Dancing Flame: Influência direta dos anos 80

Resenha - Carnival of Flames - Dancing Flame

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A começar pela bela produção, a cargo da própria banda, com masterização no renomado Sterling Sound (EUA) por UE Nastasi, o segundo trabalho do Dancing Flame já demonstra a que veio. Superando o primeiro disco auto-intitulado, a banda mostra um nível de amadurecimento fora do comum.

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

O grupo, que sempre optou por mesclar Hard Rock com Heavy Metal, mostra mais elementos e apresenta uma música encorpada que tem influência direta com o Metal dos anos 80. O porém, fica por conta da roupagem atual que a música do grupo recebe em "Carnival of Flames".

As atuações individuais demonstram uma qualidade impressionante, gerando uma obra prima do Metal. Primeiro as guitarras influenciadas pela NWOBHM com bases e solos memoráveis, tendo uma cozinha consistente que dá todo suporte necessário. Adriano Oliveira é um baita de um vocalista com excelente timbre e possui um equilíbrio impressionante.

O primeiro destaque é a faixa Follow The Sun, que conta com participação especial de Mark Boals (ex-Yngwie Malmsteen e atual Ring of Fire). A faixa possui uma ótima melodia e um refrão contagiante. Higher Place segue a mesma linha, com fraseados de 'matar a pau' e mais um ótimo refrão.

A semi-balada Don't Let Me Down é um hit que tocaria fácil em qualquer rádio Rock, tão boa é sua melodia pegajosa e mais um refrão estonteante. Ainda há espaço para Warriors Path que mostra uma veia Queensryche onde Adriano dá um show e mostra grande influência de Geoff Tate.

Em Dry My Tears D.C. Cooper (Royal Hunt) dá as caras para incrementar ainda mais o trabalho. São 14 faixas (um número relevante para os dias atuais) que mostram uma banda madura e que tira um pouco de cada sub-gênero (Hard Rock, Heavy Metal, Prog Metal) de forma sucinta, gerando um Metal de alto nível. Aprovado!

http://www.dancingflameband.com/
https://www.facebook.com/dancingflameband


Outras resenhas de Carnival of Flames - Dancing Flame

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dancing Flame"


Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blogCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog

Capas: confira 10 das mais belas do Rock/Metal NacionalCapas
Confira 10 das mais belas do Rock/Metal Nacional


Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Dr. Sin: Agora todo mundo lamenta? Vão se foder!, diz Regis TadeuDr. Sin
Agora todo mundo lamenta? Vão se foder!, diz Regis Tadeu

As regras do Prog MetalMusic Radar: Os maiores frontmen de todos os temposBandas novas: a maldição dos coversAC/DC: clássico com Myles Kennedy (Slash) e Steel Panther

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adGooILQ