RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Anathema: Uma aula de destemida curiosidade sonora

Resenha - Distant Satellites - Anathema

Por Angélica Amâncio
Postado em 04 de junho de 2014

Nota: 10

Não é de hoje que o ANATHEMA decidiu trocar os subterrâneos do doom metal por uma pegada, digamos, mais "celestial". Não é que a banda tenha se voltado para o white e esteja compondo músicas cristãs, mas o que comprovam os títulos dos últimos álbuns e de muitas de suas canções, como "Thin air" e "Summerlight horizon", do "We´re here because we´re here" (2010), "The storm before the calm" e "The gathering of the clouds", do "Weather Systems" (2012), é que o céu tem sido recorrente na pauta de interesses desses ingleses de Liverpool.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Diferentemente, entretanto, da apoteose quase religiosa dos agudos de LEE DOUGLAS em "The lightning song", do disco anterior, o "celeste" de "Distant Satellites" (2014) parece, de fato, referir-se a uma concepção mais astronômica, mais concreta, do céu. As letras ainda falam dos sussurros da brisa, de almas voadoras e espíritos refletindo-se por aí, mas sonoramente o álbum se afasta consideravelmente dos dois últimos. Produzido por CHRISTER-ANDER CEDERBERG – responsável também pela mixagem do trabalho anterior – e gravado na capital da Noruega, "Distant Satellites" tem uma atmosfera mais obscura.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quase todas as canções estão em tom menor, há certa preferência por notas mais graves, mesmo nas atuações da vocalista feminina – como nas suaves "Ariel" e "The lost song – Part 2" – e o destaque é dado notavelmente à base, ou seja, ao baixo e, principalmente, à bateria. O ritmo sincopado está presente já na canção de abertura, a bela "The lost song – Part 1", e dá um tom mais agitado e dançante a faixas como "The lost song – Part 3", ápice da harmonia entre as vozes de LEE DOUGLAS e VINCENT CAVANAGH, bem-sucedido dueto, que, já fascinante em "Untouchable Part 2", de 2012, está sintomaticamente mais presente no disco atual. A batida eletrônica, que já dera as caras anteriormente, como na mencionada "The storm before the calm", perpassa livremente todo este novo álbum, remetendo, muitas vezes, àquela que tem sido confessadamente uma das maiores influências para o grupo nos últimos tempos, o RADIOHEAD, especialmente na faixa que dá título ao disco e na qual mesmo a linha melódica parece inspirada na voz de THOM YORKE.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E uma terceira voz se soma, de fato, ao trabalho: a de DANIEL CAVANAGH, que se faz ouvir na última faixa, "Take shelter" – a qual, ao lado da oitava, "Firelight", é a composição mais atmosférica da obra – e na interessante "You´re not alone". Esta, que tem início com acordes graves de piano, instrumento em evidência nesta obra, vai ganhando gradativamente andamento, até atingir o peso dinâmico do instrumental no fim. A estrutura é semelhante em "Anathema", sexta música da sequência, que tem, no entanto, ritmo mais arrastado do que "You´re not alone", e maior abertura para a guitarra do mais velhos dos irmãos CAVANAGH.

A intensa "Dusk" é, talvez, a que melhor exemplifique o que afirmou VINCENT, em entrevista publicada no Whiplash no último 01 de junho: segundo o vocalista, este teria sido o álbum mais improvisado da banda, em que a maturidade e o bom momento na vida pessoal dos integrantes teriam permitido que as canções fossem compostas com facilidade, como se elas se fizessem sozinhas e livremente. "Dusk", de execução intrincada, harmoniza de forma menos tradicional os vocais, e tem um subtítulo curioso entre parêntese: "dark is descending". É como se, no único título que remete diretamente ao céu ("Crepúsculo"), fosse preciso assinalar a escuridão que o acompanha, neste que é o álbum mais soturno do ANATHEMA nos últimos anos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os fãs sabem, no entanto, que isso não é um veredito. Como escreveu Dom Lawson, para o jornal britânico "The Guardian", "Distant Satellites" é uma aula de destemida curiosidade sonora. Em quase vinte e cinco anos de carreira, o ANATHEMA tem provado estar sempre pronto a se renovar, sem perder a consistência e a capacidade de compor algumas das mais belas canções sobre a Terra.

Resta torcer para que o grupo, depois da memorável turnê pelo Brasil no ano passado – após várias malogradas tentativas –, e da recente aparição de DANNY CAVANAGH, ao lado de ANNEKE VAN GIESBERGEN, volte a tocar em breve nos palcos tupiniquins e nos dê a honra de ouvir de perto esses "Distant Satellites".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

TRACKLIST:
1. "The Lost Song, Part 1" - 5:53
2. "The Lost Song, Part 2" - 5:47
3. "Dusk (Dark Is Descending)" (D. Cavanagh, Vincent Cavanagh) - 5:59
4. "Ariel" - 6:28
5. "The Lost Song, Part 3" - 5:21
6. "Anathema" - 6:40
7. "You're Not Alone" (D. Cavanagh, Jamie Cavanagh, John Douglas) - 3:26
8. "Firelight" - 2:42
9. "Distant Satellites" (D. Cavanagh, Douglas) - 8:17
10. "Take Shelter" - 6:07

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Distant Satellites - Anathema

Resenha - Distant Satellites - Anathema

Resenha - Distant Satellites - Anathema

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze

Anathema até Motörhead: 10 bandas que usaram seus nomes como títulos de músicas

Opeth: "Fã de Metal só quer saber de ter seu McLanche Feliz"


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal