Sonata Arctica: Muito além de uma volta às raízes

Resenha - Pariah's Child - Sonata Arctica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gustavo Maiato
Enviar correções  |  Ver Acessos


Os finlandeses do Sonata Arctica fizeram questão de dizer que o oitavo álbum de estúdio da banda Pariah's Child seria uma volta às origens. Até passaram a usar o logo antigo e colocaram a imagem do lobo na capa, velho mascote. Durante as dez faixas, porém, vemos um disco que vai muito além dessa proposta do oldschool e acaba passeando pelas diversas fases da banda e trazendo coisas novas. Algumas músicas mais rápidas e grudentas lembram trabalhos antigos como Ecliptica e Silence, mas vemos faixas orquestradas que poderiam estar no The Days of Grays e outras mais experimentais com a cara do Unia.

Sonata Arctica: nova longa turnê pela América Latina em 2020USA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

A primeira música The Wolves Die Young foi também o primeiro single e clipe. É uma música mid tempo que começa com um riff de guitarra bem melódico. A melodia do verso é uma das mais interessantes do disco, entrando na cabeça logo de cara. Vai funcionar muito bem ao vivo. A letra é inspirada no velho conto da rainha que usa uma roupa que supostamente só os inteligentes podem ver, mas na verdade ela está nua. Uma característica marcante desse álbum é o fato de algumas letras serem pequenas histórias, como pequenos contos. A banda já costumava fazer isso, como em White Pearl, Black Oceans e Caleb.

Para quem estava ansioso pela tão esperada volta às origens, Running Lights agradou. A música bebeu da mesma fonte de Ecliptica e principalmente do Silence. O baterista Tommy Portimo havia declarado que gostava muito de tocar esse estilo mais rápido característico do power metal, então essa música provavelmente foi a que ele mais gostou de executar. A canção começa com uma pequena virada de bateria seguida do som de um motor de carro. A letra traz reflexões sobre a passagem do tempo e a evolução humana: "Once upon the future we're gonna blame the evolution". Logo em seguida, entra um riff melódico com a bateria rápida bem oldschool, lembrando clássicos como Victoria's Secret, My Selence e San Sebastian. Para os amantes da escola Helloween de power metal, a música é um dos pontos altos do disco.

Take one breath começa com o som do metrônomo marcando o tempo da música e então o piano de Henrik Klingenberg soa uma escala bem bonita. A bateria entra com tons e surdos em uma levada mais cadenciada. Nesse álbum, Tony Kakko precisou exercitar muito seu lado ator, uma vez que o quesito interpretação foi bastante utilizado. Seja narrando, fazendo voz engraçada, rasgada, mudando de timbre... Tony mostrou muita versatilidade. Pelo experimentalismo e cadência, essa música lembra um pouco os trabalhos do Unia.

O segundo single Cloud Factory é a música a seguir. Ela já começa no verso, com uma bela melodia e refrão grudento (até demais!). O refrão é grande e repete sempre a mesma melodia o que pode causar uma sensação de repetição e ficar meio enjoativa. Henrik está buscando novos sons e nesse álbum ele usa muito o órgão, como nessa música. A estrutura da canção é padrão e o ponto mais diferenciado é na hora do solo que é acompanhado por um coral meio folk lembrando uma festa pirata. Tony brinca mais uma vez com seu timbre, produzindo sons engraçados e agudos.

O álbum possui momentos em que soa parecido com trilhas sonoras. Bem grandioso. A quinta música é a Blood que poderia fazer parte de um filme de suspense. O começo já arrepia com o som de um uivo ao longe e um piano pontuando. A música vai crescendo com os strings e a voz de Tony aparece no verso, dessa vez alterada para parecer falada ao autofalante. É uma música sobre o medo, lobos e pessoas (a palavra "fear" aparece 13 vezes na letra).

Nesse álbum o guitarrista Elias Viljanen está bem apagado. Quase não se vê riffs de guitarra que se destaquem. Quando a guitarra aparece na introdução, está sempre sendo co-protagonista junto com o teclado. Os timbres também foram pouco explorados (90% é guitarra distorcida). Os solos foram o ponto alto, bem inspirados, principalmente os mais lentos. O novato baixista Pasi Kauppinen elevou o uso de seu instrumento na banda a um nível completamente diferente. Antes o baixo era mais tímido no conjunto geral, agora há até mesmo um riff de baixo na The Wolves Die Young.

What did you do in the war, dad? é talvez a música mais interessante do álbum. Ela é estruturada em um diálogo entre um filho e um pai onde o filho reflete que o pai não sorri e anda sempre triste. O pai explica que viu coisas horríveis na guerra e que o filho é muito jovem para entender. É a melhor melodia do álbum, muito tocante e profunda, passando todo o peso e sofrimento que a letra pede. Em seguida um pequeno coro estilo Danny Elfman começa, reforçando o aspecto sombrio da música. Essa passagem é muito original se observarmos a discografia do Sonata. A música vai crescendo e alternando com passagens mais calmas, solos e riffs. A introdução lembra um pouco a Unopened ou a Revontulet, do Ecliptica e Silence respectivamente.

