Arkhaikus: Um novo nome do Thrash Nacional

Resenha - First Step to Death - Arkhaikus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Bertasso
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Que a cena metal no Brasil não para, todos nós sabemos. Bandas surgem por todos os cantos e pertencendo a todas as cenas do metal, mostrando uma grande variedade no território brasileiro. Porém, pela falta de espaço, muitas acabam não sendo vistas, o que devemos evitar. Se juntando a esse grande movimento, o Arkhaikus lançou, no ano passado, seu primeiro álbum. 'First Step to Death' mostrou que os garotos merecem um espaço juntos aos grandes na cena.

Krisiun: banda lista os 5 picos mais demoníacos do BrasilMike Terrana: "Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Com um Thrash forte influenciado por todos os grandes nomes do estilo, ainda com uma pitada de NWOBHM, os irmãos Luís Farrús (Vocal) e Samuel Farrús (Baixo), junto com João Pedro (Guitarra) e Guilherme Enares (Bateria) lançaram um excelente material, fazendo nome na cena e, inclusive, vencendo o concurso 'Cult In Music' da Cultura Inglesa no ano de 2014.

Algo que chama a atenção dos desavisados é que a banda é composta, sim, por garotos. Os mais velhos possuem 17 anos enquanto o mais novo, o vocalista Luís, possui seus pequenos 15 anos. Nada disso impede os jovens de fazer um trabalho de grande respeito e qualidade.

O álbum começa com a instrumental 'First Step to Death', introdução que leva o nome do álbum e abre espaço para 'Kill the Neighbor'. A segunda faixa do disco já mostra que a banda tem um bom preparo técnico para composição calcada no bom e 'old' Thrash Metal.

'Dangerous World' segue a mesma linha, mantendo a intensidade. Na verdade, o álbum inteiro é bem focado em mostrar a pegada thrash que os garotos carregam por influências que trazem desde o berço.

'Knives Storm' é um som mais cadenciado e o mais longo do álbum. Logo no início, o destaque cai sobre Samuel Farrús. Aliás, o baixista é um show a parte durante as apresentações da banda com uma presença de palco impecável. Seu estilo de tocar é de encher os olhos dos fãs de lendas como Cliff Burton e Geezer Butler. A idade dos garotos, em especial do vocalista Luís, é perceptível pelo seu timbre vocal, ainda jovem. Porém, isso é algo que está bem longe de atrapalhar o trabalho da banda.

Na sequência, 'Death to the Immune' trás de volta o clima de destruição pro ouvinte. Logo em seguida, 'Power and Lust' mostra uma introdução que lembra algumas fases do Metallica. O som apresenta uma levada um pouco diferente das primeiras faixas do álbum, lembrando guitarras no estilo de Iron Maiden.

'Oblivion' é mais uma introdução que da espaço para 'Thrash or Die' que, pra mim, é a melhor música da banda. Rápida e precisa durante todos seus quase 7 minutos, é uma faixa excelente pra banguear de verdadade. Vale a pena, também, prestar atenção no solo de guitarra desse som, extremamente competente. João Pedro é um excelente guitarrista que tem uma criatividade genial. Logo estará ao lado dos grandes nomes nacionais das seis cordas, sem dúvida.

Ao contrário dos quase 7 minutos da faixa anterior, 'Intra' não completa dois minutos e tem o poder de fazer seu pescoço doer da mesma forma. Peso e velocidade na medida certa.

Já 'Thrown to the Fire' é a mais diferente do álbum. Tem uma levada mais moderna e uma estrutura um pouco mais simples, o que não quer dizer que seja chata ou um ponto baixo no disco. Pelo contrário, mostra um outro lado dos garotos de Presidente Prudente.

O álbum se encerra com 'Rest In Peace', que possui um começo mais cadenciado e bons solos de baixo, fazendo a música crescer e ficar mais pesada aos poucos. Luís consegue passear com sua voz e mostrar vários lados de sua técnica, fazendo dessa minha faixa favorita no quesito 'voz'.

Logo após o lançamento do CD, o baterista Guilherme Enares acabou deixando a banda, dando lugar a Pedro Luis, que acompanha a banda desde então.

O Arkhaikus tem tudo pra ser um grande nome do Thrash Metal nacional. Sua vitória no concurso 'Cult In Music' não foi a toa e prova que os meninos estão no caminho certo para se destacar. A banda já é presença confirmada em eventos pelo interior, já abrindo shows pra nomes como Matanza, Carro Bomba e Krisiun. Uma banda que carrega a bandeira do metal dessa maneira merece um grande espaço dentro da cena.

Arkhaikus - First Step to Death

1 - First Step to Death
2 - Kill the Neighbor
3 - Dangerous World
4 - Knives Storm
5 - Death To the Immune
6 - Power and Lust
7 - Oblivion
8 - Thrash or Die
9 - Intra
10 - Throw to the Fire
11 - Rest In Peace

Formação do cd:
Luís Farrús (Voz e Guitarra)
Samuel Farrús (Baixo e Voz)
João Pedro (Guitarra)
Guilherme Enares (Bateria)

Formação atual:
Luís Farrús (Voz e Guitarra)
Samuel Farrús (Baixo e Voz)
João Pedro (Guitarra)
Pedro Luis (Bateria)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Arkhaikus"


Krisiun: banda lista os 5 picos mais demoníacos do BrasilKrisiun
Banda lista os 5 picos mais demoníacos do Brasil

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Versões originais: 10 músicas que foram tomadas emprestadasVersões originais
10 músicas que foram "tomadas" emprestadas

Krisiun: banda lista os 5 picos mais demoníacos do BrasilMike Terrana: "Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"Doug Aldrich: Quando Ronnie Dio encarou um grandão no barResenha - Cross Purposes - Black Sabbath

Sobre Pedro Bertasso

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336