Dimmu Borgir: Um pouco menos sinfônico e mais ríspido

Resenha - In Sorte Diaboli - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
ENVIAR CORREÇÕES  

Em abril de 2007, foi lançado via Nuclear Blast, o sétimo álbum dos noruegueses do Dimmu Borgir, que trouxe como novidades, o lendário baterista Hellhammer (Mayhem e muitas outras bandas), e uma musicalidade mais uma vez surpreendente, mas com algumas doses de Death Metal e uma discreta enxugada nos teclados e orquestrações.

Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeoKeith Richards: Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

A capa, a mais "polêmica" de todas na discografia, em alguns países foi censurada, e precisou ser alterada com o logo da banda cobrindo razoavelmente os fartos seios de um Baphomet bem infernal. Além desse pormenor, é fato, que em 2007, mantinham o status de um dos grupos de Metal com maior reconhecimento mundial, e por isso, muitos aguardaram ansiosamente pela liberação deste "In Sorte Diaboli" – até porque, o antecessor oficial e inédito, havia sido o aclamado "Death Cult Armageddon", de 2003.

O resultado final não decepciona em momento algum, pois se tratando de Dimmu Borgir, a qualidade pode ser sempre aguardada, mas imagino que uma parcela dos ouvintes e fãs estranharam um pouco a já citada pequena redução nos pomposos arranjos sinfônico-orquestrais e pelo fato do trabalho soar consideravelmente mais direto, o que inclusive acabou refletindo na duração total, com cerca de 42 minutos! Curiosamente, algum tempo após este trabalho, em 2009, foi anunciada a saída do tecladista Mustis e do baixista e vocalista ICS Vortes, que estavam na banda há aproximadamente 10 anos…

A temática, que pela primeira vez foi conceitual, é ambientada na Europa medieval e relata sobre um assistente de padre que passa a desanimar e duvidar do cristianismo e percebe novas habilidades e possibilidades em sua existência e então opta pelo lado obscuro da fé – o que contribuiu para o clima sombrio e agressivo da obra toda.

A sonoridade, sempre bem cuidada e deixada nas mãos de quem entende do assunto, aqui ficou a cargo de Fredrik Nordström, bem como de Patrik J. Sten e Russ Russell, que fizeram um ótimo trabalho em todos os quesitos!

Destaques individuais? Claro que não, pois todas as músicas possuem seus próprios atrativos e variedades e são dignas de uma boa apreciação, mas pessoalmente, "The Sacrilegious Scorn" é umas das minhas favoritas em toda a carreira e que chegou a ganhar um vídeo clipe, que ficou bem fiel à proposta em geral.

Se por algum motivo, ainda não conhece ou nunca teve interesse em Dimmu Borgir, pode ouvir este aqui mesmo, sem receios!

Formação:
Shagrath (vocais e teclados);
Silenoz (guitarra);
Galder (guitarra solo);
ICS Vortex (baixo e vocal limpo nas faixas 1, 5 e 10);
Mustis (teclados);
Hellhammer (bateria).

Faixas:
01 – The Serpentine Offering
02 – The Chosen Legacy
03 – The Conspiracy Unfolds
04 – The Sacrilegious Scorn
05 – The Fallen Arises (instrumental)
06 – The Sinister Awakening
07 – The Fundamental Alienation
08 – The Invaluable Darkness
09 – The Foreshadowing Furnace


Outras resenhas de In Sorte Diaboli - Dimmu Borgir

Resenha - In Sorte Diaboli - Dimmu Borgir


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeo

Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Musos do Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Dimmu Borgir: não faz sentido usar jeans e camiseta brancaDimmu Borgir
Não faz sentido usar jeans e camiseta branca


Keith Richards: Metallica e Black Sabbath são grandes piadasKeith Richards
Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin