Matérias Mais Lidas

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemJulian Lennon relembra quando Paul McCartney escreveu "Hey Jude" para ele

imagemRandy Rhoads gostava de tocar as músicas do Black Sabbath?

imagemTony Iommi: surpreendendo ao eleger seu "Deus do Rock"

imagemA opinião de Rita Lee sobre a fenomenal Cássia Eller

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemAmilcar Christófaro diz que chegou a sondar Vitor Rodrigues para retornar ao Torture Squad

imagemNoel Gallagher revela seu único arrependimento em sair do Oasis

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemTuomas Holopainen achou que o Nightwish fosse acabar após saída de Marko Hietala

imagemDicionário do Metal: cinco bandas com a letra A


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Tulipa Negra: O primeiro disco de blues de uma banda de Manaus

Resenha - Na estufa - Tulipa Negra

Por Mário Orestes Silva
Postado em 11 de setembro de 2014

Uma das primeiras bandas de blues da cidade de Manaus, a Tulipa Negra cometeu erros e acertos que certamente indicaram o título de cult e a extinção do grupo. Um dos maiores erros, sem dúvida nenhuma, era o de não tocar suas músicas próprias nos shows e se limitar a ser uma banda cover pra servir de fundo musical de barzinho. O maior acerto (acerto marcante, por sinal) foi o lançamento de seu único CD no ano de 2000, "Na Estufa". Primeiro disco de blues de uma banda de Manaus.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A bolachinha já abre com um puta rock and roll chamado "Razão De Um Blues". Os arranjos são muito bem encaixados e a letra é digna do mundo rock and blues. Bares esfumaçados por cigarro, bebida em excesso, mulheres sedutoras e som alto. Simplesmente convidativo à dança.

A segunda faixa já cai pra um blues roots. "O Velho" é nada mais e nada menos que um culto apaixonado ao blues com o clima noir da história de um homem idoso em sua decadência existencial. Poderia muito bem ter sido gravada por um dos grandes nomes do blues nacional como Baseado Em Blues, Blues Etílicos ou Celso Blues Boy.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A terceira "Sangue A Mil" é um grande rythm blues. O bom solo de guitarra e o acompanhamento profissional de excelentes músicos chega a ser marcante. A seguinte "Miragem Sua" volta ao blues clássico. A influência de B.B. King é explícita. A letra desta faixa, bem como da anterior, não foge do clichê padrão de paixão por alguma musa qualquer. Nesta, há solos do guitarrista, do tecladista e do saxofonista.

Na sequência vem a mais comercial e fraca do disco. "Amargo Âmago" cairia muito bem na voz da maravilhosa Ângela Rô Rô. Um blues pop, quase balada, que poderia estar incluso no "jabá" das rádios. Em seguida vem uma boa surpresa. "Fugindo Da Polícia" é um rock and rollzão com pitadas rockabilly instrumental que volta a levantar o astral do disco e convida novamente à dança.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Após o solo da guitarra, entra um solo de teclado, seguido de um sutil solo do contrabaixo e um pequeno solo de bateria que culmina no entrosamento cativante de todos os músicos. A penúltima música é a que dá nome ao CD. "Na Estufa" é um outro rythm blues muito bacana que em sua poética letra compara uma mulher, com seu perfume embriagante, a uma flor na estufa.

Pra fechar o trabalho outra boa surpresa. "Rio Negro, Negro Blues" é um lindo jazz instrumental que deixa seu swing gravado na memória. Seu final também tem pequenos solos de contrabaixo e de bateria.

Dois são os músicos em destaque desta formação no grupo. O ótimo guitarrista Matheus Gondim (atual guitarrista/vocalista da Soda Billy) e o saxofonista Milton Calvoso (que já gravou com Bocato). Nos créditos consta a participação de Helmut Quacken (baterista da Glory Opera), mas não se diz em que canção. Ausência de créditos mais detalhados e de letras das músicas é um paradigma nos discos das bandas manauaras, que ainda não atentaram a importância crucial da arte gráfica de um trabalho.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

A banda já teve dezenas de formações, mas acabou se tornando patrimônio do front man Augusto Rocha que fazia os vocais e chegou a tocar bateria no disco e em shows. Se um dia voltar à ativa, a Tulipa Negra dificilmente reunirá essa formação ou contará com o grande baterista Voulner Sá (ex-baterista da banda que também integrou a Deskarados). Porém, este CD é um registro histórico e merece destaque na discografia de Manaus.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Lift Detox
Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Bandas: Por que ninguém está indo a seus shows?

Metal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva.