Executer: "Helliday" é pesado, intenso e conciso

Resenha - Helliday - Executer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Afonso Ellero
Enviar correções  |  Ver Acessos


O EXECUTER se prepara para sua primeira tour europeia e vai atravessar o Atlântico com novidades embaixo dos braços. Depois de um hiato de oito anos a lendária banda paulista de thrash metal acaba de lançar seu mais novo trabalho, "Helliday".

Black Sabbath: os vocalistas misteriosos da bandaBlasfêmias?: Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Produzido pela própria banda e gravado no Pínola Estúdios (Amparo/SP) o petardo acerta em cheio ao não propor mudanças substanciais aos acordes característicos da banda e mantém a mesma pegada rápida de sempre, o que deve agradar os fãs dessa turma que já tem mais de ¼ de século na cena metálica.

Com a arte assinada por Giovanna Guimarães o álbum já começa com o pé direito ao escolher uma capa criativa e muito bem trabalhada em cima do que o conceito do título propõe.

Com um conteúdo poli temático a banda foge do lugar comum quando o assunto são as letras, que mesclam subjetividade e objetividade ao longo das 8 faixas que compõe o álbum.

Durante os cerca de 30 minutos de duração o que vemos é uma trilha sonora que parece ter sido composta única e exclusivamente para convidar o público para um mosh pit interminável, pois as partes mais lentas podem até ser renomeadas como "menos rápidas", o que não significa dizer que os acordes sejam tocados na velocidade da luz.

Marcelo Béba dita o ritmo utilizando uma pegada rápida e conservadora emendando viradas precisas e atacando os pratos de forma cirúrgica. O mais performático dos músicos ao vivo também mostra a mesma característica no estúdio. Paulo Castro opta pelo pragmatismo na marcação dos momentos mais rápidos para expor seu lado mais técnico nas passagens mais cadenciadas e nas "paradas" da bateria.

Os vocais de Juca Garcia seguem a mesma linha rasgada de sempre, porém se mantém inteligível durante todas as canções sendo possível entender as letras sem precisar do auxílio do encarte.

Riffs simples, solos econômicos (nem por isso menos técnicos) e uma incrível precisão nas mudanças de andamento. Assim são as passagens de guitarra de Elias Siqueira que tem nessa simplicidade o fator que mais chama a atenção, pois ao evitar os devaneios de virtuosidade propõe uma pegada mais enérgica e direta.

O EXECUTER mais uma vez mostra que seu DNA não está nesse ou aquele destaque pessoal. A banda que toca com a mesma formação há 26 anos já percebeu que a somatória dos quatro elementos é que dá a identidade final.

As canções duram em média quatro minutos e eu destacaria em um primeiro plano a faixa título "Helliday" e "Hangover", primeira música composta para esse álbum e que, em minha modesta opinião, é a melhor do trabalho. Sua letra expressa um pouco do "Way of Life" dos músicos e tem um arranjo menos rápido e mais cadenciado que as demais faixas. Hit pronto, o som lembra um pouco do bom e velho EXODUS.

Já conhecida dos fãs por fazer parte do DVD oficial da banda, "Dawn Speach" funciona tão bem em estúdio quanto ao vivo por conta de sua intensidade e discurso político.

De todas as letras a mais incisiva fica por conta de "Brain Washing Machine". Com uma temática atual a composição faz uma crítica feroz aos pseudo lideres religiosos que fazem uma lavagem cerebral em seus fiéis.
Difícil não acreditar que encontraremos vários elementos desse trabalho na lista dos melhores de 2014, pois basta uma única audição para perceber que se trata de um álbum diferenciado apesar da simplicidade com que foi composto. Talvez seja nessa "descomplicação" e objetividade que esteja escondida a fórmula que tanto agrada os fãs que acompanham a história do EXECUTER.

Pesado, intenso e principalmente rápido. Rápido até demais, já que fica aquela de sensação de "parou por quê?" ao terminar a última faixa.

Comecei essa resenha informando que o EXECUTER atravessará o Atlântico com novidades para os europeus e termino com uma notícia quentíssima: a banda retorna com boa parte do material que será usado na produção de um documentário que contará sua história desde o seu surgimento até o sonho de uma tour internacional. O DVD será produzido por Reginaldo Leme, que não é o que comenta Fórmula 1 na Rede Globo, e deverá estar disponível ainda em 2014.

"Helliday" certamente figurará na história do EXECUTER não como um divisor de águas, mas sim como a consolidação de uma banda do mais puro e autêntico Brazilian Thrash Metal.


Outras resenhas de Helliday - Executer

Executer: Veteranos do Thrash ensinando como se fazExecuter: Aguardado retorno de uma das lendas do thrash nacional




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Executer"


Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Black Sabbath: os vocalistas misteriosos da bandaBlack Sabbath
Os vocalistas misteriosos da banda

Blasfêmias?: Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e DeusBlasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus


Sobre Afonso Ellero

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336