Condemnation Cristi: Sinfonia Metálica como trilha sonora

Resenha - Soundtracks - Condemnatio Cristi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Este é o segundo álbum destes eslovenos em que o título já nos remete a algo relacionado a trilhas sonoras de filmes. Isto de fato é um dos propósitos, pois podemos sentir essa pegada nos arranjos das composições.

Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasSeparadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)

Mas não espere algo na linha Ambient Music, já que o quinteto foca sua sonoridade no Symphonic Black/Death Metal. Incrivelmente há influências mais rústicas nas composições, ficando latente que a banda não se inspira somente em nomes mais recentes.

Apesar de várias partes interessantes e alguns interlúdios viajantes, a música do Condemnatio Cristi tende a flertar com o Gothic Metal e outras influências. Isso faz com que a banda perca um pouco a característica e soe confusa durante a audição do trabalho.

Faixas como Cross for the Masses, Deathmarch e I Have Seen the Otherworld são de ótima qualidade e mais bem produzidas. Por falar em produção, a mesma oscila de médio pra bom em alguns momentos, fazendo com que a banda perca pontos nisso também. Mas, o conjunto final da obra é bem interessante.

https://www.facebook.com/condemnatiocristioffical
http://condemnatiocristi.bandcamp.com/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Condemnatio Cristi"


Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasDepressão
10 músicas que devem ser evitadas

Separadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)Separadas no nascimento
Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)

Slash: Sweet Child é a coisa mais gay que alguém poderia comporSlash
"Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor

Rock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginarDoors - Perguntas e RespostasRaul Seixas: Por trás da letra de "Carimbador Maluco"Megadeth & Slayer: King e Dave falam da simbiose entre as bandas

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adGooILQ