Buddy Guy: A inquietude de um adolescente

Resenha - Born To Play Guitar - Buddy Guy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Almeida Cunha, Fonte: musicaholicbr.blogspot.com.br
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Essa semana, Buddy Guy completou 79 anos. E dia 31, ele lançou "Born to Play Guitar", o sucessor de "Rhythm and Blues", de 2013.

Iron Maiden: Nicko McBrain fala sobre conversão ao cristianismoJames Hetfield: "Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

E qualquer questionamento sobre seu rendimento é espantado desde a primeira nota. Guy esbanja sua experiência e mostra uma confiança e qualidade que não se vê no cenário da música atual. Desde as primeiras palavras, Guy mostra sua lucidez e joga a modéstia longe ao dizer "I was born to play guitar / And everybody knows my name". Ele sabe, mais do que ninguém, seu legado. Sabe onde pisa, e que não há ninguém atualmente nesse planeta que possa repousar no trono do Blues.

Buddy une a fórmula do Blues que nunca se desgasta aos convidados que dão um novo ar, como Joss Stone. A parceria com Kim Wilson em "Too Late" traz uma perspectiva diferente, mas ainda com a guitarra feroz de Guy. O dueto com Joss Stone e a orquestração são pontuais e cirúrgicos. Por vezes o bluesman engrossa o tom de sua guitarra e até sai de seu padrão, como em "Wear You Out", em conjunto com Billy Gibbons, do ZZ Top, mostrando mais claramente o quão sempre influenciou vertentes mais distantes, como o Hard e o Heavy.

Mesmo eternamente alçando a bandeira do Blues como sempre fez, "Whiskey, Beer & Wine" tem um riff parecido com o som de bandas atuais, como Clutch, Wolfmother e outras. Se pudermos definir "Kiss Me Quick", em parceria com Kim Wilson, deve ser considerada como um "Blues de raiz". O som da gaita de início e o ritmo subsequente são absolutamente característicos da origem do Blues, de lugares como Louisiana (sua terra natal) e Mississippi.

"Smarter Than I Was" tem como recurso efeitos na voz de Buddy, mas quem se importa, a guitarra continua inquieta. O teclado martelando e o conjunto de metais cortantes: assim é "Thick Like Mississippi Mud", provando mais uma vez aquela visão que somente os bluesmen tiveram até hoje e que só se pode ver hoje em dia em nomes do Heartland Rock, como Bruce Springsteen. "Come Back Muddy", como diz a própria faixa, é uma recordação e admiração de Buddy a Muddy Waters. E pra fechar, Guy toca em conjunto com outra lenda, Van Morrison, em "Flesh & Bone". A canção é em homenagem à B. B. King, que faleceu em maio desse ano.

A capa sintetiza muito bem o apetite que o bluesman ainda tem, mesmo já tendo conquistado tanto e deixado sua marca na música. Que venham mais álbuns como esse. Nós nunca nos cansaremos de Buddy Guy.

Tracklist

1. Born to Play Guitar
2. Wear You Out (feat. Billy Gibbons)
3. Back Up Mama
4. Too Late (feat. Kim Wilson)
5. Whiskey, Beer & Wine
6. Kiss Me Quick (feat. Kim Wilson)
7. Crying Out of One Eye
8. (Baby) You Got What It Takes (feat. Joss Stone)
9. Turn Me Wild
10. Crazy World
11. Smarter Than I Was
12. Thick Like Mississippi Mud
13. Flesh & Bone (Decidated to B.B. King) (feat. Van Morrison)
14. Come Back Muddy


Outras resenhas de Born To Play Guitar - Buddy Guy

nullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Buddy Guy"


Oh, play them Blues: os caminhos do BluesOh, play them Blues
Os caminhos do Blues


Iron Maiden: Nicko McBrain fala sobre conversão ao cristianismoIron Maiden
Nicko McBrain fala sobre conversão ao cristianismo

James Hetfield: Você não iria gostar de mim se soubesse minha históriaJames Hetfield
"Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

Guns N' Roses: o Chinese Democracy que você nunca viuGuns N' Roses
O "Chinese Democracy" que você nunca viu

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperMustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?Pantera: o segredo da capa de Vulgar Display of PowerMaurício Alabama: "Slash não toca Blues" (vídeo)

Sobre Diego Almeida Cunha

Amante dos anos 70, em especial AC/DC, Rush, Aerosmith, Clash, e escritor no blog Vivendo pro Rock.

Mais matérias de Diego Almeida Cunha no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336