RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemPaul Stanley sabia que seria um rockstar desde a sua juventude

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano


Buddy Guy: A inquietude de um adolescente

Resenha - Born To Play Guitar - Buddy Guy

Por Diego Almeida Cunha
Fonte: musicaholicbr.blogspot.com.br
Postado em 06 de agosto de 2015

Essa semana, Buddy Guy completou 79 anos. E dia 31, ele lançou "Born to Play Guitar", o sucessor de "Rhythm and Blues", de 2013.

E qualquer questionamento sobre seu rendimento é espantado desde a primeira nota. Guy esbanja sua experiência e mostra uma confiança e qualidade que não se vê no cenário da música atual. Desde as primeiras palavras, Guy mostra sua lucidez e joga a modéstia longe ao dizer "I was born to play guitar / And everybody knows my name". Ele sabe, mais do que ninguém, seu legado. Sabe onde pisa, e que não há ninguém atualmente nesse planeta que possa repousar no trono do Blues.

Buddy une a fórmula do Blues que nunca se desgasta aos convidados que dão um novo ar, como Joss Stone. A parceria com Kim Wilson em "Too Late" traz uma perspectiva diferente, mas ainda com a guitarra feroz de Guy. O dueto com Joss Stone e a orquestração são pontuais e cirúrgicos. Por vezes o bluesman engrossa o tom de sua guitarra e até sai de seu padrão, como em "Wear You Out", em conjunto com Billy Gibbons, do ZZ Top, mostrando mais claramente o quão sempre influenciou vertentes mais distantes, como o Hard e o Heavy.

Mesmo eternamente alçando a bandeira do Blues como sempre fez, "Whiskey, Beer & Wine" tem um riff parecido com o som de bandas atuais, como Clutch, Wolfmother e outras. Se pudermos definir "Kiss Me Quick", em parceria com Kim Wilson, deve ser considerada como um "Blues de raiz". O som da gaita de início e o ritmo subsequente são absolutamente característicos da origem do Blues, de lugares como Louisiana (sua terra natal) e Mississippi.

"Smarter Than I Was" tem como recurso efeitos na voz de Buddy, mas quem se importa, a guitarra continua inquieta. O teclado martelando e o conjunto de metais cortantes: assim é "Thick Like Mississippi Mud", provando mais uma vez aquela visão que somente os bluesmen tiveram até hoje e que só se pode ver hoje em dia em nomes do Heartland Rock, como Bruce Springsteen. "Come Back Muddy", como diz a própria faixa, é uma recordação e admiração de Buddy a Muddy Waters. E pra fechar, Guy toca em conjunto com outra lenda, Van Morrison, em "Flesh & Bone". A canção é em homenagem à B. B. King, que faleceu em maio desse ano.

A capa sintetiza muito bem o apetite que o bluesman ainda tem, mesmo já tendo conquistado tanto e deixado sua marca na música. Que venham mais álbuns como esse. Nós nunca nos cansaremos de Buddy Guy.

Tracklist

1. Born to Play Guitar
2. Wear You Out (feat. Billy Gibbons)
3. Back Up Mama
4. Too Late (feat. Kim Wilson)
5. Whiskey, Beer & Wine
6. Kiss Me Quick (feat. Kim Wilson)
7. Crying Out of One Eye
8. (Baby) You Got What It Takes (feat. Joss Stone)
9. Turn Me Wild
10. Crazy World
11. Smarter Than I Was
12. Thick Like Mississippi Mud
13. Flesh & Bone (Decidated to B.B. King) (feat. Van Morrison)
14. Come Back Muddy


Outras resenhas de Born To Play Guitar - Buddy Guy

Resenha - Born To Play Guitar - Buddy Guy

Resenha - Born to Play Guitar - Buddy Guy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Oh, play them Blues: os caminhos do Blues


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Diego Almeida Cunha

Amante dos anos 70, em especial AC/DC, Rush, Aerosmith, Clash, e escritor no blog Vivendo pro Rock.
Mais matérias de Diego Almeida Cunha.