4Drive: Um Rock Alternativo de respeito...

Resenha - Recycle - 4Drive

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O 4Drive foi formado no interior de São Paulo, em 2001, e desde então os mesmos foram colecionando experiência, tocando ao lado de artistas como Pitty, Detonautas, Ira!, Tihuana,e Autoramas, e assim moldando sua sonoridade para o que apresentam agora em seu debut, "Recycle", lançado em 2016.

Separados no nascimento: Roger Waters e Richard Gere.Metallica e Iron Maiden: veja a diferença absurda de faturamento em shows nos EUA

E o que a banda apresenta em "Recycle" é um Alternative Rock muito moldado nas sonoridades dos anos 1990 e 2000. Muitos de vocês devem estar se perguntando: Então trata-se de mais uma banda alternativa descartável?

A resposta seria sim e ao mesmo tempo não. Embora o 4Drive beba diretamente da fonte de bandas Grunge/Alternative/Hard Rock, a sonoridade dos mesmos está longe de ser descartável. E o desempenho dos instrumentistas é digno de aplausos, o que certamente ajudou no resultado final alcançado.

"Recycle" inicia com "Something There", um Rock Alternativo em sua essência, direto e que mesmo assim não deixa a melodia de lado. "Madman" foi escolhida para ser o primeiro vídeo do disco. Mas, apesar do obvio potencial comercial da mesma, não seria a minha escolha, visto possuir alguns traços de bandas como Linkin Park. Mesmo assim, uma faixa correta que cumpre sua função. "Fading Memories" possui um clima meio Pearl Jam, sendo uma música mais calma e que ficou muito legal. Já "In the Game" possui uns lances que remetem ao Faith no More, e mantém o clima lá em cima. E a primeira metade de "Recycle" termina com a igualmente bacana "Spacetime Theory".

A segunda metade do disco não é assim tão brilhante, tendo algumas faixas não tão inspiradas, como "Owe You" e "Catch Fire (Interlude)". Porém, "Voiceless" é uma música correta, carregada de anos 90 em sua execução, enquanto a melódica "Rain" é um dos pontos altos do álbum. E "Higlander" é daquelas faixas imortais (desculpem o trocadilho infame), carregada em emoção e belas melodias, que mostra o potencial do 4Drive como banda. Um perfeito encerramento para um bom disco de estréia.

O saldo final obtido em "Recycle" é positivo, ainda mais tratando-se de um primeiro registro da banda. A probabilidade de crescimento do 4Drive é evidente, desde que os mesmos mantenham-se no caminho correto, sem ligar para modismos ou comentários dos trues da internet...

Formação:
Eduardo Zabani - Vocais
Gabriel Falcade - Guitarra
Otaviano Costa Jr. - Guitarra
Guilherme Forti - Baixo
Daniel Carrara - Bateria
Pedro Konishi - Samplers

10 Faixas - 40:04

Tracklist:
1. 'Something There'
2. 'Madman'
3. 'Fading Memories'
4. 'In the Game'
5. 'Spacetime Theory'
6. 'Voiceless'
7. 'Owe You'
8. 'Catch Fire (Interlude)'
9. 'Rain'
10. 'Highlander'


Outras resenhas de Recycle - 4Drive

4Drive: O disco é de fato impressionante4drive: Rock versátil com potencial para mais experimentações




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "4drive"


Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Roger Waters e Richard Gere.

Metallica e MaidenMetallica e Maiden
A diferença absurda de faturamento em shows nos EUA

SemelhançasSemelhanças
Sou só eu, ou ele parece a Fernanda Lima?

Dimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músicoIGN Music: os álbuns de Metal mais influentes segundo o siteSepultura: Derrick fala em como foi difícil substituir MaxChris Cornell: Jimmy Page e outros comentam morte do vocalista

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336