RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo


Stamp

4Drive: O disco é de fato impressionante

Resenha - Recycle - 4Drive

Por Hugo Alves
Postado em 01 de março de 2017

Lá pelos idos do início dos anos 2000, o mundo sofreu um grande e ótimo impacto de bandas alternativas que, por vezes, pendiam para um New Metal ou mesmo um Alternative Rock, mas sempre bebendo de fontes do Grunge e de outras bandas dos anos 1990, de ótima qualidade. Lembro de algumas bandas que fizeram grande barulho nessa fase, como Three Days Grace, Linkin Park, Incubus e Evanescence, só pra citar algumas. Também tinha o Avenged Sevenfold (que não era bem Heavy Metal ainda, mas já dava os primeiros sinais nesse sentido), soando bem juvenil, de acordo com o hype daquele período. Era um som muito característico, que marcou aqueles anos.

É nesse sentido que a banda 4DRIVE dá as caras. Formada no interior de São Paulo em 2001, a banda conta atualmente com Eduardo Zabani (voz), Gabriel Falcade e Otaviano Costa Jr. (guitarras), Pedro Konishi (samplers), Guilherme Forti (baixo) e Daniel Carrara (bateria). Eles vêm juntando grandes experiências na carreira, tendo tocado ao lado de grandes nomes do Rock nacional, como Detonautas, Tihuana e Ira!, só pra citar alguns exemplos, mas fazendo um som muito superior (opinião particular do autor). O resultado disso é "Recycle", disco lançado em 2016 e produzido pela própria banda e por Guilherme Malosso, e gravado no Estúdio RG.

O disco é de fato impressionante, e da primeira à sexta faixa, temos um verdadeiro show de qualidade técnica e profissionalismo – podem chamar o Eduardo pra cantar em qualquer banda internacional do estilo, o cara dá conta! –, e sons muito bem tocados e gravados que com certeza vão encher os ouvidos e os corações dos amantes do som alternativo dos anos 2000. Mesmo "Owe You" e "Catch Fire (Interlude)", que não mantém o nível do restante do disco, ainda acabam sendo bons momentos, principalmente pra quem curte um sonzinho mais "pra embalar os corações".

Aos amantes do estilo, trata-se de um som de qualidade indiscutível, feito com muita responsabilidade, mas também com muita paixão. Os caras com certeza terão que enfrentar muitos comentários de fãs de Rock mais conservadores (uma grande controvérsia dos nossos tempos, diga-se de passagem), mas se continuarem nessa pegada e oferecendo um som tão legal, com certeza angariarão mais fãs do que detratores. Boa sorte ao 4DRIVE! E sucesso, porque certamente merecem!

Tracklist:

01. Something There
02. Madman
03. Fading Memories
04. In the Game
05. Spacetime Theory
06. Voiceless
07. Owe You
08. Catch Fire (Interlude)
09. Rain
10. Highlander


Outras resenhas de Recycle - 4Drive

Resenha - Recycle - 4Drive

Resenha - Recycle - 4drive

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Hugo Alves

Hugo Alves é formado em Letras (Português and Inglês) pela UNISO - Universidade de Sorocaba e futuro mestrando em Literatura ou Semiótica. Começou a escutar Rock aos 11 anos com "Bring Me to Life" do Evanescence, mas o que o tomou para sempre para o Rock and Roll foi "Fear of the Dark" (versão ao vivo no Rock in Rio), do Iron Maiden, banda que, ao lado de The Beatles, considera como favorita, amando quase que igualmente os sons de Viper, Angra, Shaman, Andre Matos, Rush, Black Sabbath, Metallica, etc. Foi vocalista das bandas Holygator e Bad Trip, iniciantes em Sorocaba/ SP, e também toca guitarra e baixo. Outra de suas paixões é a Literatura, pela qual desenvolveu o gosto pela escrita e comunicação.
Mais matérias de Hugo Alves.