Sonata Arctica: Volta às raízes, ma non tanto

Resenha - Pariah's Child - Sonata Arctica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos


Seguindo os passos da banda alemã EDGUY, o SONATA ARCTICA resolveu lançar um álbum "de volta às raízes". Voltar às raízes, no caso, era um desafio e tanto, considerando o quão distante o SONATA foi para inovar seu som. Para esta aventura, não contaram com seu antigo baixista MARKO PAASIKOSKI, que decidiu sair da banda em 2013 e logo foi substituído pelo competente PASI KAUPPINEN, que já havia trabalhado na parte técnica de três álbuns e dois DVDs do quinteto.

Sonata Arctica: nova longa turnê pela América Latina em 2020Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famosos

Pariah's Child abre com a morna "The Wolves Die Young", primeiro single e vídeo. O segundo single e quarta faixa, "Cloud Factory", segue mais ou menos a mesma linha. Nem muito pesada, nem muito moderna, mas ao menos traz um breve duelo entre o guitarrista ELIAS VILJANEN e o tecladista HENRIK KLINGENBERG - aproveite, pois é um dos poucos momentos de "fritação" que você ouvirá aqui.

A segunda faixa, "Running Lights", dá sinais de que a volta às raízes era papo sério. O belo trabalho de TOMMY PORTIMO na bateria, não por um acaso, foi uma homenagem ao alemão JÖRG MICHAEL, ex-STRATOVARIUS, segundo declaração de TOMMY em uma série de dois vídeos de comentários faixa-a-faixa. A quinta faixa, "Blood", uma das mais agressivas e com leves toques progressivos, reforça a intenção da banda de voltar ao que era antes. Mas a coisa parece ter morrido mais ou menos por aí mesmo.

"Take One Breath", por exemplo, é uma das mais experimentais do disco e talvez até de toda a carreira do grupo. A melancólica "What Did You Do in the War, Dad?" até tem alguns traços do antigo SONATA, mas isto fica ofuscado pela atmosfera e a história de sua letra, escrita pelo vocalista, tecladista e principal compositor TONY KAKKO.

Embora a banda tenha antecipado "Half a Marathon Man" como uma faixa "simples e fácil", esta terminou sendo uma das melhores do disco. Abrindo e fechando de forma relativamente serena, o "recheio" foi muito bem preenchido por ELIAS e HENRIK, que trouxeram aqui uma combinação de riffs de guitarra e de órgão reminiscentes do rock setentista/oitentista, mas com os temperos sonatanos que qualquer um esperaria.

"X Marks the Spot" é uma espécie de "Cinderblox II", embora não tenha os toques de música country que deram tão certo na canção do disco anterior. Mesmo assim, tem um clima bem humorado e alegre que caiu muito bem aqui. "Love" é a balada do álbum e futuro segundo vídeo, e uma resposta de TONY aos que dizem que ele escreve apenas histórias trágicas de amor. Aqui, ele fala de um casal que se conhece na juventude e permanece junto até a morte. Clichê ao extremo, mas é necessário admitir que a música é realmente bela e merece um bom vídeo.

Fechando o disco, "Larger Than Life", a faixa épica de quase dez minutos, marcando a primeira vez que a banda investe em algo tão longo desde "White Pearl, Black Oceans...", do Reckoning Night. Grandiosa, a faixa traz orquestrações e alternância de climas e ritmos, lembrando o trabalho mais recente do NIGHTWISH, Imaginaerum. Só faltou um "pequeno" detalhe: solos. Quem ouve uma música deste tamanho num álbum de power metal espera ao menos um solo que faça jus à ela, como aconteceu em "The Power of One", do Silence. Não houve esta preocupação aqui, tampouco na maior parte do álbum. Não que isso tenha arruinado a faixa, ela é boa, mas fica a sensação de que faltou algo.

O que concluir da audição das dez faixas de Pariah's Child? Ele é uma volta às raízes, ma non tanto. Faltam aspectos que marcaram a primeira metade da carreira do grupo. Cadê os solos frenéticos de guitarra e teclado, por exemplo? Eles estavam presentes nas melhores músicas dos primeiros três discos da banda.

Seria muito difícil cobrar que a banda voltasse realmente às raízes quando ela está sem os maiores responsáveis pelo seu antigo som: o tecladista MIKKO HÄRKIN e o guitarrista JANI LIIMATAINEN. Sem desmerecer os atuais responsáveis por estes instrumentos - cada um é bom naquilo que faz. Mas voltas às raízes fazem mais sentido em bandas como EDGUY, cuja formação pouco mudou ao longo da história.

A grande ironia deste trabalho é que os melhores momentos são justamente os que remetem à fase mais recente da banda - da qual o SONATA não se desprendeu tanto quanto alguns esperavam. Não é que o álbum não seja bom. Mas a banda disse que seria uma volta às raízes, então, ele foi analisado como tal. Se voltar às raízes era apenas fazer músicas um pouco mais rápidas, então o SONATA ARCTICA esqueceu o que realmente fez dele um dos melhores nomes do gênero.

Abaixo, o vídeo de "The Wolves Die Young":

Track-list:
01. "The Wolves Die Young"
02. "Running Lights"
03. "Take One Breath"
04. "Cloud Factory"
05. "Blood"
06. "What Did You Do in the War, Dad?"
07. "Half a Marathon man"
08. "X Marks the Spot"
09. "Love"
10. "Larger Than Life"


Outras resenhas de Pariah's Child - Sonata Arctica

Sonata Arctica: Justificando porque está tão em alta

Sonata Arctica: Muito além de uma volta às raízesSonata Arctica
Muito além de uma volta às raízes




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sonata Arctica"


Sonata Arctica: nova longa turnê pela América Latina em 2020Sonata Arctica: shows em oito cidades no Brasil em abril de 2020

Depeche Mode: 5 belos covers feitos por bandas de Rock e MetalDepeche Mode
5 belos covers feitos por bandas de Rock e Metal

Álbuns Decepcionantes: blog elege o Top 5 de 2014Álbuns Decepcionantes
Blog elege o Top 5 de 2014


Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famososMascotes de bandas
GigWise elege os 14 mais famosos

Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racistaPhil Anselmo
Vocalista explica e se retrata por episódio racista


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336