Deadliness: Um álbum que vale a pena ouvir faixa a faixa

Resenha - Guerreiros do Metal - Deadliness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Henrique Ruas
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não é sempre que vemos no cenário da música pesada uma banda formada por membros da mesma família, no caso do DEADLINESS quem manda é a família Antunes que conta com Roberto (Vocal e Guitarra), Igor (Guitarra) e Ícaro (Baixo) além do Braulio (Bateria) que não é um Antunes, mas é um Guerreiro do Metal.

Slipknot: "para cada Mustaine falando merda há um Hetfield"Chester Bennington: a tocante carta que ele escreveu para Chris Cornell

A banda lançou seu primeiro álbum Guerreiros do Metal em Abril, porém não foi formada agora,o Roberto Antunes (Vocal e Guitarra) criou a banda lá em 1989 e todo esse tempo serviu de experiência para fazer de Guerreiros do Metal um grande petardo do Thrash Metal nacional.

O álbum traz 10 faixas perfeitamente distribuídas, 7 faixas português e 3 em inglês. Eles vem com idéia de fazer um Thrash trazendo influências de diversas bandas, é possível encontrar grandes referências de SLAYER, EXODUS, KREATOR, DESTRUCTION além de solos muitos bem planejados pelo Igor Antunes (guitarra) que não nega sua grande influência de Dimmebag Darrel (PANTERA, DAMAGEPLAN).

O álbum já inicia-se pesado, sem introdução a banda mostra logo para o que veio, a faixa de abertura "Hate" além de trazer um inicio bem pesado ainda mostra que não ouviremos o mesmo sempre, trazendo uma ótima virada de ritmo já encaixado com um solo a lá Dimmebag. A banda não deixa a peteca cair e nem sequer é possível respirar sem antes que acabe "Guerreiros do Metal", a faixa traz uma sincronia de guitarra + bateria + baixo incrível, além de trazer um refrão grudento e bem interessante.

Só temos tempo pra um descanso em "Sanguinários do Poder", mas não espere uma baladinha, porque aqui não tem espaço pra isso, a faixa é mais cadenciada, porém sem perder o peso. Em "Attila" podemos voltar à destruição, ou melhor, podemos mandar abrir a roda.

Talvez em "Terra dos Anjos Caídos" é que possamos perceber a maior presença de SLAYER, a faixa além de ser a maior do álbum ainda traz riffs característicos da dupla Jeff Haneman & Kerry King (SLAYER). Em Overdose podemos ver a grande presença do Ícaro já no início da faixa.

Em "Vida Morta" a banda traz uma ótima letra e uma levada mais leve, mas sem perder o peso. O peso volta a subir em "Aguente sua Cruz" mais uma vez trazendo as ótimas viradas de ritmo que a banda faz em todo o álbum.

Para o final o grupo guarda "Inferno" com solos impressionantes e para fechar esse grande álbum tem a faixa "Headbanger" com uma pegada mais Metallica antigo.

Enfim um grande álbum de uma banda que merece mais espaço para mostrar seu trabalho, sem dúvida uma álbum que vale a pena ser ouvido faixa a faixa sem pular alguma, merecendo assim uma nota 9. Avante Guerreiros do Metal!

Tracklist:
1 - Hate
2 - Guerreiros do Metal
3 - Sanguinários do Poder
4 - Attila
5 - Terra dos Anjos Caidos
6 - Overdose
7 - Vida Morta
8 - Aguente sua Cruz
9 - Inferno
10 - Headbanger


Outras resenhas de Guerreiros do Metal - Deadliness

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Deadliness"


Slipknot: para cada Mustaine falando merda há um HetfieldSlipknot
"para cada Mustaine falando merda há um Hetfield"

Chester Bennington: a tocante carta que ele escreveu para Chris CornellChester Bennington
A tocante carta que ele escreveu para Chris Cornell

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaTúmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUAThrash Metal: 10 baladas escritas por bandas do estilo - Parte 1Pantera: a complicada relação dos irmãos Abbott com o pai

Sobre Pedro Henrique Ruas

Mineiro, 21 anos, Maiden maníaco, contador, gamer, preguiçoso, chato (sempre), passou a ser fã da música pesada, quando aos 10 anos ouviu pela primeira Iron Maiden, fazendo-o a roubar um CD do Seventh Son de um primo.

Mais matérias de Pedro Henrique Ruas no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336