Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemO erro geográfico na letra de "All Star", música que Nando Reis fez para Cássia Eller

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemOzzy achou que integrantes do Metallica estavam tirando uma com sua cara durante turnê

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"


Stamp

Stratovarius: Até mesmo os melhores cometem deslizes

Resenha - Stratovarius - Stratovarius

Por Giales Pontes
Em 29/01/15

Nota: 6

Muitos apontam esse ‘Stratovarius’ (2005) como o item mais fraco na carreira desses finlandeses. Bem, ao ouvir o álbum torna-se praticamente impossível discordar dessa idéia. Sobretudo para aqueles que tiveram o prazer de conhecer verdadeiras obras primas do power metal melódico tais como ‘Fourth Dimension’ (1995) , ‘Episode’ (1996) , ‘Visions’ (1997) e as duas partes de ‘Elements’ (2003) , que sem dúvida compreendem a fase dourada da carreira do Stratovarius.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não que este álbum autointitulado seja uma nulidade. Nada disso. Mas a verdade é que aqui faltou aquela inspiração, aquela química perfeita que a banda tinha, especialmente nos trabalhos que produziu da metade da década de 90 até o ano de 2003. Muito provavelmente essa defasagem de inspiração deveu-se aos sérios problemas pessoais de Timmo Tolkki que a época começaram a afetar consideravelmente os outros músicos da banda, e naturalmente isso acabou ficando muito evidente no resultado final do álbum.

‘Maniac Dance’, faixa que abre o play, até que é uma música legalzinha, com um bom riff e um refrão fácil de lembrar. Mas não chega nem aos pés de uma ‘Will The Sunrise’, por exemplo, lembrando muito mais uma daquelas chatices "Kiskenianas" presentes nos terríveis ‘Pink Bubbles Go Ape’ (1991) e ‘Chameleon’ (1993), dois dos piores momentos do Helloween. A segunda, intitulada ‘Fight!!!’, traz uma introdução algo eletrônica, onde os sintetizadores de Jens Johansson se destacam, mas que tem boa parte de seu carisma soterrada por linhas vocais muito pouco inspiradas de Timmo Kotipelto, que insiste irritantemente naquele "EEEEEEE" em palavras inglesas com o som "AI" no final. Aqui ele torra nossa paciência com um "Fight for your LAAE-EEEEF, fight for your RAAE-EEEEE". Tétrico!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

‘Just Carry On’ não melhora muito o cenário apesar de um instrumental até interessante, mas com nosso amigo Kotipelto mais uma vez pisando no tomate em um refrão pra lá de chato, chegando até mesmo a soar desafinado! O solo de Tolkki quase salva a lavoura. Quase, pois ele já fez melhores. Ah fez! A bela introdução "pianística" de ‘Back To Madness’ causa grande expectativa. O riff inicial da guitarra é meio "magrinho", mas bom. Kotipelto até inicia bem nas estrofes, mas começa a escorregar rapidamente(A idade deve estar afetando o cara, e talvez fosse hora de ele esquecer um pouco os falsetes, não é não?). Em tempo, lá no meio tem um solo vocal de barítono muito tétrico e interessante, mas que infelizmente não serve para redimir a falta de inspiração predominante na música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

‘Gypsy In Me’ invade os auto-falantes com uma introdução de teclado bem ao estilo da banda, para depois apresentar um bom riff de guitarra também típico. Mais uma vez temos os vocais de Kotipelto deixando a desejar. O solo de Jens Johansson é o ponto alto da faixa, o que é muito pouco para uma banda que já gravou maravilhas como ‘Black Diamond’, ‘Paradise’ ou a estupenda "Speed Of Light". De resto, com exceção das medianas ‘Leave The Tribe’ e ‘United’, é só "ladeira abaixo". Como a sonífera ‘Götterdämmerung’ (Zenith Of Power), outra com instrumental magrinho e linhas vocais pouco inspiradas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Da chatíssima "The Land Of Ice And Snow" também não há muito o que dizer, exceto que aqui eles tentam recriar o clima de baladas épicas como ‘Forever’ ou ‘Before The Winter’, mas tudo que conseguem é uma musiquinha chata e intragável, embora tenha uma bela letra exaltando a terra natal da banda. Convenhamos, a belíssima e fria Finlândia merecia uma homenagem melhorzinha, não? No final das contas, assim como já aconteceu com Rush, Dream Theater e Angra, esse 11º trabalho do Stratovarius vem para provar mais uma vez que o simples agrupamento de músicos extraordinários e compositores talentosos nem sempre será o suficiente para se produzir grandes álbuns. Também deixa evidente que até mesmo os melhores cometem deslizes, muito embora os fãs mais "die hard" não aceitem essa verdade universal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Line-up:

Timmo Kotipelto (Vocais)
Timmo Tolkki (Guitarras)
Jari Kainulainen (Baixo)
Jens Johansson (Teclados)
Jörg Michael (Bateria)

Track-list:

1 . Maniac Dance
2 . Fight!!!
3 . Just Carry On
4 . Back To Madness
5 . Gypsy In Me
6 . Götterdämmerung (Zenith of Power)
7 . The Land Of Ice And Snow
8 . Leave The Tribe
9 . United


Outras resenhas de Stratovarius - Stratovarius

Resenha - Stratovarius - Stratovarius

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Stratovarius: baixista animando São Paulo com o hit "Que Porra!"