Royal Blood: segundo álbum é um viciante disco de garage rock

Resenha - How Did We Get So Dark? - Royal Blood

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A dupla ROYAL BLOOD, formada pelo baixista e vocalista Mike Kerr e o baterista Ben Thatcher, já esteve no Brasil em setembro de 2015, na edição do Rock in Rio daquele ano. À época, o duo inglês trazia na bagagem apenas o autointitulado álbum. Agora, "How Did We Get So Dark?" se junta à discografia. Se naqueles dias o som dos rapazes era uma boa novidade, agora não há mais esse sentimento, mas isso não torna o som menos interessante. Ignorando o tal "trauma do segundo disco", que frequentemente acomete os artistas depois de um debut de sucesso, a banda entrega um disco maduro, sem pretensões de superar o primeiro, mas também sem ficar à sua sombra.

336 acessosRoyal Blood: duo se apresentará no Lollapalooza Brasil 20185000 acessosBlack Sabbath: About.com elege os 5 melhores álbuns da banda

O play começa deliciosamente com a faixa que dá nome ao álbum e é impossível ficar imune à ela. Seu conjunto de riffs, ganchos, batidas e os vocais ao fundo são um convite à dança. Adiante no álbum há numerosos ecos de WHITE STRIPES. "I Only Lie When I Love You" bem que poderia ser a "Seven Nation Army" dos anos 2010, com seu riff e seus vocais. Os ganchos em "Lights Out" são inacreditavelmente agudos. Os diálogos entre baixo e bateria, entre vocal e backing vocal em "She's Creeping" também são um bom momento. Preste também muita atenção no riff de "Where Are You Now". A canção não tem nada a ver com PINK FLOYD, mas dá pra pescar referências, involuntárias provavelmente, a "One of These Days". Diante de toda a agressividade, presente em quase todo o disco, "Don't Tell" é o esperado e necessário contraponto. "Hook, Line and Sinker", por sua vez, é bem mais pesada. E embora a banda jamais flerte declaradamente com o Heavy Metal, os riffs de Mike Kerr na faixa (que de forma alguma remete a uma boa e tranquila pescaria) bem que poderiam estar em uma banda mais pesada, disputando com guitarras distorcidas os ouvidos dos headbangers. "Hole In My Soul", com sua tecladeira inicial também oferece elementos que quebram um pouco a predominância dos dois instrumentos comumente usados por Kerr e Tatcher.

É um som que dá vontade de balançar, embora fique um tanto cansativo depois de um tempo, afinal, embora seja impressionante o que esses rapazes fazem com um baixo e bateria, ainda são apenas dois instrumentos. E um pouco de variação faz falta (exceção, talvez, apenas na já citada "Hole In My Soul".. Talvez por isso o álbum seja tão curto, com pouco mais de meia-hora.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

No fim, embora o ROYAL BLOOD seja um duo de baixo e bateria, nada aqui traz à mente o conhecido "drumenbeis" (e isso nem é denúncia nem elogio, apenas constatação). Este é um bom disco de Garage Rock, que se torna viciante depois de algumas audições, mas falta um pouco daquilo que mais se espera de um som de um baixo, um grave poderoso, não uma tentativa de emular uma guitarra. Se qualquer uma (ou duas, ou três) das canções tivesse um bom solo de baixo (nas oitavas em que estamos acostumados), seria um álbum inesquecível. Suas canções cabem perfeitamente nos horários mais cedo de festivais como o Rock In Rio (como já aconteceu) ou Lollapalooza, mas dificilmente credenciariam a banda como headliner. Mas pra quem busca apenas algo diferente do "mais do mesmo" isso é mais que suficiente.

O álbum é um lançamento da Warner e pode ser adquirido pelos canais oficiais, mas já está disponível nos principais serviços de streaming.

Track list

1. How Did We Get So Dark?
2. Lights Out
3. I Only Lie When I Love You
4. She’s Creeping
5. Look Like You Know
6. Where Are You Now?
7. Don’t Tell
8. Hook, Line and Sinker
9. Hole In Your Heart
10. Sleep

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de How Did We Get So Dark? - Royal Blood

150 acessosResenha - How Did We Get So Dark? - Royal Blood684 acessosRoyal Blood: menos pesado, novo disco não empolga como o primeiro

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

336 acessosRoyal Blood: duo se apresentará no Lollapalooza Brasil 2018151 acessosResenha - How Did We Get So Dark? - Royal Blood369 acessosRoyal Blood: o momento do novo disco que mais orgulha Mike Kerr120 acessosTá Na Capa: resenha faixa a faixa do novo disco da Royal Blood684 acessosRoyal Blood: menos pesado, novo disco não empolga como o primeiro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Royal Blood"

VinilVinil
Os dez discos mais vendidos no Reino Unido em 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Royal Blood"

Black SabbathBlack Sabbath
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

Covers inusitadosCovers inusitados
COB tocando Britney Spears? Shakira tocando ACDC?

NirvanaNirvana
Site elege as dez melhores músicas do grupo

5000 acessosNickelback: 11 razões para respeitar - muito - a Chad Kroeger5000 acessosTrues quase infartaram: Obituary mitou ao lado de Joelma e Chimbinha5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet5000 acessosScott Weiland: Duff McKagan salvou vocalista em outra época4548 acessosLed Zeppelin: os depoimentos de Page e Plant no julgamento por plágio5000 acessosRegis Tadeu: sobre o deslumbramento com o novo avião do Iron Maiden

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online