Matérias Mais Lidas

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemLuciana Gimenez tentou aprender com Mick Jagger algo que não funcionou para ela

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemIron Maiden faz mais um show da "Legacy Of The Beast World Tour"; veja setlist

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMike Shinoda não está nada feliz com a interferência das redes sociais na música

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemFernanda Lira, da Crypta, e o papo reto sobre "se falar de política vai perder fãs"

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs


Stamp

Aborted: Músicas tão doentias quanto empolgantes

Resenha - Necrotic Manifesto - Aborted

Por Alisson Caetano
Em 14/09/14

Nota: 6

O resultado obtido em Global Flatline, lançado em 2012, deu mais visibilidade ao ABORTED e seu death metal brutal e influenciado por grindcore, uma mistura que resultava em músicas tão doentias quanto empolgantes.

Se com Global Flatline a banda soube muito bem dosar de forma equilibrada seu death metal semi goregrind com bem vidas variações rítmicas e até um senso melódico bem encaixado, a banda preferiu trilhar em The Necrotic Manifesto caminhos mais diretos, relembrando o início de sua carreira.

No sentido técnico e profissional, a banda continua impecável. A bateria de Ken Bedene continua demolidora, investindo em pegadas brutais e bumbos duplos extremamente velozes. A dupla de guitarras, a cardo de Mendel bij de Leij e Danny Tunker também continuam afiadas e incisivas, com riffs fortes, sem muita firula, entregando a brutalidade que o gênero pede. Já Sven de Caluwé entrega sua performance vocal peculiar de sempre, variando entre vocais rasgados intensos e seu vocal gutural característico.

Até o momento presente, foram listados vários aspectos que fariam de um disco de metal extremo um bom disco, ou seja: bom instrumental, aliado a estruturas rítmicas simples e diretas, isso em se tratando de death metal. O grande problema em The Necrotic Manifesto é justamente soar simples e direto. Em vários momentos temos a impressão de estarmos ouvindo sempre a mesma música.

"Six Feet of Foreplay" é uma das típicas introduções macabras e serve de ponte para "The Extirpation Agenda", com muito peso, levadas alucinantes por parte da bateria e muita influência de grindcore. "Necrotic Manifesto", uma das primeiras faixas a ser liberadas para audição, segue os mesmos caminhos, com mais viradas por parte da bateria e riffs potentes.

"An Enumeration of Cadavers" possui mais cadência em sua parte média, e desde já é um dos destaques positivos. "The Davidian Deceit" é semelhante às anteriores em sua parte inicial, mas encaixa variações de velocidades e riffs grooveados que a tornam outro dos destaques. "Coffin Upon Coffin" segue a mesma receita da faixa anterior: pé no fundo no início que é quebrado por um trecho com solo melódico, não se destacando no fim das contas.

A partir de "Chronicles of Detruncation" não há grandes momentos de destaque, apenas músicas extremamente velozes e muito semelhantes umas às outras. A exceção fica por conta de "Die Verzweiflung", uma faixa lenta, com riffs groove e com um clima macabro muito interessante.

A tentativa em retomar músicas mais simples e diretas acabou gerando um disco que é empolgante apenas de início, perdendo e muito o fôlego durante seu decorrer. Talvez essas músicas funcionem melhor ao vivo, na empolgação do momento, mas para um disco completo acabam soando repetitivas e tornando a audição do disco um processo por vezes até maçante.

Tracklist:

1. Six Feet of Foreplay [Intro]
2. The Extirpation Agenda
3. Necrotic Manifesto
4. An Enumeration of Cadavers
5. Your Entitlement Means Nothing
6. The Davidian Deceit
7. Coffin Upon Coffin
8. Chronicles of Detruncation
9. Sade & Libertine Lunacy
10. Die Verzweiflung
11. Excremental Veracity
12. Purity of Perversion
13. Of Dead Skin & Decay
14. Cenobites

Lineup

Mendel bij de Leij - guitarra
Danny Tunker - guitarra
Ken Bedene - bateria
JB van der Wal - baixo
Sven "Svencho"de Caluwé - vocal


Outras resenhas de Necrotic Manifesto - Aborted

Resenha - Necrotic Manifesto - Aborted

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Death metal: os melhores álbuns do estilo lançados no ano, em lista da Metal HammerDeath metal: os melhores álbuns do estilo lançados no ano, em lista da Metal Hammer

Metal: de Helloween a Cradle of Filth, as 30 melhores capas de 2021Metal: de Helloween a Cradle of Filth, as 30 melhores capas de 2021


Death Metal: cinco bateristas do gênero que são insanos



Sobre Alisson Caetano

Reside no município de Santo Antônio da Platina, PR. Apreciador de música de qualidade, independente do estilo (com maior ênfase nos sons extremos). Redator no blog iniciante The Freak Zine, além de enviar alguns materiais para o Whiplash.

Mais matérias de Alisson Caetano.