Chakal: Um álbum que faz jus à história da banda

Resenha - Destroy! Destroy! Destroy! - Chakal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Ativa desde 1985, o Chakal é uma banda ímpar. É complicado tecer comentários sobre eles sem "chover no molhado", devido à grande importância que possuem não apenas no cenário musical mineiro, mas também no nacional. Após quase nove anos sem lançar nenhum álbum de estúdio, já que o anterior, "Demon King", é de dezembro de 2004, em novembro de 2013 nos brindam com um álbum incrível e surpreendente.

Simone Simons: a nudez na capa de Divine ConspiracyGuitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteira

"Destroy! Destroy! Destroy!" é o sexto álbum de estúdio do Chakal e foi produzido pelo próprio guitarrista (Andrevil) e pela própria banda. Lançado de modo independente, conta com ótima produção, com os instrumentos soando todos de modo cristalino, porém não deixando a crueza do Thrash Metal de lado.

A faixa de abertura, "Exorcise Me", já dá mostras do que está por vir, começando com um breve e belo solo de bateria e descambando para a mais pura agressividade e peso. Os riffs de guitarra estão sensacionais, assim como o vocal de Vladimir Korg, que está excelente, com ótimas linhas! Ele sabe se impor, cantando de modo muito agressivo, porém sem soar exagerado. Há de se mencionar os solos de guitarra executados na mencionada faixa, pois são muito criativos e versáteis! Excelente música!

As duas músicas seguintes, "Killing Van Hellsing" e "Headhshooting For Dummies", contam com muito peso, versatilidade e agressividade, com solos de guitarra e riffs (e que riffs esplêndidos!), mais uma vez, primorosos! Aliás, o álbum inteiro está repleto deles, e todos fogem do que podemos chamar de "lugar comum"!

Na faixa-título do álbum podemos ouvir uma banda em perfeita sincronia, tocando de modo apaixonado. É "Headbanging puro", do início ao fim! Os riffs estão excelentes, assim como os solos! Um dos grandes destaques, embora seja complicado tentar citá-los, já que todo o álbum está repleto de músicas marcantes e fortes!

Outra música que precisa ser mencionada é a "Nyctophilia", que impressiona pelo instrumental de alto nível musical e técnico! Maravilhosa e cativante! A banda soube criar uma verdadeira obra-prima instrumental, com musicalidade de sobra!

Nas três músicas seguintes, "God Of Gore", "Anubis, The Lord Of Necropolis" e "Equinox", somos brindados com mais três pérolas, que contêm todos os ingredientes necessários para uma bela aula de como se fazer música pesada e agressiva, sem soar exagerado ou presunçoso. Embora todas as faixas do álbum sejam repletas de agressividade e peso, são de fácil memorização, devido ao excelente e diversificado trabalho instrumental e vocal. Tudo se encaixa, os já mencionados riffs de guitarra, que logo "colam" na mente, os solos que primam por muita melodia e versatilidade, ora mais rápidos e agressivos, ora mais melódicos, assim como a bateria, muito bem executada e bem "na cara", e o contrabaixo que também não fica atrás no quesito técnica e precisão!

As duas últimas faixas do petardo, "Disturbia" (contando com um dos solos mais belos do álbum) e "Possessed Landscape (The Island Of The Dead)", são soberbas e fecham o trabalho com "chave de ouro", já nos dando vontade de escutá-lo novamente, por se tratar de um álbum tão forte e coeso, composto com tanto esmero e precisão.

Como mencionado no início da matéria, o Chakal é uma banda que dispensa maiores comentários e merece muito mais reconhecimento pelo excelente trabalho que já faz há quase três décadas. Embora tenha tido uma pausa em suas atividades entre o ano de 1993 e 2003, entre os álbuns "Death Is A Lonely Business" e "Deadland", respectivamente, se mantiveram autênticos e relevantes no decorrer dos anos. Em "Destroy! Destroy! Destroy!" temos essa comprovação, em um disco que possui inúmeras qualidades, com uma musicalidade e técnica soberbas! Pode ser cedo para afirmar tal coisa, mas é um dos discos mais consistentes e fortes da banda, por contar com todos os elementos presentes nos álbuns anteriores, porém não soando como meras cópias e sim reproduzidos de modo apaixonado, enérgico, com "gás novo" e fiel às suas raízes! Não há sequer nenhuma composição que possa ser considerada dispensável ou "sobra de estúdio", muito pelo contrário, todas as músicas são excelentes e se interligam, de modo que é um álbum para se ouvir na íntegra! Um verdadeiro petardo, indispensável aos fãs de Thrash Metal e da música pesada, de um modo geral, pois o que temos aqui é uma aula de como se fazer um álbum agressivo, pesado e técnico, sem soar exagerado! Parabéns à banda pelo excelente trabalho! Audição obrigatória!

Formação:

Vladimir Korg: Vocal
Andrevil: Guitarra
Mark: Guitarra
Cassio Corsino: Baixo
Wiz: Bateria

Faixas:

1 - Exorcise Me
2 - Killing Van Helsing
3 - Headshooting For Dummies
4 - Destroy! Destroy! Destroy!
5 - Nyctophilia (Instrumental)
6 - God Of Gore
7 - Anubis, The Lord Of Necropolis
8 - Equinox
9 - Disturbia
10 - Possessed Landscape (The Island Of The Dead)



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Chakal"


Simone Simons: a nudez na capa de Divine ConspiracySimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

Guitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteiraGuitar Hero
Veja como o jogo desgraçou uma geração inteira

Drogas: As melhores músicas sobre o temaDrogas
As melhores músicas sobre o tema

Black Sabbath: os vocalistas misteriosos da bandaQueen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian RhapsodyIron Maiden: quase na virada do ano, foto junta 4/5 da formação originalDave Mustaine: Não há solos no Nü Metal porque os guitarristas não sabem tocar

Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.