não sabe sobre a banda

Dessa vez de novo ao lado do companheiro de Winery Dogs, Billy Sheeran no baixo, ex-companheiro de Dream Theater Derek Sherinian nos teclados, o ex-Guns N'Roses Ron Bumblefoot nas guitarras e frente a banda, o vocalista Jeff Scott Soto, Portnoy se dedica a fazer algo misturando todas as suas outras bandas, encontramos desde a complexidade do Dream Theater, até as passagens mais "chicletes" do Winery Dogs, num bom começo, um pouco massante em alguns momentos, confesso, mas nada que afete o desempenho final do álbum.

Abrindo o disco temos uma faixa de 11 minutos, a "God of the Sun", que com certeza irá fazer as aberturas dos shows da banda também, trazendo um Derek soltando notas com o que parece ser o único efeito disponível para suas teclas, pois é o que ouviremos o disco todo, até começar ser acompanhado por seus companheiros e aí começa a quebradeira, a música vai ganhando corpo e se tornado grande, e Soto entra de forma divina com sua voz em perfeita harmonia com o instrumental, dobrando as vozes com Portnoy em vários momentos. Após um breve solo de teclados, a música ganha acordes bem sujos de guitarra que a tornam um tanto mais pesada, para cair no que os integrantes estão mais acostumados ali, tempos quebrados, muitas notas, até parecer uma locomotiva parando e cair de volta no vocal. Um belo começo e que vai agradar em cheio para quem ouvir pela primeira vez.

Em seguida, temos uma faixa que se assemelha à algo do Journey, banda pela qual Soto já esteve à frente. Música que com certeza vai causar bastante pula pula nos shows, e segunda liberada pelo grupo e que ganhou um vídeo, com um refrão até meio hard rock, com o baixo de Billy explodindo nos ouvidos, com um solo não tão exagerado, mas que soa exatamente como devia, melódico e simples.

"Signs of the Time" foi a primeira faixa liberada pela banda pouco mais de um mês atrás e assusta em seus primeiros acordes devido à seu peso, algo bastante caótico que servirá de base para a música toda, e em uma quebrada divina e um trabalho lindo de bateria do tio Portna, entra um refrão bastante grudento e que vai ser cantado a plenos pulmões pelo público! Mesmo que haters achem a comparação pífia, lembra-se de longe algo feito pelo Slipknot na timbragem de guitarra e bateria, peca somente no seu solo, que se torna longo e arrastado, se fosse uma faixa menor, seria com certeza a melhor do disco todo.

Com um começo a lá Queen, "Labyrinth" já traz algo mais contido, mais progressivo clássico em seus minutos iniciais, depois vemos outro desfile de quebradeiras, pedais duplos, Bumblefoot esbanjando notas sem dó, pena o baixo ficar meio apagado por aqui, faz bastante falta.

"Alive" é a balada do disco, ou pode pelo menos ser considerada assim, pois tem até um certo tipo radiofônico e onde os membros mais se seguram, por assim dizer, e de novo Sherinian aparece num solo com o mesmo efeito e a essa altura já se torna um pouco irritante ouvir o mesmo som, e o solo meio parado de novo também dá uma certa canseira.

Começando toda espalhafatosa, "Lost in Oblivion" nos coloca num cenário apocalíptico, numa faixa rápida, pesada, agressiva e direta! E que refrão, com notas altas, gritos, sem parar, sem perder tempo, e uma faixa curta, sem dar espaço a se arrastar, exatamente como deveria ter sido "Signs of the Time".

"Figaro's Whore" adivinhem só, é um solo com Sherinian espalhando seu mesmo efeito outra vez! Após esse delírio, pensamos que iremos ouvir uma faixa do Deep Purple, "Divine Addiction" traz um som delicioso de se ouvir, e um belo solo de guitarra, bela faixa, que abre caminho para o final megalomaníaco do disco!

Uma faixa com mais de dez minutos, totalmente instrumental, foi como decidiram fechar o disco, e se tratando dessa galera, já se imagina o que surgiu no resultado final, fritação sem tamanho, quebradas, contra tempos, mudanças rítmicas, e por aí rola "Opus Maximus", que fecha o disco com bom desempenho final, escorrega em vários momentos, ao querer entregar um material longo e muito complexo, mas nada que faça se perder o lançamento e uma boa conferida.

Comente: Já ouviu este novo projeto do Portnoy? O que achou?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Psychotic Symphonic - Sons of Apollo

1292 acessosSons of Apollo: um álbum que acerta em tudo o que se propõe


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de outubro de 2017


Mike PortnoyMike Portnoy
Baterista se enche dos haters e fecha forum de site oficial

737 acessosSons of Apollo: entrevista com o tecladista Derek Sherinian0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Mike Portnoy"

Mike PortnoyMike Portnoy
Músico encara desafio na bateria da Hello Kitty

Mike PortnoyMike Portnoy
Puto com fã que usava camiseta de novo álbum do DT

Mike PortnoyMike Portnoy
Comentários sobre o top 25 de bateristas da Modern Drummer

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Sonf of Apollo"0 acessosTodas as matérias sobre "Mike Portnoy"


Green DayGreen Day
10 coisas que você não sabe sobre a banda

Raul SeixasRaul Seixas
Qual a origem da música "Gita"?

Iron MaidenIron Maiden
Sobre o que fala a música "Aces High"?

5000 acessosBruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metal5000 acessosKirk Hammett: "Mustaine toca rápido e eu, melódico"5000 acessosJack Bruce: "Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"4209 acessosPeavey: como marca revolucionou o mercado de amplificadores5000 acessosHeavy Metal: Bruno Sutter e a verdade sobre os camarins4474 acessosA.L.I.V.E.!: membros do Pantera e GNR em banda tributo ao Kiss

Sobre Marcio Machado

Estudante de história, apaixonado por cinema e o bom rock, fã de Korn, Dream Theater e Alice in Chains. Metido a escritor e crítico.

Mais matérias de Marcio Machado no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online