Hugo Mariutti: Álbum solo é surpreendente do início ao fim

Resenha - A Blank Sheet of Paper - Hugo Mariutti

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luiz Felipe Lima
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Ouvir disco solo de guitarrista costuma ser uma experiência bastante previsível. Sejam músicos nacionais ou internacionais, famosos ou não, o fato é que a grande maioria deles, ao fazer um álbum solo, segue um tradicional esquema: fazer músicas instrumentais, com longos e intrincados solos de guitarra que parecem ser feitos mais para serem ouvidos por guitarristas do que pelo público em geral.
73 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosMetallica: a lista de exigências da banda em 1983

Porém, como toda regra tem suas exceções, é óbvio que alguns discos saem do lugar comum e possuem características bastante distintas. Álbuns como o Book Of Shadows do Zakk Wylde ou o Brainworms I do Rafael Bittencourt (guitarrista do Angra) fogem desse padrão e são ótimos trabalhos. Muito disso se deve ao fato de estes discos mostrarem facetas musicais diferentes das que os seus fãs estão acostumados. Porém, devo confessar que fazia tempo que eu não via um trabalho solo tão surpreendente quanto A Blank Sheet of Paper.

THE OPPOSITE SIDE OF MIGHT

Hugo Mariutti é bastante conhecido pelos seus trabalhos no Shaman e no Andre Matos, mas no seu disco solo ele traz algo completamente diferente. Aqui você vai encontrar baterias eletrônicas, vocais bastante intimistas e muita influência do rock inglês (como disse o guitarrista em sua entrevista exclusiva para o DELFOS), mas nada de metal. Aliás, para não falar que não tem nada, tem alguns segundos de um solo um pouco mais técnico na faixa título, mas é tão ínfimo que nem faz diferença.

E isso nos traz a um ponto importante desta resenha: o que você vai ler aqui é a opinião de um fã de metal que não conhece nada do que este disco apresenta. Com essas tantas influências de música eletrônica e rock inglês, talvez as melhores pessoas para resenharem este disco fossem a Joanna, o Allan ou o Cyrino. Porém, assim como a Joanna já resenhou um disco de metal, por que eu não poderia resenhar o disco do Hugo? Opiniões diferentes são sempre interessantes, não é mesmo? Pois vamos ao faixa-a-faixa.

AFTER THE RAIN COMES THE SUN

O disco começa com a faixa-título, e é interessante como as primeiras notas dessa música já dão a sensação instigante que vai permear o álbum inteiro. A introdução da música soa extremamente experimental, e ainda hoje, após muitas ouvidas, sinto alguma estranheza ao ouvi-la. Mesmo assim, a faixa é muito consistente, e quando a introdução passa e ela chega à sua segunda parte mostra de fato a que veio. Repleta de texturas, é uma das melhores músicas do disco, sem dúvida.

As faixas seguintes, Breakdown e The Opposite Side of Might, são bastante intimistas e também com muitas texturas. A imersão que essas faixas causam me lembrou bastante das músicas do Pink Floyd - não porque pareçam com as músicas da banda, mas porque trazem tantas sensações quanto elas. São bastante experimentais, e talvez por isso difíceis de assimilar, mas ainda assim são ótimas faixas.

Erase Me é um caso à parte. Ela seria uma balada normal se não fosse pela batida eletrônica ao fundo, acompanhando a voz e o piano. Essa singularidade dá uma pegada bastante diferente na música e torna ela ainda mais interessante do que seria normalmente. Os vocais de Hugo Mariutti, que cantou neste disco, também merecem destaque, pois funcionam muito bem. A julgar pelo fato de seu ofício ser a guitarra e não o canto, Hugo tem uma performance surpreendente.

A seguir vem Thanks For Your Existence, que é dedicada ao filho do guitarrista. Esta música é bastante diferente das baladas que normalmente os músicos fazem para filhos, mas também funciona muito bem. Infelizmente ela é bem curta (menos de três minutos) e deixa a sensação de que poderia ter ficado ainda melhor, mas mesmo assim é uma ótima música.

WHAT ELSE CAN I SAY?

Depois vem Save My Brain, que é a música mais "normal" do disco - e talvez por isso escolhida como um dos singles. Nela, Hugo tem uma de suas melhores performances vocais em todo o álbum e a animação que permeia a faixa é contagiante. Vale a pena conferir.

Dummy também traz o clima de imersão das outras músicas, porém não soa tão interessante. Já Out, a faixa seguinte, tem tantas sonoridades diferentes e tantas nuances quase ao mesmo tempo que também a colocam em destaque, sendo uma faixa bastante progressiva.

E o disco se encerra com Here Now, que é a que melhor representa o disco como um todo. Com um inicio melancólico, a faixa cresce de uma forma muito peculiar e atinge seu auge de forma grandiosa. Com muitas texturas e muitos detalhes, é sem dúvida a melhor faixa do álbum.

DON'T TURN AWAY

A Blank Sheet of Paper é surpreendente do início ao fim e completamente inesperado, o que é muito bom. Se você gosta do guitarrista, vale a pena ouvir o disco e descobrir este lado diferente. E se você não gosta, talvez esta seja a chance de se tornar fã do músico.

CURIOSIDADES

- O disco teve sua produção financiada pelos fãs através do site Catarse, onde eles pagam valores pré-determinados e assim podem adquirir o CD em primeira mão, além de contribuírem diretamente para a produção do trabalho. Isso permitiu que o álbum fosse mixado no famoso Estúdio Abbey Road.

- A imagem que ilustra a chamada desta resenha foi feita pelo filho de Hugo e se encontra no encarte do CD e também nas palhetas produzidas pelo músico com o tema do álbum.

Matéria originalmente publicada no site DELFOS:
http://www.delfos.jor.br

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de junho de 2014

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

73 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons384 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1418 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?1353 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Black SabbathBlack Sabbath
Ícones do metal nacional se despedem da banda

AngraAngra
Veja Rafael "ensinando" Valverde a tocar bateria

Andre MatosAndre Matos
Confira o incrível alcance do vocalista

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Hugo Mariutti"0 acessosTodas as matérias sobre "Shaman"0 acessosTodas as matérias sobre "Andre Matos"0 acessosTodas as matérias sobre "Viper"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

MetallicaMetallica
A lista de exigências da banda em 1983

TraduçãoTradução
O clássico The Wall, do Pink Floyd

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Sebastian Bach muito antes da fama

5000 acessosNirvana: divulgadas novas fotos da cena da morte de Kurt Cobain5000 acessosLGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais5000 acessosMetallica: Rock In Rio explica pane que ocorreu durante o show5000 acessosRock vs Sertanejo: a diferença dos gêneros no mercado musical brasileiro3944 acessosChris Cornell: misturando One do Metallica e U2 na mesma música5000 acessosDavid Lee Roth: "Já fui rico e pobre! Ser rico é melhor!"

Sobre Luiz Felipe Lima

Depois de ficar louco com o Ritualive do Shaman nos primórdios dos anos 2000, a sua trajetória no Metal apenas se intensificou. Fã inveterado de Pantera, aprendeu rápido que é possível achar música boa desde Death até Europe, e escreve para que cada vez mais pessoas consigam perceber que não se pode ter uma mente pequena se você quiser conhecer grandes músicas.

Mais matérias de Luiz Felipe Lima no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online