RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemJimmy Page diz não haver gênio no rock - mas um gênio fez ele se contradizer

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de “Eu Quero Ver o Oco” do Raimundos?

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemRoger Waters ataca a Ucrânia e é ofendido por esposa de David Gilmour


Def Leppard Motley Crue 2

Zona Tribal: Vale pela perseverança nos ideais

Resenha - Zona Tribal - Zona Tribal

Por Mário Orestes Silva
Postado em 19 de dezembro de 2014

Mais uma banda, dentre as que surgiram, na virada do século e continuam em atividades na cidade de Manaus. No ano de 2003 a Zona Tribal lança este seu primeiro CD, homônimo à banda e consegue uma razoável aceitação de público e crítica, não só pela produção do disco, mas sim por seu incansável ritmo de apresentações contínuas, na época.

"Crônica – A Noite" é a canção que abre a bolachinha e exprime logo no início o que se encontrará no restante do disco. Um rock básico calcado diretamente nos grupos do rock nacional da década de 80. A segunda faixa "Em Nome Do Pai" tem uma ótima letra, com uma poesia pronta para fazer refletir qualquer cristão fundamentalista.

A terceira "Aldeia Global" é o maior hit da banda. Já havia ficado famosa na coletânea "Além Da Fronteira – Vol. II" (que também consta a primeira música "Crônica – A Noite"), lançada dois anos antes, mas a música realmente tem uma melodia grudenta. Com um riff que lembra muito a música "Aos Fuzilados Da CSN" dos paulistanos Garotos Podres, a quarta faixa "Suicídio" tem uma letra bem bacana e backing vocals totalmente influenciados por Pixies.

Em seguida vem "Nós Temos Tudo A Ver" que tem uma levada legal e expõe a inspiração no Capital Inicial. "É Tudo" no meio do disco talvez seja a com menos destaque, não apresenta nenhum diferencial marcante e parece muito o grupo Catedral. A próxima "Bandeira Nacional" é uma crítica anti nacionalista com base na ausência de soberania devido à submissão econômica e política do Brasil, ao que é imposto pelas nações desenvolvidas.

Na sequência um bom título: "Apocalipse Segundo O Carnaval". Um pique de punk rock e uma letra bem humorada com um refrão que convida ao coro. "Canção Da Semana" segue sendo outro ponto baixo do disco. Agora já remetendo ao Biquíni Cavadão. Volta um ponto alto com a música homônima à banda. "Zona Tribal" é um punk rock básico que poderia muito bem ter sido gravado pelos Inocentes em sua fase mais comercial.

A décima primeira faixa "Pedras No Liquidificador" é uma boa música esquecida ou ignorada por não ter um bom trabalho de produção. É possível perceber um desafinado da voz numa subida de tom, mas nada que comprometa. A última faixa "Ritual" é outra que tem boa letra e deixa a sensação de que poderia ficar melhor trabalhada. Fechando a bolacha vem um curto instrumental com flauta que mais parece um lamento psicodélico.

O acabamento gráfico até que não é ruim. Com capa de papelão, para contenção de custos evidentemente, o material acaba se tornando vulnerável com o passar do tempo, mesmo com todo o cuidado de um bom colecionador, mas a arte frontal é sugestiva e o encarte conta com foto da banda, fotos artísticas, letras das músicas e créditos detalhados. Fica a ausência de uma produção mais refinada que valorizaria mais ainda o trabalho do grupo. De qualquer forma, vale o registro e o incentivo à Zona Tribal pela perseverança nos ideais.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.
Mais matérias de Mário Orestes Silva.