A próxima é a Half a Marathon Man. A introdução é bem interessante, com um violão e vários sons de teclado criando uma atmosfera e o baixo bem marcante brincando na escala. Um timbre bastante recorrente durante o Pariah's Child é o órgão, que já foi utilizado, por exemplo, no clássico Don't say a word, do Reckoning Night. Nessa música, o uso do órgão aliado ao solo "Stevemorsiano" de Elias faz surgir uma sonoridade meio hard rock. Dessa vez é a palavra "beautiful" que repete muito: 35 vezes.

O álbum é ousado de certa forma. Muitas experimentações principalmente com a voz de Tony; Uso de sons externos como o motor em Running Lights, o rosnado de lobo na The Wolves Die Young, sons de fábrica na Cloud Factory e o uivo na Blood. Não foi uma transgressão completa como na passagem de Reckoning Night para Unia, mas não se pode dizer que a banda ficou na mesmice do antecessor Stones Grow Her Name.

X Marks the Spot é uma música com certa dose de humor. Não sei se a proposta é levar tão a sério essa faixa, já que ela é uma história cômica narrada por Tony, com um conjunto de falas e passagens realmente melódicas e musicais no meio. Não é uma faixa ruim, mas também não acrescenta muito ao disco. No final, Tony dá uma de Jack Black em Escola do Rock conduzindo um coro infantil. Love é a balada que não pode faltar em um álbum do Sonata. Ela cumpre bem o seu papel. Se for tocada ao vivo, irá emocionar a plateia principalmente com seu refrão. É covardia comparar com baladas antigas como Tallulah e Last Drop Falls, mas é uma típica música lenta com padrão Sonata de qualidade.

Larger than life foi o maior desafio em termos de composição, como é um desafio toda música de 10 minutos. Ela começa com orquestrações, tímpanos, violinos e instrumentos de sopro trazidos dos melhores momentos do The Days of Gray. Em seguida ela vai ganhando peso e crescendo, trazendo citações de peças de Shakespeare na letra: "Hemlet in Lapland, King Lear died in Vienna; Venice and Othello, Madrid I am Henry the 8th...". Ela é toda muito teatral, até mesmo operesca. Tony abusa das interpretações e as passagens Danny Elfman aparecem mais uma vez. Enfim, tem tudo que uma música de dez minutos tem a oferecer, embora careça de uma melodia mais marcante.

Pariah's Child é um disco bom que mostra a mente fértil de Tony Kakko trabalhando a todo vapor. Não é uma volta às raízes como prometido na propaganda do álbum. Mais do que isso, ele passeia pelos álbuns anteriores, trazendo influências. O caminho que a banda está escolhendo para trilhar ultimamente é imprevisível, pois nenhum álbum desde o Unia parece ser uma sequência óbvia do outro. Talvez com o tempo surja um novo padrão para a sonoridade da banda, mas hoje em dia cada álbum é uma caixinha de surpresas. Felizmente, boas surpresas.


Outras resenhas de Pariah's Child - Sonata Arctica

Sonata Arctica: Justificando porque está tão em altaSonata Arctica: Volta às raízes, ma non tanto




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sonata Arctica"


Sonata Arctica: nova longa turnê pela América Latina em 2020Sonata Arctica: shows em oito cidades no Brasil em abril de 2020

Sonata Arctica: banda marca décimo lançamento com seu pior álbumSonata Arctica
Banda marca décimo lançamento com seu pior álbum

Sonata Arctica: confira o vídeo da nova música "Who Failed The Most"Sonata Arctica: banda libera seu 10° disco de estúdio, Talviyö

Álbuns Decepcionantes: blog elege o Top 5 de 2014Álbuns Decepcionantes
Blog elege o Top 5 de 2014

Sonata Arctica no Brasil: Achavam que éramos os caras do GunsSonata Arctica no Brasil
"Achavam que éramos os caras do Guns"

Sonata Arctica: não somos mais power metal, diz vocalistaSonata Arctica
"não somos mais power metal", diz vocalista


USA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUAUSA Today
As 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Rock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginarRock In Rio I
Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar

Rock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?Rock In Rio
Por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com

Black Sabbath: clássico dos 70s tem o maior riff de todos os temposBlack Sabbath
Clássico dos 70s tem o maior riff de todos os tempos

The Black Keys: baterista detona o Van HalenThe Black Keys
Baterista detona o Van Halen


Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, músico e fã. O heavy metal entrou na sua vida há 10 anos e nunca mais saiu. Gosta de estudar o tema e compreender o metal como manifestação cultural.

Mais matérias de Gustavo Maiato no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336